METAFÍSICA, VIOLÊNCIA E CONTEMPORANEIDADE: INTERPELAÇÕES ÉTICAS A PARTIR DA FILOSOFIA DE LÉVINAS

Nilo Ribeiro Junior

Resumo


O artigo visa refletir sobre a tensão que perpassa a tradição metafísica da filosofia ocidental e as questões que se lhe apresentam a contemporaneidade. Em função disso, trata-se de ir ao âmago do problema filosófico que escolhemos como objeto dessa investigação, a saber, a iteração da violência e metafísica, seja em vista de desvendar os motivos da face belicosa da filosofia greco-romana e suas antinomias diante da cultura e o pensamento atual, seja com a intenção de anunciar uma “outra maneira de uma filosofia da paz” avessa à totalidade da razão e do Ser. Uma filosofia que, sem cair na ingenuidade de imiscuir-se da negatividade do real, permita aproximar-nos de um saber paradoxal contrário à tese dóxica da razão e do ser, e que seja capaz de abrir o pensamento para uma metafísica pós-metafisica da alteridade, concebida segundo a intriga do amor e da justiça e presidida pela interpelação do Rosto do outro e do terceiro da relação.

Palavras-chave


Metafísica. Violência. Ética. Paradoxo. Rosto.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.5752/P.2177-6342.2017v8n16p322

 

 

 

ISSN: 2177-6342