Referenciação

  • Maria Alzira Leite PUC Minas
  • Renata Martins PUC Minas
Palavras-chave: literaturas de língua portuguesa, linguística, filologia

Resumo

Assumindo uma visão textual-discursiva, interativa e sociocognitiva,
este verbete apresenta o conceito do fenômeno da referenciação e,
ainda, traz uma explicação de como os referentes são introduzidos,
conduzidos, retomados, apontados e identificados no texto. Postulase,
aqui, que o sentido é uma construção dinâmica, interativa,
efetuada por sujeitos que mobilizam seus modelos de mundo devido
à relevância da interação. Nessa perspectiva, o leitor é levado a
mobilizar estratégias de ordem cognitivo-discursiva, com o fim de
levantar hipóteses, validar ou não essas hipóteses, preencher as lacunas
que o texto apresenta, para chegar a uma determinada compreensão.
O embasamento teórico, no que se refere à noção de referenciação,
comtempla, principalmente, as considerações de Koch e Marcuschi
(1998; 2002); Mondada e Dubois (2003); Morato e Bentes (2005);
Apothéloz, Reichler-Béguelin (1995). Para facilitar o entendimento,
há, ainda, um exemplo, cuja análise reforça o postulado segundo o
qual a referenciação é uma atividade discursiva com relevante papel
na organização do texto, de modo a contribuir, efetivamente, para a
interação e produção de sentido.

Palavras-chave: Referenciação. Referente. Atividade discursiva.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

APOTHÉLOZ, D. ; REICHLER-BÉGUELIN, M. J. Construction

de La référence et stratégies de désignation. In: BERRENDONNER,

A. ; REICHLER-BÉGUELIN, M. J. (Org.) Du sintagme nominal aux

objets-de-discours. Neuchâtel: Université de Neuchâtel, 1995. p.

-73.

BLIKSTEIN, I. Kaspar Hauser ou a fabricação da realidade. 9. ed.

São Paulo: Cultrix, 2003.

FREGE, G. Sobre o Sentido e a Referência. In: FREGE, G. Lógica e

filosofia da linguagem. São Paulo: Cultrix, 1978. p. 61-86.

KOCH, I. G. V. Introdução à linguística textual: trajetória e grandes

temas. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

KOCH, I. G. V. Desvendando os segredos do texto. São Paulo:

Cortez, 2005. p. 77-81.

KOCH, I. G. V.; ELIAS, V. M. Ler e compreender: os sentidos do texto. São Paulo: Contexto, 2006. p. 123-131.

KOCH, I. G. V.; ELIAS, V. M. Ler e escrever: estratégias de produção

textual. São Paulo: Contexto, 2009. p. 131-134.

KOCH, I. G. V.; MARCUSCHI, L. A. Processos de referenciação na

produção discursiva. D.E.L.T.A, v. 14, p. 169-190, 1998. (número

especial).

KOCH, I. V.; MORATO, M. E.; BENTES, A. C. (Org.). Referenciação

e Discurso. São Paulo: Contexto, 2005. p. 8-10.

MARCUSCHI, L. A. ; KOCH, I. G. V. Estratégias de referenciação

e progressão referencial na língua falada. In: ABAURRE, M. B. M.;

RODRIGUES, Â. C. S. (Org.). Gramática do português falado: novos

estudos descritivos. Campinas: Editora da UNICAMP/FAPESP, 2002. v. 8, p. 31-56.

MONDADA, Lorenza; DUBOIS, Daniele. Construção de objetos de

discurso e categorização: uma abordagem dos processos de referenciação. In: CAVALCANTE, M. M. et al (Org.). Referenciação. São Paulo: Contexto, 2003. p. 17-52. .REVISTA ÉPOCA, São Paulo: Globo. n. 592, 19 set. 2009

Publicado
09-12-2013
Como Citar
Leite, M. A., & Martins, R. (2013). Referenciação. Cadernos CESPUC De Pesquisa Série Ensaios, 1(23), 43-48. Recuperado de http://periodicos.pucminas.br/index.php/cadernoscespuc/article/view/8303
Seção
Dossiê teoria das representações sociais - verbetes