Cativas de guerra: a extrema degradação do estatuto social da mulher

  • Maria de Fátima Silva Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, Portugal.

Resumo

Dentro dos quadros de guerra paradigmáticos da Literatura Grega antiga, Tebas e Tróia tornaram-se referência para os extremos a que o confronto bélico entre povos pode conduzir. Depois de um processo que é essencialmente masculino – a decisão do conflito e a sua concretização – vem, no pós-guerra, o tempo da dor, e essa está destinada às mulheres, as suas principais vítimas. Primeiro numa visão mais colectiva, depois numa progressiva individualização, a tragédia grega criou quadros inesquecíveis da condição feminina degradada pela guerra.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria de Fátima Silva, Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, Portugal.
professora catedrática da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, é doutorada (1984) em Literatura Grega, com a tese intitulada Crítica do teatro na Comédia Antiga. Na docência e investigação tem privilegiado a Língua Grega Antiga, a Literatura Grega, em particular o Teatro e a Historiografia, e os estudos de Recepção dos Clássicos.

Referências

ASSAEL, J. “L’image de la submersion de Troie dans les Troyennes d’Euripide”, REA 92. 1-2: 17-28, 1990.

BARLOW, S. Euripides. Trojan Women, Warminster, Aris and Phillips, 1986.

BELFIORE, E. S. “Sleeping with the enemy: Euripides’Andromakhe”, in Murder among friends. Violation of philia in Greek tragedy”, Oxford Univ. Press: 81-100, 2001.

BOULTER, P. N. “Sophia and sophrosyne in Euripides’ Andromache”, Phoenix 20. 1: 51-58, 1966.

CONACHER, D. J. “The Trojan women”. In: E. Segal (ed.), Oxford Readings in Greek Tragedy. Oxford: University Press, 1991.

CRAIK, E. “Sexual imagery and inuendo in Troades”. In: A. Powell (ed.), Euripides, women and sexuality. London: Routledge: 1-15, 1990.

DYSON, M. and Lee, K. H. “The funeral of Astyanax in Euripides’ Troades”, Journal of Hellenic Studies 2000, 120: 17-33.

DYSON, M. and Lee, K. H. “Talthybius in Euripides’ Troades”, Greek, Roman and Byzantine Studies 2000, 41. 2: 141-173.

ERBSE, H. “Euripides’ Andromache”, Hermes 1966, 94. 3: 276-296.

FERREIRA, J. R. “A figura de Andrómaca em Eurípides”, Coimbra, Humanitas 1971-1972, 23-24: 453-472.

GOLDER, H. “The mute Andromache”, Reansactions of the American Philological Association 1983, 113: 123-133.

MERIDOR, R. “E. Tr. 28-44 and the Andromache scene”, American Journal of Philology 1989, 110. 1: 17-35.

O’NEILL Jr., E. “The prologue of the Troades of Euripides”, Transactions of the American Philological Association 1941, 72: 288-320.

SCODEL, R. “The captive’s dilemma: sexual acquiescence in Euripides’ Hecuba and Troades”, Harvard Studies in Philology 1998, 98: 137-154.

SORUM, C. E. “Euripides’ judgment: literary creation in Andromache”, American Journal of Philology 1995, 116. 3: 371-388.

Publicado
20-05-2014
Como Citar
Silva, M. de F. (2014). Cativas de guerra: a extrema degradação do estatuto social da mulher. Sapere Aude, 5(9), 69-88. Recuperado de http://periodicos.pucminas.br/index.php/SapereAude/article/view/7382
Seção
ARTIGOS/ARTICLES: DOSSIÊ/DOSSIER