Representações de uso

  • Priscilla Chantal Duarte Silva Universidade Federal de Itajubá
Palavras-chave: literaturas de língua portuguesa, linguística, filologia

Resumo

As Representações de Referência – RR – e Representações de Uso
– RU – ilustram como as Representações Sociais – RS – partem
do geral para o particular e representam as crenças sociais de um
grupo presentes na memória coletiva do leitor num processo de
Ancoragem. Assim, as RU dependem das Representações sociais, no
sentido de que estas influenciam as RU pelo uso por sua condição
contextual de situação de comunicação. Em geral, as RS trabalham
com crenças convencionalizadas na sociedade, mas que com o uso em
certos contextos, podem orientar para uma particularidade, isto é,
os sujeitos têm mais individualidade podendo alterar crenças então
antigas estabelecidas nas RS. Isso implica dizer que o significado
é construído socialmente. Nesse sentido, a RU forma uma nova
visão sobre as próprias crenças, podendo modificá-las pelo uso de
novas. Em termos cognitivos, tanto as representações sociais quanto
as de uso estão imbricadas nas representações mentais, de modo
que o sujeito ativa, pela memória, as representações do que já está
estabelecido pelo social a partir da interação.

Palavras-chave: Representações de uso; Representações de referência;
Representações sociais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AZEVEDO, Nilson. Tempos modernos. CG Participantes aposentados

e ativos da Forluz e Cemig Saúde, Ano 1, n. 2, jul. 2011. Charge. p.

DUVEEN, G. O poder das ideias. In: MOSCOVICI, S. Representações

sociais: Investigação em Psicologia Social. Petrópolis: Vozes, 2003.

p.7-28.

DURKHEIM, E. Sociologia e filosofia. São Paulo: Ícone, 1994.

FRANCO, Maria Laura Puglisi Barbosa. Representações sociais,

ideologia e desenvolvimento da consciência. Cadernos de Pesquisa,

São Paulo, v. 34, n. 121, jan./abr. 2004.

KOCH, I. V.; MORATO, M. E.; BENTES, A. C. (Org.). Referenciação

e discurso. São Paulo: Contexto, 2005. p. 8-10.

LEONTIEV, A. O desenvolvimento do psiquismo. Lisboa: Livros

Horizonte, 1978.

MATENCIO, Maria de Lourdes Meirelles; RIBEIRO, Pollyane Bicalho.

A dinâmica das e nas representações sociais: o que nos dizem os dados textuais? Estudos Linguísticos, São Paulo, v. 38, n. 3, p. 229-238, set./dez. 2009.

MATENCIO, Maria de Lourdes Meirelles. Os movimentos dos

sentidos: unidades lexicais complexas e representações sociais. 2008. (Digitalizado).

MONDADA, Lorenza; DUBOIS, Daniele. Construção de objetos

de discurso e categorização: uma abordagem dos processos de

referenciação. In: CAVALCANTE, M. M. et al (Orgs.). Referenciação.

São Paulo: Contexto, 2003. p. 17-52.

MOSCOVICI, Serge. Representações sociais: investigações em

psicologia social. Petrópolis: Vozes, 2003.

PY, Bernad. Representations sociales et discourse : Questions

epistemologique et methodologique. (Social representation and

discourse. Questions epistemology et methodology). In: PY, Bernad

(Éd.). Analyse conversationelle et representations sociales : Unite

et diversite de image of billingualism. Travaux neuchatelois de

linguistique, n. 32, p. 5-20, jun. 2000.

SANCOVSCHI, Beatriz. Sobre a noção de representação em S.

Moscovici e F. Varela. Psicologia e sociedade, Porto Alegre, v. 19, n.

, p. 7-14, ago. 2007.

SCHOPENHAUER, Arthur. Mundo como vontade e representação.

São Paulo: Contraponto, 2001.

VARELA, F., THOMPSON, E.; ROSCH, E. A mente incorporada:

Ciências cognitivas e experiência humana. Porto Alegre: Artmed,

Publicado
09-12-2013
Como Citar
Duarte Silva, P. C. (2013). Representações de uso. Cadernos CESPUC De Pesquisa Série Ensaios, 1(23), 54-61. Recuperado de http://periodicos.pucminas.br/index.php/cadernoscespuc/article/view/8305
Seção
Dossiê teoria das representações sociais - verbetes