O PARADIGMA DA ÉTICA EM PLATÃO

Uma leitura a partir do inferencialismo de Robert Brandom

  • Rafael Lourenço Navarro Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais
Palavras-chave: Platão. Brandom. Inferencialismo. Ontologia. Ética.

Resumo

Este artigo visa apresentar uma abordagem da teoria do conhecimento de Platão em harmonia com o inferencialismo semântico e o expressivismo lógico de Robert Brandom. Os textos mais relevantes aqui são O Sofista e a Carta VII, pois nestes textos a epistemologia platônica é apresentada em termos mais explícitos. O artigo começa com uma definição de Eventos, pois este conceito será o fundamento ontológico do argumento apresentado. Pois a verdade na teoria de Brandom pode ser compreendida como a força expressiva das razões com as quais alguém se compromete, e em Platão ela é uma atividade da Psyché que vincula o desvelar múltiplo do ilimitado Ser em movimento com a estabilidade proporcionada pelas idéias eternas e imutáveis. Assim, será argumentado que o conteúdo conceitual ao qual um sujeito autônomo se compromete é subordinado ao evento que este sujeito é capaz de se apropriar. A idéia defendida é de que o status social de conhecedor é uma razão que autoriza práticas sociais entre agentes racionais e um indivíduo precisa reconhecer tal status em outro sujeito para poder participar do jogo de dar e pedir razões.

Biografia do Autor

Rafael Lourenço Navarro, Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais
Graduando em Filosofia na Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC-MG). Bolsista FAPEMIG com pesquisa filosófica cuja temática engloba Ecologia, Ética, Metafísica, Hermenêutica e Fenomenologia. Membro do Colegiado do Curso de Filosofia da PUC-MG desde 2013.
Publicado
02-07-2020
Como Citar
Navarro, R. L. (2020). O PARADIGMA DA ÉTICA EM PLATÃO. Sapere Aude, 11(21), 150-172. https://doi.org/10.5752/P.2177-6342.2020v11n21p150-172
Seção
ARTIGOS/ARTICLES: DOSSIÊ/DOSSIER