A construção discursiva da demência em processos judiciais dos séculos XVIII e XIX

  • Maysa de Pádua Teixeira Paulinelli Universidade Federal de Ouro Preto - UFOP
Palavras-chave: literaturas de língua portuguesa, linguística, filologia

Resumo

Neste trabalho, propomos uma reflexão sobre a construção discursiva do conceito de demência nos séculos 18 e 19, a partir da análise de gêneros judiciários – inventários e ações de demência – depositados no arquivo público Casa Setecentista, situado em Mariana/MG. A Casa Setecentista é responsável pela guarda e conservação de um amplo acervo de documentos que remontam ao Brasil Colônia, ao Império e à Velha República, entre os quais se encontram catalogados autos cíveis e criminais oriundos do fundo Fórum de Mariana. De acordo com Foucault (1978), as provas produzidas nesses gêneros judiciários, no período histórico contemplado, fundamentavam-se exclusivamente no relato de testemunhas, já que a loucura ainda não havia sido encampada pelo discurso médicocientífico. Sendo assim, as narrativas orais por elas engendradas em torno dos feitos do indivíduo demente tornam-se fundamentais para a procedência da ação. Para essa análise, considerou-se, conforme Motta (2013), que narrar é uma estratégia argumentativa orientada a fim de convencer, de promover certos efeitos de sentido e influenciar a visão de mundo de quem lê ou ouve uma história. Nesse sentido, os relatos de testemunhas nos gêneros judiciários podem ser analisados como exemplos
da evidência argumentativa das narrativas. 

Palavras-chave: Gêneros judiciários. Narrativas. Argumentação. Discurso.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AMOSSY, R. Nouvelle rhétorique et linguistique du discours.

In: KOREN, Roselyne et AMOSSY, R. Après Perelman: quelles

politiques pour les nouvelles rhètoriques? Paris: L’Harmattan,

p. 153-171.

AMOSSY, R (Org.). Imagens de si no discurso: a construção

do ethos. São Paulo: Contexto, 2005.

AMOSSY, R. L’argumentation dans le discours. Paris: Armand

Colin, 2006.

AMOSSY, R.; HERSCHBERG-PIERROT, A. Stéréotypes et

clichês. Paris: Nathan Université, 1997.

ARISTÓTELES. Retóricas. Lisboa: Imprensa Nacional - Casa

da Moeda, 1998.

ARISTÓTELES. Tópicos. Disponível em <http://www.

dominiopublico.gov.br/download/texto/cv000069.pdf>.

Acesso em 02 fev. 2011.

AUTHIER-REVUZ, J. Entre a transparência e a opacidade:

um estudo enunciativo do sentido. Porto Alegre: EDIPUCRS,

BAZERMAN, C. Gêneros textuais, tipificação e interação. 2

ed. São Paulo: Cortez, 2006.

BOURDIEU, P. A economia das trocas linguísticas: o que falar

quer dizer. 2 ed. São Paulo: Editora da Universidade de São

Paulo, 2008.

BRASIL. Código Civil de 1916. Disponível em <http://www.

planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L3071.htm>. Acesso em 03 jan.

BRASIL. Código Civil de 2002. Disponível em <http://www.

planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/L10406.htm>. Acesso em

jan. 2014.

CASTILHO, C. M. M. Inventários e testamentos como

documentos linguísticos. Revista Filologia e Linguística

Portuguesa, n. 31(1), p. 268-286, 2011.

CHARAUDEAU, P. Uma teoria dos sujeitos da linguagem. In

MARI, H; MACHADO, I. L. & MELO, R. (orgs.). Análise do

Discurso: Fundamentos e práticas. Belo Horizonte: Núcleo de

Análise do Discurso - FALE/UFMG, 2001. p. 23-38.CHARAUDEAU, P. Linguagem e discurso: modos de

organização. São Paulo: Contexto, 2009.

DEBUYST, C. Representação da justiça e reação social. Análise

Psicológica, v. 4, p. 659-376, 1986.

FERRAZ JR., T. S. Direito, retórica e comunicação: subsídios

para uma pragmática do discurso jurídico. 2. ed. São Paulo:

Saraiva, 1997.

FOUCAULT, M. A história da loucura na Idade Clássica. 5

ed. São Paulo: Perspectiva, 1997.

FOUCAULT, M. A ordem do discurso. 6 ed. São Paulo: Loyola,

FRANCO, M. L. P. B. Representações sociais, ideologia e

desenvolvimento da consciência. Cadernos de Pesquisa, São

Paulo, v. 34, n. 121, p. 169-186, jan./abr. 2004.

