Currículo e Relações Étnico-Raciais: a identidade da criança negra na Educação Infantil na Amazônia Bragantina

  • Raquel Amorim dos Santos Universidade Federal do Pará
Palavras-chave: Currículo. Relações Étnico-Raciais. Identidade Negra. Educação Infantil

Resumo

Este estudo analisa o Currículo e as Relações Étnico-Raciais na Educação Infantil, com foco na identidade da criança negra, a partir das ações realizadas no Projeto de Extensão da Universidade Federal do Pará, Campus Universitário de Bragança sobre Formação de Professores para a Educação das Relações Étnico-Raciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Africana na Educação Básica em Bragança-PA e do Seminário de Educação Infantil sobre o Brincar, criar e inovar: refletindo o currículo e práticas educativas na Educação Infantil, realizado em parceria com a Secretaria Municipal de Educação de Bragança-PA. O referencial teórico-metodológico baseia-se em Cavalleiro (2006), Coelho (2009) e Santos (2009) para a discussão sobre relações étnico raciais e Educação Infantil e para a incursão sobre identidade negra nos balizamos em Gomes (2002). Os resultados do estudo revelam que os professores a partir do Projeto de Extensão e de suas atividades na escola desenvolvem práticas pedagógicas voltadas para afirmação da identidade da criança negra. No entanto, elas se intensificam, sobretudo no mês que celebra a consciência negra. Concluímos que as práticas pedagógicas antirracista necessitam ser inserido, no: projeto pedagógico, currículo escolar, planejamento de ensino, instrumentos didáticopedagógicos e, sobretudo nas brincadeiras e interações das crianças da Educação Infantil, pois podem contribuir para a construção da identidade positiva da criança negra e para subversão de práticas racistas, preconceituosas e discriminatórias. A ausência das relações étnico raciais no currículo da Educação Infantil pode impedir a promoção de boas relações étnicas e contribuir para o silêncio que envolve as relações étnico raciais nas diversas instituições sociais, inclusive a escola.



Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Raquel Amorim dos Santos, Universidade Federal do Pará
Doutorado e Mestrado em Educação pela Universidade Federal do Pará (UFPA). Professora Adjunta A da Universidade Federal do Pará, Campus Universitário de Bragança, Faculdade de Educação. Professora do Programa de Pós-Graduação em Linguagens e Saberes na Amazônia (PPLSA). Pesquisadora do Núcleo de Estudos e Pesquisa sobre Formação de Professores e Relações Étnico-Raciais (GERA/UFPA). Diretora das Áreas Acadêmicas da Associação Brasileira de Pesquisadores Negros - ABPN (2017-2018). Associada a ANPED – Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação e ABPN. Graduada em Pedagogia pela Universidade da Amazônia (UNAMA).

Referências

BONECAS Abayomi: símbolo de resistência, tradição e poder feminino. [S.l.]:Geledés, 220 mar. 2015. Disponível em: https://www.geledes.org.br/bonecasabayomi-simbolo-de-resistencia-tradicao-e-poder-feminino/. Acesso em: 08 nov. 2017.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. Brasília: MEC, SEB, 2010.

BRASIL. Diretrizes curriculares nacionais para a educação das relações étnico-raciais e para o ensino de história e cultura Afro-Brasileira e Africana. Brasília: INEP, 2004.

CÂMARA, Luciene Tavares; SANTOS, Maria Auxiliadora Antunes dos. Mancala, um jogo milenar, contribuindo na alfabetização matemática de jovens e adultos. Brasília: UNB, 2017. Disponível em: http://www.ucb.br/sites/100/103/tcc/22006/lucienetavaresdacamara.pdf.

Acesso em: 11 nov.2017.

CAVALLEIRO, Eliane dos Santos. Do silêncio do lar ao silêncio escolar: racismo, preconceito e discriminação na educação infantil. 5.ed. São Paulo:Contexto: 2006.

COELHO, Wilma de Nazaré Baía. A cor ausente. Belo Horizonte: Mazza Edições, 2009.

GALVÃO, Rosália Saraiva; PINHO, Márcia Saviczki. Estrutura curricular para a educação lnfantil da rede municipal de Bragança-PA de 0 a 3 anos.

Secretaria Municipal de Educação. Bragança–PA, 2017.

GOMES, Nilma Lino. Educação e identidade negra. Aletria: revista de estudos de literatura, v. 9, p. 38-47, 2002.

KRAMER, Sonia. Leitura e escrita de professores em suas histórias de vida e formação. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, FCC, n. 106, p. 129-157, mar, 1999.26

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Tradução de Tomaz Tadeu da Silva. Rio de Janeiro: DP&A editora, 2001.

MACEDO, Lino de; PETTY, Ana Lúcia Sícoli; PASSOS, Norimar Christe. Aprender com jogos e situações-problemas. Porto Alegre: Artmed, 2007.

MINAYO, Maria Cecília de Souza (Org.). Pesquisa social: teoria, método e

criatividade. 19. ed. Petrópolis: Vozes, 2001.

RODRIGUES, Edvânia Braz Teixeira. Cultura, arte e contação de histórias.

Goiânia: Gwaya, 2005.

SANTOS, Raquel Amorim dos. (In) visibilidade negra: representação social de professores acerca das relações raciais no currículo escolar do Ensino Fundamental em Ananindeua (PA). 2009. Dissertação (Mestrado em Educação) – Instituto de Ciências da Educação, Programa de PósGraduação em Educação Universidade Federal do Pará, Belém, 2009.

SANTOS, Celso José dos. Jogos africanos e a educação matemática:

semeando com a família Mancala. Maringá: Secretaria de Estado da

Educação, 2008. Disponível em: http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/portals/pde/arquivos/121-2.pdf.

Acesso em: 11 nov. 2017.

SANTOS, Sandro Vinicius Sales dos. Walter Benjamin e a experiência infantil:contribuições para a educação infantil. Pro-Posições, v. 26, n. 2 (77), p. 223-239, maio/ago. 2015

Publicado
06-08-2019
Como Citar
Santos, R. A. dos. (2019). Currículo e Relações Étnico-Raciais: a identidade da criança negra na Educação Infantil na Amazônia Bragantina. @rquivo Brasileiro De Educação, 6(14), 6-26. https://doi.org/10.5752/P.2318-7344.2018v6n14p6-26
Seção
ARTIGOS: DOSSIÊ Infâncias e Crianças da Amazônia: saberes, vivências e educação em diferentes contextos