ERRÂNCIA TEXTUAL OU A POSSIBILIDADE DE ULTRAPASSAR O NARRAR EM OS CUS DE JUDAS, DE ANTÓNIO LOBO ANTUNES

  • Glaura Siqueira Cardoso Vale PUC Minas
Palavras-chave: Errância textual. Ficção portuguesa contemporânea. Guerra colonial. Os cus de Judas. António Lobo Antunes.

Resumo

Este ensaio pretende apontar questões relativas à escrita do se­gundo romance de António Lobo Antunes, Os cus de Judas, onde se observa, no movimento errante do texto, a árdua tarefa do escritor na busca da palavra em liberdade. Pretende também demonstrar como o autor tece seu discurso a fim de construir um texto que privilegia o relato ficcional.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

A CORREÇÃO perpétua. Folha de S. Paulo, Caderno Mais!, São Paulo, 4 de dez. 2005. (Entrevista com António Lobo Antunes). Disponível em: wwwl.fo­ lha.uol.com.br/fsp/mais/fs0412200505.htm. Acesso em: 4/12/2005.

ANTUNES, António Lobo. Os cus de Judas. Rio de Janeiro: Objetiva, 2003. AGUIAR e SILVA, Vítor Manuel de. Teoria da literatura. Coimbra: Almedi­na, 1996.

BLANCHOT, Maurice. A literatura e o direito à morte. In: A parte do fogo. Tradução Ana Maria Scherer. Rio de Janeiro: Rocco, 1997. p. 291-330.

BLANCHOT, Maurice. O espaço literário. Tradução Álvaro Cabral. Rio de Janeiro: Rocco, 1987.

BLANCO, MARIA LUISA. Conversas com António Lobo Antunes. 2. ed. Lisboa: Dom Quixote, 2002.

CABRAL, Eunice; JORGE, Carlos J. F. ZURBACH, Christine (Org.). A es­ crita e o mundo em António Lobo Antunes. Lisboa: Universidade de Évora/ Publicações Dom Quixote, 2003.

HESS, Jacques B. O jazz. In: MASSIN, Jean; MASSIN, Brigitte (Org.). His­tória da música ocidental. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1997. p. 1.063-1.121.

ISER, Wolfgang. Os atos de fingir ou o que é fictício no texto ficcional. In: LIMA, Luiz Costa (Org.).Teoria da literatura em suas fontes. 3. ed. v. 2. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2002. p. 955-987.

LEVY, Tatiana Salem. A experiência do fora: Blanchot, Foucault e Deleuze. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2003.

OLIVEIRA, Silvana Pessõa de. A escrita e a morte na ficção de António Lobo Antunes. In: PERES, Ana Maria Clark; PEIXOTO, Sérgio Alves;

OLIVEIRA, Silvana Pessôa de. O estilo na contemporaneidade. Belo Horizonte: UFMG, 2005. p. 263-270.

PAZ, Octavio. O arco e a lira. Tradução Olga Savary. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1982.

PESSOA, Fernando. Quero acabar entre rosas, porque as amei na infância. In: Poemas de Álvaro de Campos. Edição crítica de Cleonice Berardinelli. v. 2. Lisboa: Imprensa Nacional/Casa da Moeda, 1990. p. 233.

PÚBLICO, Lisboa, 9 de nov. 2004. Disponível em: www.malhatlanti-ca.pt/jorgefborges/antonio_lobo_antunes.htm. Acesso em: 2 jan. 2005.

SEIXO, Maria Alzira. Os romances de António Lobo Antunes. Lisboa: Pu­blicações Dom Quixote, 2002.

TARKOVISK, Andrei. Esculpir o tempo. São Paulo: Martins Fontes, 1990.

VALE, Glaura Siqueira Cardoso. Errância e poesia como solução para o nar­rar em Os cus de Judas, de António Lobo Antunes. 2006. 113f. Dissertação (Mestrado em Letras) - Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais.

Publicado
11-05-2017
Como Citar
Vale, G. S. C. (2017). ERRÂNCIA TEXTUAL OU A POSSIBILIDADE DE ULTRAPASSAR O NARRAR EM OS CUS DE JUDAS, DE ANTÓNIO LOBO ANTUNES. Cadernos CESPUC De Pesquisa Série Ensaios, 1(14), 59-77. Recuperado de http://periodicos.pucminas.br/index.php/cadernoscespuc/article/view/14707