Mecanismos enunciativos do Guia PNLD 2010: sugestão ou prescrição?

  • Andréia Godinho Moreira PUC Minas
  • Hermínia Maria Martins Lima Silveira PUC Minas
  • Ursula Bianca Ribeiro Herzog PUC Minas
Palavras-chave: literaturas de língua portuguesa, linguística, filologia

Resumo

Este trabalho visa a investigar o gerenciamento de vozes que assumem
o posicionamento enunciativo que sustenta o discurso do Guia de
Livros Didáticos do Programa Nacional do Livro Didático 2010 –
Letramento e Alfabetização – Língua Portuguesa. Como o objetivo do
Guia é fornecer a professores dos anos iniciais do ensino fundamental
subsídios teóricos suficientes para que possam proceder à escolha do
livro mais adequado a suas necessidades e às de seus alunos, cumprenos
verificar, ainda, a expressão das modalizações que permeiam esse
discurso, a partir do interacionismo sociodiscursivo (BRONCKART,
2003), com vistas a identificar e analisar as marcas linguísticas que
deixam entrever um tom prescritivo nas sugestões endereçadas a
professores.

Palavras-chave: Gerenciamento de vozes. Modalizações.
Posicionamento enunciativo. Livro didático. Guia PNLD.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ANTUNES, Irandé. Aula de português: encontro e interação. São

Paulo: Parábola Editorial, 2003. 184p.

ARAÚJO, Cecília. O papel do livro didático na alfabetização. Jornal

letra A, Belo Horizonte, n. 9, p. 6-9, mar./abr. 2007.

BATISTA, Antônio Augusto G. Aula de português: discursos e saberes escolares. São Paulo: Martins Fontes, 1997. 145 p.

BATISTA, Antônio Augusto G. Recomendações para uma política

pública de livros didáticos. Brasília: Ministério da Educação, 2001.

p.

BRASIL. Secretaria de Educação Básica. Fundo Nacional de

Desenvolvimento da Educação. Guia de livros didáticos PNLD 2010:

Letramento e Alfabetização – Língua Portuguesa. Brasília, 2009. 352p.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros

Curriculares Nacionais: Língua Portuguesa/ Secretaria de Educação

Fundamental. Brasília, 2007. 144p.

BRONCKART, Jean-Paul. Atividade de linguagem, textos e discursos:

por um interacionismo sócio-discursivo. Tradução Anna Raquel

Machado e Péricles Cunha. São Paulo: EDUC, 2003. 358 p.

FERREIRO, Emilia; TEBEROSKY, Ana. Psicogênese da língua escrita.

Porto Alegre: Artes Médicas, 1985. 284 p.

GERALDI. João Wanderley. Portos de passagem. São Paulo: Martins

Fontes, 1997. 252p.

KLEIMAN, Angela Bustos. Modelos de letramento e as práticas de

alfabetização na escola. In: KLEIMAN, Angela Bustos. (Org.). Os

significados do letramento: uma perspectiva sobre a prática social da escrita. Campinas: Mercado de Letras, 1995. p. 15-61.

KLEIMAN, Angela Bustos. Texto e leitor: aspectos cognitivos da

leitura. 2. ed. Campinas: Pontes, 1997. p. 82.

KLEIMAN, Angela Bustos. Processos identitários na formação

profissional: o professor como agente de letramento. In: BOCH,

Françoise; CORRÊA, Manoel Luiz Gonçalves. Ensino de língua:

representação e letramento. Campinas: Mercado de Letras, 2006. p.

-92.

MARCUSCHI, Luiz Antônio. A. Da fala para a escrita: atividade de

retextualização. São Paulo: Cortez, 2003. 133p.

PERELMAN, Chaïm; OLBRECHTS-TYTECA, Lucie. Tratado da

argumentação: a nova retórica. São Paulo: Martins fontes, 1996. 653p.

SOARES, Magda Becker. Letramento: um tema em três gêneros.

Belo Horizonte: Autêntica. 1998. 125p.

Publicado
09-12-2013
Como Citar
Moreira, A. G., Silveira, H. M. M. L., & Herzog, U. B. R. (2013). Mecanismos enunciativos do Guia PNLD 2010: sugestão ou prescrição?. Cadernos CESPUC De Pesquisa Série Ensaios, 1(23), 108-120. Recuperado de http://periodicos.pucminas.br/index.php/cadernoscespuc/article/view/8326
Seção
Dossiê ação e formação docente