Terra sonâmbula: tradição e renovação num movimento de subversão da língua

  • Viviane de Cássia Maia Trindade PUC Minas
Palavras-chave: literaturas de língua portuguesa, linguística, filologia

Resumo

Por meio da leitura do romance Terra sonâmbula, do
escritor Mia Couto, o presente artigo propõe uma reflexão
sobre a maneira como a língua portuguesa, imposta pelos
colonizadores, é subvertida através da criação literária.
Buscar-se-á elucidar algumas estratégias usadas pelo autor ao
entrelaçar a tradição e o moderno no exercício de uma escrita
oralizada, sem padrões fixos que regularizem esta língua outra.
Como exemplo, serão analisados os efeitos de sentido criados
por alguns neologismos, que dão mais expressividade à língua,
e provérbios que, na obra, aparecem com sentidos invertidos,
muitas vezes embaralhando palavras, imagens e os significados
originais criando, assim, novas palavras e novas formas de
dizer as coisas e o seu estado. Tais estratégias se revelam como
técnica narrativa desse autor que, a partir de um movimento
de renovação da tradição moçambicana, no dizer de Inocência
Mata (1998), atualiza o processo de criatividade linguística
inovando uma ideologia de expressão para pensar e dizer o
país no período pós-colonial.

Palavras-chave: Subversão à língua portuguesa; Mia Couto;
Terra sonâmbula; Neologismos; Provérbios.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

COUTO, Mia. Terra Sonâmbula. São Paulo: Companhia das Letras,

FONSECA, Maria Nazareth. Contornos das nações literárias no universo

da “falescrita”. Scripta, Belo Horizonte, v. 1, n. 2, p. 147-153,

jan. 1998.

FONSECA, Maria Nazareth; CURY, Maria Zilda. Reinvenções e deslocamentos em Um rio chamado tempo, uma casa chamada terra. In:

MARI, Hugo et al. Ensaios sobre a leitura 2. Belo Horizonte: Editora

PUC Minas, v. 2, p. 241-256, 2007.

FONSECA, Maria Nazareth; CURY, Maria Zilda. Mia Couto: espaços

ficcionais. Belo Horizonte: Autêntica, 2008.

MATA, Inocência. A alquimia da língua portuguesa nos portos da expansão

em Moçambique, com Mia Couto. Scripta, Belo Horizonte:

Editora PUC Minas, v. 1, n. 2, p. 262-268, jan. 1998.

PERRONE-MOISÉS, Leyla. A criação do texto literário. In: Flores da

escrivaninha. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.

MOREIRA, Terezinha Taborda. O vão da voz: a metamorfose do narrador

na ficção moçambicana. Belo Horizonte: Horta Grande / PUC

Minas, 2005.

RETAMAR, Roberto Fernández. Caliban e outros ensaios. São Paulo:

Busca Vida, 1988.

ROCHA, Enilce. A errância e os nomadismos, na escrita de Mia Couto,

em Terra sonâmbula. In: CONGRESSO INTERNACIONAL DA

ABRALIC, 8, 2002, Belo Horizonte. Anais...Belo Horizonte, 2002.

(CD-ROM).

SILVA, Rosânia Pereira da. Mecanismos de subversão na literatura

moçambicana: vozes anoitecidas de Mia Couto. 179 f. Dissertação

(Mestrado em Letras) – Pontifícia Universidade Católica de Minas

Gerais, Belo Horizonte.

Publicado
02-12-2011
Como Citar
Trindade, V. de C. M. (2011). Terra sonâmbula: tradição e renovação num movimento de subversão da língua. Cadernos CESPUC De Pesquisa Série Ensaios, 1(21), 75-82. Recuperado de http://periodicos.pucminas.br/index.php/cadernoscespuc/article/view/7912