A formação do ethos e da emoção em "discurso de autoajuda literário"

  • Carlos Antônio Fernandes Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG/FALE
Palavras-chave: Literaturas de língua portuguesa, linguística, filologia

Resumo

O presente trabalho tem como objetivo analisar o ethos, bem como as emoções que são suscitadas em discurso de autoajuda. O corpus é constituído por aforismos de Oscar Wilde retirados da obra: Oscar Wilde para inquietos, de Allan Percy. Investigamos o corpus a partir da instância do ethos da obra e das emoções suscitadas no auditório. Concluímos que a obra tem uma singularidade com relação às outras do gênero, pois seu discurso, embora se apoie em um ethos forte, isto é, compósito, com argumentos de autoridade, para corroborar suas afirmações, não é tão dogmática como as demais. Além disso, constatamos que as paixões suscitadas, pelo orador, no discurso, aproximam orador e auditório da problemática de cada tema abordado.

Palavras-chave: Discurso. Interdiscurso. Intertextualidade. Ethos; pathos 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AMOSSY, Ruth. L’argumentation dans le discours. 3ed. Paris,

Armand Colin, 2010, 275 p.

ARISTÓTELES. Retórica das Paixões. Prefácio: Michel,

MEYER. Introdução, notas e tradução do grego: Isis Borges

B. da FONSECA. São Paulo: Martins Fontes. Edição Bilíngue

Grego-Português, 2000, 73 p.

BOSCOV, Isabela & ROGAR, Sílvia. Nas asas da autoajuda.

Revista Veja edição 2141. São Paulo, 2 dez 2009. Disponível

em:

-shtml>. Acesso em 6 mai. 2014.

BRUNELLI, Anna Flora. Aforização no discurso de autoajuda.

Revista do Gel. São Paulo, v.8, n.1, p. 125-138, 2011.Disponível

em < http:// revistadogel.gel.org.br/rg/article/view/51/33>.

Acesso em: 06 mai. 2014.BUDISMO. In: WIKIPÉDIA, a enciclopédia livre. Flórida:

Wikimedia Foundation, 2014. Disponível em:< http://

pt.wikipedia.org/w/index.php?ti tle=Budismo&old

id+386638888>. Acesso em: 6 mai. 2014.

CHAGAS, Arnaldo Toni Sousa das. A ilusão no discurso da

auto-ajuda e o sintoma social. Ijuí, Editora Unijuí, 1999, 123p.

CHARAUDEUAU, Patrick. Discurso Político. São Paulo,

editora contexto, 2008, 328p.

FRANÇA, Júnia Lessa, VASCONCELLOS, Ana C. et al.

Manual para normalização de publicações técnico-científicas.

ed.. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2007. 255p.

LIMA, Marco Aurélio de. A retórica de Aristóteles: da

orientação das paixões ao aprimoramento da eupraxia. Natal:

IFRN, 2011. 140p.

MAINGUENEAU, Dominique. Doze conceitos em Análise

do Discurso. São Paulo, Parábola Editorial, 2010, 207 p.

MAINGUENEAU, Dominique. Ethos, cenografia,

incorporação. In: AMOSSY, Ruth (org.). Imagens de si no

discurso: a construção do ethos. São Paulo: Contexto, 2008,

p.

MAINGUENEAU, Dominique. Cenas da Enunciação.

Curitiba: Criar Edições, 2006, 181 p.

MAINGUENEAU, Dominique. Novas Tendências em Análise

do Discurso. 3 ed. Campinas: Editora da Universidade Estadual

de Campinas, 1997, 198 p.

MATHIEU-CASTELLANI, Gisele. La passions du discours.

In: La rhétorique des passions. Paris. PUF, 2000.

MATHIEU-CASTELLANI, Gisele. La rhétorique et les

passions. In: La rhétorique des passions. Paris. PUF, 2000.

MEYER, Michel. A retórica. São Paulo: Ática, 2007. 128 p.

NOBRE CAMINHO ÓCTUPLO. In: WIKIPÉDIA,

a enciclopédia livre. Flórida: Wikimedia Foundation,

Disponível em: <http://pt.wikipedia.org/w/

index.php?title=Nobre_Caminho_%C3%93ctuplo&old

id=36664460>. Acesso em: 6 mai. 2014.

PERCY, Allan. Oscar Wilde para inquietos. Rio de Janeiro:

Sextante, 2012, 128p.REBOUL, Olivier. Introdução à retórica. São Paulo: Martins

Fontes, 1998. 253p.

WOOK. Disponível em: https://www.wook.pt/authors/

detail/id/978504>. Acesso em 6 mai.2014

Publicado
14-12-2015
Como Citar
Fernandes, C. A. (2015). A formação do ethos e da emoção em "discurso de autoajuda literário&quot;. Cadernos CESPUC De Pesquisa Série Ensaios, 2(25), 226-244. Recuperado de http://periodicos.pucminas.br/index.php/cadernoscespuc/article/view/11116
Seção
Dossiê: narrar e narrar-se