POR UMA ÉTICA DA LINGUAGEM: SOBRE O SUPOSTO CARÁTER SOLIPSISTA E MONOLÓGICO DA RAZÃO PRÁTICA

  • Felipe Rodrigues Simões Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN)
Palavras-chave: Kant. Habermas. Apel. Dever de veracidade. Razão prática.

Resumo

O presente artigo pretende introduzir um conjunto de reflexões que versam sobre o problema da mentira e do dever de veracidade enquanto elementos que estruturam a filosofia prática de Kant. Para tanto, ocupa-se do primado da linguagem como questão fundamental da filosofia crítica. Em seguida, tematiza alguns dos principais momentos onde o referido problema se apresenta. Assim, além de uma reconstrução das teses gerais que constituem a parte transcendental da doutrina moral-prática, busca indicar em que medida os juízos sintéticos a priori práticos encontram na natureza humana, interpretada sensivelmente, seu domínio factual de aplicação. Tal esforço constituirá uma resposta indireta às críticas dirigidas por Karl-Otto Apel e Jürgen Habermas contra um suposto caráter solipsista e monológico da razão prática, de modo a sustentar que, em fim de contas, não seria Kant apenas o mais natural aliado desses dois pensadores, mas, sobretudo, que sua concepção de razão prática seria essencialmente dialógica.

Biografia do Autor

Felipe Rodrigues Simões, Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN)

Doutorando em Filosofia pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). Mestre em Filosofia pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte. E-mail: profo.felipe@gmail.com.

Publicado
22-12-2019
Como Citar
Rodrigues Simões, F. (2019). POR UMA ÉTICA DA LINGUAGEM: SOBRE O SUPOSTO CARÁTER SOLIPSISTA E MONOLÓGICO DA RAZÃO PRÁTICA. Sapere Aude, 10(20), 504-517. https://doi.org/10.5752/P.2177-6342.2019v10n20p504-517
Seção
ARTIGOS/ARTICLES: DOSSIÊ/DOSSIER