PORTUGUÊS COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA (PLE): FORMAÇÃO DOCENTE E CONSTRUÇÃO DE EXPEDIENTES DIDÁTICO-METODOLÓGICOS

  • Ev' angela Batista Rodrigues de Barros Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais
  • Maria Tereza Maia de Assis Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais
Palavras-chave: Português Língua Estrangeira. Ensino de PLE. Estratégias e materiais didáticos.

Resumo

O ensino de português como segunda língua – PLE – é pouco difundido, apesar da demanda recente (e crescente) de se atender estrangeiros que vieram para o Brasil, motivados por diferentes razões, como os eventos esportivos ocorridos nos últimos anos, intercâmbios estudantis ou exílio forçado por guerras ou catástrofes naturais (refugiados). Por isso, traz-se na introdução, um recorte do aporte teórico utilizado e os conceitos de que nos valemos na pesquisa. Verifica-se que, no ensino de PLE, a concepção de língua-cultura e o processo étnico-identitário permeado pela língua se inter-relacionam fortemente com as estratégias de ensino a serem adotadas. Nesse sentido, buscamos identificar o que pode ser considerada uma boa estratégia docente e os problemas encontrados na elaboração dos materiais didáticos. E, por fim, a partir da análise dos dados – extraídos das unidades didáticas do Portal do Professor de Português Língua Estrangeira, que norteiam os trabalhos dos professores em países lusófonos– verificamos os principais temas que recorrem nos materiais didáticos destinados a esse ensino. O objetivo deste artigo é, portanto, trazer um panorama sobre a realidade do PLE no Brasil, bem como discutir metodologias de construção de materiais didáticos, resultados de uma análise de seis livros destinados ao ensino de português como L2.


Biografia do Autor

Ev' angela Batista Rodrigues de Barros, Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais
Doutora em Estudos Linguísticos pela UFMG, Docente da PUC Minas

Maria Tereza Maia de Assis, Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais
Graduanda em Letras pela PUC Minas.

Referências

ALMEIDA, Mário Sérgio Pinheiro Moreira de. Ensino de Português Língua Estrangeira – PLE- língua global. Revista Virtual de Estudos da Linguagem– ReVEL, v.2, n.2, mar. 2004.

ASSIS, Maria Tereza Maia de. Tabela de unidades didáticas. Belo Horizonte: PUC Minas BH, 2016.

BAKHTIN, Mikhail. Estética da Criação Verbal. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

BRANDÃO, Giliard Dutra. Crenças sobre o ensino de Português como Língua Estrangeira: práticas discursivas de professores formadores e em formação inicial. 2014. Dissertação (Mestrado) –Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2014.

BRONCKART, Jean Paul. Atividades de linguagem, textos e discursos: por um interacionismo sócio-discursivo. São Paulo: EDUC, 2003.

GEERTZ, Clifford. Uma descrição densa: por uma teoria interpretativa da cultura In: GEERTZ, Clifford. A interpretação das Culturas. Rio de Janeiro: LTC, 1989.

GIDDENS, Anthony. Consequências da modernidade. São Paulo: UNESP, 2011.

GONDIM, Ana Angélica Lima. Desenvolvimento da capacidade discursiva através das atividades dos livros didáticos de português língua estrangeira. 2012.177f. Dissertação (Mestrado) - Programa de Pós-Graduação em Linguística, Universidade Federal do Ceará Fortaleza, 2012.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. 7. ed. Rio de Janeiro:DP&A, 2002.

QUADRO europeu comum de referência para as línguas: aprendizagem, ensino, avaliação. [S.l.]: ASA, 2001. Disponível em: http://area.dge.mec.pt/gramatica/Quadro_Europeu_total.pdf. Acesso em: 29 set. 2016.

SIGNORINI, Inês (org). Lingua(gem) e identidade: elementos para uma discussão no campo aplicado.São Paulo: Mercado das Letras,Faep/Unicamp, FAPESP, 1998.

VALLAINT, Denise; MARCELO, Carlos. Ensinando a ensinar: as quatro etapas da aprendizagem. Curitiba: Ed. UTFPR, 2012. p.242.

Publicado
06-08-2019
Como Citar
Barros, E. angela B. R. de, & Assis, M. T. M. de. (2019). PORTUGUÊS COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA (PLE): FORMAÇÃO DOCENTE E CONSTRUÇÃO DE EXPEDIENTES DIDÁTICO-METODOLÓGICOS. @rquivo Brasileiro De Educação, 6(13), 60-84. https://doi.org/10.5752/P.2318-7344.2018v6n13p60-84