A VULGARIZAÇÃO DA MARCA SOB A ÓTICA DO ORDENAMENTO JÚRIDICO BRASILEIRO

Sílvia Gabriel Teixeira

Resumo


Este trabalho trata do desenvolvimento e uso das marcas, focando nas formas de proteção das mesmas e no seu processo de vulgarização. Inicialmente é trabalhada a ideia de marca, seu histórico e políticas brasileiras e europeias para proteção delas. Em seguida são tratadas das razões para a vulgarização das marcas, e como, observando as teorias construídas a cerca do assunto, estes processos são entendidos à luz do Direito Brasileiro. 


Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, Liliane do Espírito Santo Roriz de. A distintividade como uma função dinâmica da marca. In: Revista da ABPI, Rio de Janeiro, v. 81, mar./abr. 2006.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Diário Oficial da União, Brasília, 5 de outubro de 1988.

BRASIL. Lei nº 9.279, de 14 de maio de 1996. Regula direitos e obrigações relativos à Propriedade Industrial. Diário Oficial da União, Brasília, 15 de maio de 1996.

BRASIL. Lei nº 12.529 de 30 de novembro de 2011. Estrutura o Sistema Brasileiro de Defesa da Concorrência e dispõe sobre a prevenção e repressão às infrações contra e ordem econômica. Diário Oficial da União, Brasília, 30 de novembro de 2011.

BRASIL. Lei nº 10.406 de 10 de janeiro de 2002. Institui o Código Civil. Diário Oficial da União, Brasília, 10 de janeiro de 2002.

BRASIL. Decreto nº 1.355 de 30 de novembro de 1994. Promulga a ata final que incorpora os Resultados da Rodada Uruguai de Negociações Comeciais Multilaterais do GATT. Diário Oficial da União, 30 de novembro de 1994.

BRASIL. Convenção da União de Paris para a proteção da Propriedade Industrial. Palácio do Planalto. Disponível em , acesso em 12 de junho de 2015.

BRASIL. Supremo Tribunal Federal. AC 6336, rel. Min. Carlos Maximiliano, j. 26.04.1938, Revista do Tribunal, v.115.

BRASIL. Supremo Tribunal Federal. Recurso Especial nº 107.892-8, 1ª turma, Relator Ministro Rafael Mayer. Diário da Justiça, 23 de maio de 1986.

BRASIL. Tribunal Regional Federal. Apelação Cível nº 97.02.24950-3, 6ª Turma, TRF 2ª Região, rel. Desembargador Federal André Kozlowski. Diário da Justiça, 13 de novembro de 2003.

CARVALHO, Maria Miguel. O uso obrigatório da marca registrada. In: Estudos em comemoração a 10º aniversário da licenciatura em Direito da Universidade do Minho. Coord. Antônio Cândido de Oliveira. Editora Almedina: 2014. P. 651-687.

CARVALHO, Maria Miguel Rocha Morais de. Merchandising de marcas (a comercialização do valor sugestivo das marcas). Coimbra, Editora Almedina: 2003.

CORREIA, António de Arruda Ferrer. Lições de Direito Comercial. Lisboa: Lex, 1994.

FROES, Carlos Henrique. Marca: aquisição de distintividade e degenerescência. São Paulo: Editora Saraiva, 2007.

GONÇALVES, Luís M. Couto. Direito de marcas. Coimbra: Editora Almedina, 2003.

INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL. Código da Propriedade Industrial. Disponível em: < http://www.marcasepatentes.pt/files/collections/pt_PT/1/2/14/CPI%202003.pdf> , acesso em 26 de maio de 2015.

GURGEL, Hudson Targino. Considerações sobre a perda de distintividade das marcas registradas. In: Revista da ABPI, Rio de Janeiro, v. 81, mar./abr. 2006.

PINHAL, Ana Soraia Lopes. O esgotamento do direito a marca e o ressurgimento do direito adormecido à marca de prestígio. Dissertação de mestrado apresentado a Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra. Coimbra, 2014.

SÃO PAULO. Tribunal de Justiça. Apelação Cível nº 229.580-1/0, Relator Jorge Tannus, Diário da Justiça, 9 de novembro de 1995.

SÂO PAULO. Tribunal de Justiça. Apelação nº 0019957-38.2010.8.26.0001, Desembargadores Ênio Zuliani, Manoel Pereira Calças e Romeu Ricupero. Diário da Justiça, 11 de outubro de 2011.

SCHMIDT, Lélio Denicoli. A distintividade das marcas: secondary meanig, vulgarização e teoria da distância. São Paulo: Editora Saraiva, 2013.

SERENS, Manuel Couceiro Nogueira. A “vulgarização” da marca na directiva 89/104/CCE, de 21 de dezembro de 1988 (ID EST, no nosso futuro). Estudos em homenagem ao Professor Ferrer Correia. Boletim da Faculdade de Direito de Coimbra: nº especial, vol. 4, 1997.

SERENS, Manuel Couceiro Nogueira. A Monopolização da Concorrência e a (Re-)Emergência da Tutela da Marca. Coimbra: Editora Almedina, 2007.

STÉFANO, Kleber Cavalcanti. Compreensão histórica das marcas. Revista Jurídica Consulex: ano IX, nº 213, nov./2005.

TAVARES, Mauro Calixta. A força da marca: como construir e manter uma marca forte. São Paulo: Editora Habra, 1998.

UNIÃO EUROPEIA. Primeira Directiva 89/104/CCE, de 21 de dezembro de 1988, relativa à aproximação das legislações dos Estados-Membros respeitantes às marcas. Jornal Oficial L040, de 11 de fevereiro de 1989.

UNIÃO EUROPEIA. Regulamento (CE) nº 207/2009 do Conselho sobre marca comunitária. Jornal oficial, 26 de fevereiro de 2009.




 

 

 

___________________________________________________

ISSN: 2176-977X

Revista Eletrônica do Curso de Direito - PUC Minas Serro

Praça João Pessoa, 74 - Centro

CEP: 39150-000 - Serro – MG