A CIRCULARIDADE INACABADA DE PAULA TAVARES

  • Prisca Agustoni de A. Pereira PUC Minas
Palavras-chave: Identidade. Negociação. Cultura. Textualidade. Gênero.

Resumo

Nosso trabalho pretende analisar a mediação entre a herança da tradição oral e a necessidade de ruptura e de questionamento dessa mesma tradição, realizada pela angolana Paula Tavares através de uma poética que se serve de estranhamento como recurso para expressar a negociação cultural entre os dois universos com os quais a poetisa se relaciona: o africano e o europeu. De fato, acreditamos que existe uma tensão constante expressada em seus poemas no que diz respeito ao olhar da autora sobre "os ritos de passagem" que caracterizam a cultura angolana. Essa tensão, resultado de um parcial distanciamento crítico da autora em relação ao local da sua cultura - vale lembrar que ela é historiadora -, evidencia-se, principalmente no momento de relacionar-se com o universo feminino angolano, por meio da encenação no corpo, da linguagem de um desfraldar-se do corpo da mulher, tecendo, palavra após palavra, uma nova relação entre a mulher angolana e seu discurso, seu desejo e sua auto-representação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ANDRADE, Mário de (Org.). Antologia temática de poesia africana: na noi­te grávida de punhais. Lisboa: Sá da Costa, 1975.

BARTHES, Roland. A guerra das linguagens. In: BARTHES, Rola nd. O ru­mor da língua. Tradução António Gonçalves. Lisboa: Edições 70, 1984. p.123-127.

BHABHA, Homi K. O local da cu ltura. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 1999. CALAME-GRIAULE, Geneviêve. Ethnologie et langage. Paris: Gallimard,1965.

CARDOSO, Cláudia Fabiana de O. Dizes-me coisas amargas como os frutos, de Paula Tavares: maldição, condição e prazer do texto. In: ABRALIC, 8, 2002, Belo Horizonte. Anais... Belo Horizonte: Abralic, 2002. CD Rom.

PASTORE, Cláudia. Entrevista com Ana Paula Tavares. In: http://wvw.blocosonline.com.br/entrevista/pop_artistas/ana_paula.htm). Acesso em: 20/8/2003.

CHAVES, Rita. A palavra enraizada de Ana Paula Tavares. Via Atlântica,São Paulo, n. 4, p. 158-167, 2000.

CHEVALIER, Jean; GHEERBRANT, Alai n. Dicionário de símbolos. Rio de Janeiro: José Olympio, 1996.

FEIJOÓ, Lopito (Org.). No caminho doloroso das coisas: antologia panorâ­mica de jovens poetas angolanos. Luanda: União dos Escritores Angolanos, 1988.

FONSECA, Maria Nazareth Soares. Corpo e voz em poemas brasileiros e africanos escritos por mulher. In: MULHER & LITERATURA, 9., 2001, Belo Horizonte. Gênero e representação nas literaturas de Portugal e África. Belo Horizonte: Fale/UFMG, 2002. p. 36-47. (Coleção Mulher & Literatura, 3).

GLISSANT, Édouard. intention poétique. Paris: Gallimard, 1997.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Tradução Tomaz Tadeu da Silva e Guacira Lopes Louro. Rio de Janeiro;>: DP&A, 2002.

HALL, Stuart. Pensando a diáspora: reflexões sobre a terra no exterior. In: HALL, Stuart. Da diáspora: identidades e mediações culturais. Belo Hori­ zonte: Ed. UFMG, 2003. p. 25-50.

LABAN, Michel. Angola: encontro com escritores. Porto: Fundação Enge­nheiro António de Almeida, 1991. v. 2.

LEITE, Ana Mafalda. Empréstimos da oralidade na produção e crítica literá­rias africanas. In: LEITE, Ana Mafalda. Oralidades & escritas nas literaturas africanas. Lisboa: Colibri, 1998. p. 11-36.

LISPECTOR, Clarice. Água viva. Rio de Janeiro: Rocco, 1998.

LUNEAU, René. Chants de femmes au Mali. In: STAMM, Anne. La parole est un monde. Paris: Seuil, 1999.

MACHADO FILHO, Aires da M. O negro e o garimpo em Minas Gerais. Belo Horizonte: Itatiaia; São Paulo: Edusp, 1985.

MENEZES, Adélia Bezerra de. Scherazade ou do poder da palavra. In: ME­NEZES, Adélia Bezerra de. Do poder da palavra: ensaios de li teratura e psi­canálise. São Paulo: Duas Cidades, 1995. p. 39-56.

PADILHA, Laura Cavalcante. Como uma segunda pele, ou poesia feminina africana em expansão. In: MULHER & LITERATURA, 9., 2001, Belo Hori­zonte. Gênero c representação nas literaturas de Portugal e África. Belo Ho­rizonte: Fale/UFMG, 2002. p. 13-20. (Coleção Mulher & Literatura, 3).

PADILHA, Laura Cavalcante. Entre voz e letra: o lugar da ancestralidade na ficção angolana do século XX. Niterói: Eduff, 1995.

PADILHA, La ura Ca.valcante. Paula Tavares e a semeadura das palavras. In: CAMPOS, Maria do Carmo Sepúlvcda; SALGADO, Maria Teresa (Org.). África & Brasil : letras em laços. São Paulo: Atlântica, 2000. p. 287-302.

STAMM, Anne. La parole est un monde. Paris: Seuil, 1999.

TAVARES, Paula. Dizes-me coisas amargas como os frutos. Lisboa: Cami­nho, 2001.

TAVARES, Paula. O lago da lua. Lisboa: Caminho, 1999.

TAVARES, Paula. O sangue da buganvília: crônicas. Praia, Mindelo: Centro Cultural Português, 1998.

TAVARES, Paula. Ritos de passagem. Luanda: União dos Escritores Angola­nos, 1985.

Publicado
11-05-2017
Como Citar
Pereira, P. A. de A. (2017). A CIRCULARIDADE INACABADA DE PAULA TAVARES. Cadernos CESPUC De Pesquisa Série Ensaios, (16), 73-96. Recuperado de http://periodicos.pucminas.br/index.php/cadernoscespuc/article/view/14766