A CONSCIÊNCIA SEGUNDO JULIAN JAYNES

  • Márcio Francisco Rodrigues Filho Escola Estadual Olindo Flores
Palavras-chave: Bicameral. Consciência. Cérebro. Introspecção. Autoconsciência.

Resumo

O artigo contrasta a hipótese da consciência defendida por Julian Jaynes com os conhecimentos fisiológicos do cérebro humano para sugerir contradições. Na controversa hipótese do surgimento da consciência por meio de uma mente bicameral, Jaynes explicou a origem da consciência por meio de dois aspectos centrais da sua afamada obra "The Origin of Consciousness in the Breakdown of the Bicameral Mind". Aqui, primeiro abordamos os pressupostos que levaram Jaynes a defender a hipótese da mente ser inconsciente na antiguidade (3500 a.C a 1400 a.c) e dividida em dois hemisférios autônomos, as quais, um alucinava comandos e o outro os executava, sem que tivessem introspecção, metacognição ou ainda, consciência em um sentido mais amplo. Depois, contrastamos a teoria com os aspectos fisiológicos e analisamos alguns problemas acarretados pela hipótese, concluindo com um resumo dos principais aspectos desse trabalho com comentários lançados por respeitados pesquisadores.

Biografia do Autor

Márcio Francisco Rodrigues Filho, Escola Estadual Olindo Flores

Mestre e graduado em Filosofia pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS). Leciona Filosofia e Sociologia na Escola Estadual Olindo Flores em São Leopoldo e no Colégio Saint Germain em Sapucaia do Sul.. E-mail: marcio.francisco.rodrigues@gmail.com.  

Publicado
22-12-2019
Como Citar
Rodrigues Filho, M. F. (2019). A CONSCIÊNCIA SEGUNDO JULIAN JAYNES. Sapere Aude, 10(20), 734-749. https://doi.org/10.5752/P.2177-6342.2019v10n20p734-749
Seção
ARTIGOS/ARTICLES: TEMÁTICA LIVRE/FREE SUBJECT