A compreensão leitora em hipertextos digitais e textos contínuos: uma análise comparativa

  • Jairo Venício Carvalhais Oliveira Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG
  • Patrícia Souza Diniz Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG
  • Tércia Rodrigues Timo Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG
Palavras-chave: literaturas de língua portuguesa, linguística, filologia

Resumo

O presente trabalho procurou investigar se há diferenças na compreensão da leitura de textos apresentados em dois formatos: impresso/contínuo e hipertextual/digital. Para cumprir essa empreitada, foram selecionados textos que tratavam de um mesmo tema, mas pertencentes a diferentes gêneros textuais. Partiu-se do pressuposto de que todo texto é, por excelência, um hipertexto, e de que toda leitura é realizada de modo hipertextual. Com base nesses preceitos, a hipótese levantada foi a de que o formato de apresentação dos textos não constituiria um fator capaz de interferir substancialmente na leitura, uma vez que o processamento da compreensão não ocorre de maneira linear. O experimento foi realizado com alunos do curso de Letras de uma universidade
pública federal, os quais foram divididos em dois grupos. Um grupo “A”, composto por quatro estudantes, realizou a leitura dos textos em formato digital. Um segundo grupo, intitulado “B”, realizou a leitura dos textos em formato impresso. Os resultados obtidos evidenciaram que há leves diferenças, ainda que pouco significativas, nas habilidades de leitura de textos em formato hipertextual/digital versus formato impresso/contínuo. No entanto, uma análise qualitativa das respostas obtidas no experimento mostrou que essas diferenças não implicam, necessariamente, incompreensão dos textos lidos.

Palavras-chave: Leitura hipertextual. Gêneros textuais. Compreensão leitora.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ARAÚJO, Maria aparecida. Compreensão de Hipertexto:

sob a perspectiva da Teoria da Mesclagem. Belo Horizonte:

157f. Dissertação (Mestrado em Estudos Linguísticos).

Faculdade de Letras da Universidade Federal de Minas Gerais,

BEAUGRANDE, Robert. New foundations for a science of

text and discourse: cognition, communication and the freedom

of access to knowledge and society. Norwood: Ablex, 1997.

CAFIERO, Delaine. A construção da continuidade temáticapor crianças e adultos: compreensão de descrições definidas

e de anáforas associativas. Campinas/SP: 2002. 207 f. Tese

(Doutorado em Linguística) – Instituto de Estudos da

Linguagem da Universidade Estadual de Campinas, 2002.

CHARTIER, Roger. Leitores e leituras na era da textualidade

eletrônica. Tradução de Valentina Vandeveld. In: COSCARELLI,

C. V.; RIBEIRO, A. E. (Org.) O hipertexto em tradução. Belo

Horizonte: Viva Voz (FALE/UFMG), 2007.

COSCARELLI, C. V. Texto versus hipertexto: na teoria e na

prática. In: COSCARELLI, C. V. (Org.) Hipertextos na teoria

e na prática. Belo Horizonte: Autêntica, 2012. p. 147-174.

COSCARELLI, C. V. Os dons do hipertexto. In: Littera:

Linguística e literatura. Pedro Leopoldo: Faculdade de Ciências

Humanas de Pedro Leopoldo, 2006.

LÉVY, P. As tecnologias da inteligência. São Paulo. Ed. 34,

RIBEIRO, Ana Elisa. Navegar lendo, ler navegando. Notas

sobre a leitura de jornais impressos e digitais. Belo Horizonte:

InterDitado, 2009. (Coleção Indie). Disponível em: < http://

www.ufpe.br/nehte/artigos/Hipertexto-ana-elisa-ribeiro.

pdf>. Acesso em: 30 jun. 2013.

RIBEIRO, Ana Elisa. Navegar lendo, ler navegando: aspectos

do letramento digital e da leitura de jornais. Tese (Doutorado

em Estudos Linguísticos), Faculdade de Letras, Universidade

Federal de Minas Gerais, Belo Horizontes, 2008.

Sites (textos utilizados no experimento)

Angelina Jolie. The New York Times. Tradução: Paulo

Migliacci. Disponível em: <http://www1.folha.uol.com.br/

equilibrioesaude/2013/05/1278347-angelina-jolie-minhaescolha-

medica.shtml>. Acesso em: 10 jun. 2013

Editorial: O caso Angelina Jolie. Folha de S. Paulo, 16 maio,

Disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/

opiniao/2013/05/1279382-o-caso-angelina-jolie.shtml. Acesso

em: 12 jun. 2013

Publicado
14-12-2015
Como Citar
Oliveira, J. V. C., Diniz, P. S., & Timo, T. R. (2015). A compreensão leitora em hipertextos digitais e textos contínuos: uma análise comparativa. Cadernos CESPUC De Pesquisa Série Ensaios, 2(25), 70-88. Recuperado de http://periodicos.pucminas.br/index.php/cadernoscespuc/article/view/11104
Seção
Dossiê: mídias, redes sociais - construções de discursos, imagens e representações