HESPANHA, A. M. Imbecillitas: as bem-aventuranças da

inferioridade nas sociedades de Antigo Regime. São Paulo:

Annablume, 2010.

JODELET, D. Representações sociais: um domínio em

expansão. In: JODELET, D. (Org.). As representações sociais.

Rio de Janeiro: EdUERJ, 2001, p. 17-44.

LEYENS, J. P. Representações sociais e justiça. Análise

Psicológica, v. 4, p. 359-368, 1986.

MACHADO, I. L.; MENEZES, W.; MENDES, E. (Org.). As

emoções no discurso. 1ed. Rio de Janeiro: Lucerna, 2007, v. 1,

p. 201-220.

MAINGUENEAU, D. Novas tendências em Análise do

Discurso. 3 ed. Campinas: Pontes: Editora da Unicamp, 1997.

MAINGUENEAU, D. Ethos, cenografia, incorporação. In

AMOSSY, Ruth (org.). Imagens de si no discurso: a construção

do ethos. São Paulo: Contexto, 2005. p. 69-92.

MAINGUENEAU, D. Gênese dos discursos. São Paulo:

Parábola Editorial, 2008.

MEYER, M. Qu’est-ce que l’argumentation? Paris: Librairie

Philosophique J.VRIN, 2005.

MONTANHEIRO, F. C. Quem toca o sino não acompanha a

procissão: toque de sinos e ambiente festivo em Ouro Preto.

Disponível em < http://www.dhi.uem.br/gtreligiao/pdf/st1/Montanheiro,%20Fabio%20C.pdf>. Acesso em 05 mai. 2014.

MOSCOVICI, Serge. La representación social: um concepto

perdido. IEP - Instituto de Estúdios Peruanos: Lima, 2002.

MOSCOVICI, S. Representações sociais: investigação em

psicologia social. Petrópolis: Vozes, 2003.

MOTTA, L. G. Análise crítica da narrativa. Brasília: Editora da

Universidade de Brasília, 2013.

OCHI FLEXOR, M. H. Inventários e testamentos como

fonte de pesquisa. Disponível em <http://www.histedbr.fae.

unicamp.br/navegando/artigos_pdf/Maria_Helena_Flexor2_

artigo.pdf>. Acesso em 10 dez. 2013.

ORDENAÇÕES FILIPINAS. Disponível em <http://www1.

ci.uc.pt/ihti/proj/filipinas/ordenacoes.htm>. Acesso em

janeiro de 2014.

PAULINELLI, M. P. T. Argumentação e performatividade da

linguagem no tribunal do júri. Tese (Doutorado) - Pontifícia

Universidade Católica de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2011.

Disponível em http://www.biblioteca.pucminas.br/teses/

Letras_PaulinelliMP_1.pdf.

PERELMAN, C. Retóricas. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

PERELMAN, C. e OLBRECHTS-TYTECA, L. Tratado da

Argumentação: a Nova Retórica. São Paulo: Martins Fontes,

PY, B. (éd.). Analyse conversationnelle et représentations

sociales: unité et diversité de l’image du bilinguisme.

Neuchâtel : Université du Neuchâtel, 2000.

REBOUL, O. Introdução à Retórica. Tradução Ivone Castilho

Benedetti. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

RODRIGUES, A.; SOUSA, E. e MARQUES, J. A representação

social de justiça em Portugal: uma análise psicossocial da

percepção do aparelho judiciário. Análise Psicológica, v. 4, p.

-460, 1986.

SARFATI, G.-E. Aspectos épistémologiques et conceptuels

d’une théorie linguistique de la doxa. In: KOREN, R. et

AMOSSY, R. Après Perelman: quelles politiques pour les

nouvelles rhètoriques? Paris: L’Harmattan, 2002. p.57-90.SARFATI, G.-E. Cultural Study, Doxa, Dictionaries: the case

of Jewish identity. Poetics Today. v. 23, n. 3, fall 2002. p. 489-

Publicado
14-12-2015
Como Citar
Paulinelli, M. de P. T. (2015). A construção discursiva da demência em processos judiciais dos séculos XVIII e XIX. Cadernos CESPUC De Pesquisa Série Ensaios, 2(25), 110-124. Recuperado de http://periodicos.pucminas.br/index.php/cadernoscespuc/article/view/11106
Seção
Dossiê: mídias, redes sociais - construções de discursos, imagens e representações