Memória

  • Karine Correia dos Santos de Oliveira PUC Minas
  • Maria Alzira Leite PUC Minas
  • Priscilla Chantal Duarte Silva PUC Minas
Palavras-chave: literaturas de língua portuguesa, linguística, filologia

Resumo

Pretende-se mostrar neste verbete diferentes concepções do conceito
de memória, contemplando, ainda, aspectos ligados a sua constituição
e o seu funcionamento. Para isso, há um levantamento sucinto
das principais abordagens dessa temática, partindo das vertentes
filosóficas e psicológicas até a uma abordagem mais discursiva.
A expectativa é de que o estudo possa colaborar na formação e
prática de professores, no que diz respeito à compreensão – ou à
problematização – das diferentes linhas teóricas sobre memória.

Palavras-chave: Memória. Formação. Prática de professores.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ARISTÓTELES. On memory and reminiscence. Aristotle (ca. 350

b.c.). Ross, W. D. (Ed.). As obras de Aristóteles. Oxford: Clarendon,

v. 3. Disponível em: <http://www.dominiopublico.gov.br/

pesquisa/DetalheObraForm.do?select_action=&co_obra=5993>.

Acesso em: 27. Mai. 2011.

BRANDÃO, H. H. N. Introdução à análise do discurso. 2. ed. rev.

Campinas: Editora da Unicamp, 2004.

CABRAL, Álvaro; NICK, Eva. Dicionário técnico de psicologia. 10.

ed. São Paulo: Cultrix, 1998. 331p.

CHARAUDEAU, P.; MAINGUENEAU, D. Dicionário de análise do

discurso. São Paulo: Contexto, 2004.

CORRÊA, Antônio Carlos de Oliveira. Memória, aprendizagem e

esquecimento: a memória através das neurociências cognitivas. São

Paulo: Atheneu, 2010.

COURTINE, J. J. El. Concepto de formación discursiva. In:

BARONAS, R. L. Análise do discurso: apontamentos para uma história da noção conceito de formação discursiva. São Carlos: Pedro e João, 2007.

GOERTZEL, Ben. Chaotic Logic: Language, thought, and reality

from the perspective of complex systems science. New York: Plenum

Press, 2010. p.30-32.

EDELMAN, G. M. Language. In: The remembered present: A

biological theory of consciousness. New York: Basic Books, 1989.

FERREIRA, Maria Cristina L. Glossário de termos do discurso -

projeto de pesquisa: a aventura do texto na perspectiva da teoria do discurso: a posição do leitor-autor. Porto Alegre: Ed. da UFRGS, 2001.

FOUCAULT, M. Arqueologia do saber. Petrópolis: Vozes, 1971.

Título original: L’archéologie Du savoir, 1969.

FREUD, Sigmund. Sobre a psicopatologia da vida cotidiana. 2. ed.

Rio de Janeiro: Imago, 1987. p.19-59.

GLOCK, Hans-Johann. Dicionário Wittgenstein. Rio de Janeiro:

Jorge Zahar, 1998. p. 245-247.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade.10. ed. Rio

de Janeiro: DP&A, 2005.

HALBWACHS, M. A memória coletiva. São Paulo: Vertice, 1990.

HAROCHE, Cl.; HENRY, P. ; PÊCHEUX, M. La sémantique et

la coupure saussuriense: langue, langage, discours. Langages, Paris: Didier-Larousse, , n. 24. p. 93-106, 1971.

HENRY, P. Os fundamentos teóricos da ‘Análise automática do

discurso’ de Michel Pêcheux. In: GADET, F.; Hak, T. (Org.). Por

uma análise automática do discurso: uma introdução à obra de

Michel Pêcheux. Campinas: Ed. da Unicamp, 1990. p. 13-38. Coleção

repertórios.

HENRY, P. A ferramenta imperfeita: língua, sujeito e discurso.

Campinas: Ed. da Unicamp, 1992.

KOCH, Ingedore Grunfeld Villaça. Desvendando os segredos do

texto. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2003. 168p.

IZQUIERDO, Ivan; VIANNA, Monica R. M,; CAMMAROTA,

Martin; IZQUIERDO, Luciana. Mecanismos da Memoria. Scientific

American Brasil, p. 99-104, out. 2003.

JAPIASSÚ, Hilton; MARCONDES, Danilo. Dicionário básico de

filosofia. 3. ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1996.

LOCKE, J. Ensaio acerca do entendimento humano. São Paulo: Nova

Cultural, 1997. Coleção os pensadores.

MARIANI, Bethania. Ideologia e inconsciente na constituição do

sujeito. Gragoatá: linguagem, língua e discurso, Niterói, n. [?], 1996.

MOITA LOPES, Luiz Paulo da. Identidades fragmentadas: a

construção discursiva de raça, gênero e sexualidade em sala de aula. Campinas: Mercado de Letras, 2002.

ORLANDI, Eni P. Análise do discurso: princípios e procedimentos.

Campinas: Pontes, 2003.

PÊCHEUX, Michel. Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do

óbvio. Campinas : Ed. da Unicamp, 1988.

PÊCHEUX, M. L’inquiétude du discours. In : MALDIDIER, D.

L’ínqueétude du discours. Paris: Éditions des Cendres, 1990.

PLATÃO. Fédon. In: Platão. Diálogos: Fédon - Sofista - Político. S.l:

Ediouro, s/d.

PLATÃO. Fedro, ou da Beleza. Lisboa: Guimarães, 1990.

REVISTA Veja. São Paulo: Globo, n. 1917, 19 ago. 2005.

WITTGENSTEIN, Ludwig. Gramática filosófica. São Paulo: Loyola,

p.76-137.

Publicado
09-12-2013
Como Citar
de Oliveira, K. C. dos S., Leite, M. A., & Duarte Silva, P. C. (2013). Memória. Cadernos CESPUC De Pesquisa Série Ensaios, 1(23), 19-29. Recuperado de http://periodicos.pucminas.br/index.php/cadernoscespuc/article/view/8299
Seção
Dossiê teoria das representações sociais - verbetes