MEDEIA. DA AFIRMAÇÃO DO HUMANO À NEGAÇÃO DO DIVINO

  • Thais Luz Resende Gonçalves PUC-Minas
Palavras-chave: Medeia, Teatro, Tragédia

Resumo

A pesquisa que comunicamos apresenta uma possibilidade de leitura da peça trágica Medeia, escrita pelo poeta Eurípides em 431 a.C., considerando a possibilidade que encontramos de leitura de múltiplas faces da personagem Medeia, marcadas por tensões que culminam na realização da peripécia – conceito extraído da Poética de Aristóteles.  A peripécia, por sua vez, é interpretada dialeticamente, de modo a mostrar a originalidade de Eurípides. O prólogo do texto funciona como uma grande didascálica apresentando, portanto, essas faces de Medeia previamente anunciadas. Diante das faces que Medeia assume constituem-se figuras que identificamos como uma tríplice ambiguidade, quais sejam: Medeia transitando entre a passionalidade e a racionalidade, entre mulher bárbara e grega e a maior e mais importante ambiguidade, Medeia entre a figura humana e a figura divina. Sob essa perspectiva propomos que a construção da personagem Medeia é um expediente dialético.

Publicado
22-12-2020
Como Citar
Gonçalves, T. L. R. (2020). MEDEIA. DA AFIRMAÇÃO DO HUMANO À NEGAÇÃO DO DIVINO. Sapere Aude, 11(22), 611-618. https://doi.org/10.5752/P.2177-6342.2020v11n22p611-618