FRANCO JÚNIOR, Hilário. Cocanha: a história de um país imaginário

  • Heloisa Guaracy Machado PUC Minas

Resumo

Na segunda metade do século XII, um poeta anônimo do norte da França imaginou um país maravilhoso, cujos componentes foram recolhidos quer da literatura clássica, quer da cultura folclórica e atualizados pelos elementos de sua época. Trata-se da “Cocanha”, uma terra de prazeres e de abundância, de harmonia social e de liberdade sexual, onde não há espaço para o sofrimento, o envelhecimento e o esforço do trabalho. No século XIII, depois de ter circulado oralmente por décadas, essa lenda foi registrada por escrito, em francês arcaico e sob a forma de versos, no Fabliau de Cocagne, analisado com muita propriedade por Hilário Franco Júnior em Cocanha: a história de um país imaginário.

Biografia do Autor

Heloisa Guaracy Machado, PUC Minas
Possui graduação em Licenciatura Em História pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (1981), mestrado em Letras pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (1996) e doutorado em História Social pela Universidade de São Paulo (2002). Atualmente é Adjunto III da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais e Diretora do Centro de Memória e de Pesquisa Histórica da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Tem experiência na área de História, com ênfase em História Medieval/Ibérica, atuando principalmente nos seguintes temas: península ibérica, medievo, afonso henriques, portugal e américa latina.
Publicado
18-11-1999
Como Citar
Machado, H. G. (1999). FRANCO JÚNIOR, Hilário. Cocanha: a história de um país imaginário. Cadernos De História, 4(5), 43-47. Recuperado de http://periodicos.pucminas.br/index.php/cadernoshistoria/article/view/1698
Seção
RESENHAS/REVIEWS