“Candomblé é a África”. Esquecimento e Utopia no Candomblé jeje-nagô (“Candomblé is Africa”. Forgetfulness and Utopia in the Candomblé jeje-nagô)

João Ferreira Dias

Resumo


 

O Candomblé jeje-nagô estabeleceu-se na Bahia nos finais do século XIX e primeiros anos do século XX, durante o período final da trata de escravos oriundos da chamada Costa dos Escravos. Diante de um novo contexto cultural e regional, que era a Bahia de então, os escravos das cidades yorùbá e ewe-fon, muitos dos quais representando grupos étnicos/reinos rivais, forjaram uma nova realidade religiosa, a partir das memórias partilhadas e das similitudes culturais e, bem assim, colhendo contributos a outros grupos étnicos africanos e ao catolicismo popular. Este texto foca a problemática do esquecimento em termos: das diferenças étnicas e políticas nos episódios fundacionais do Candomblé, não obstante a diversidade das suas nações (ficcionais); da escravatura como um processo de reconfiguração identitária que conduziu a uma espécie de amnésia causada pelo traumático desenraizamento/exílio forçado; da agência masculina. De igual modo, está em análise a complexa utopia da fundação do Candomblé como uma religião de continuidade com a África e de realeza africana, numa mistura entre “passado mítico” e “lar imaginado”, narrativa que curiosamente esquece o processo crioulo de descontinuidade e “adaptação criativa”, visível nos aspetos estéticos do ritual.

 

Abstract

The jeje-nagô Candomblé was established in Bahia between 19th century and the early years of 20th, during the last days of slave trade, from the so-called “Slaves Coast”. In a new cultural and regional environment – which was Bahia in those days –, African slaves from Yorùbá and Ewe-Fon towns, many of them representing rival ethnic groups/kingdoms, forged a new religious framework using shared memories and cultural similitudes, and collected pieces from other African groups and Portuguese Catholicism. This text focuses the oblivion of:  ethnic and political differences in Candomblé foundational moments, despite it (fictional) “nations”; slavery as a process of identity reconfiguration that led to a sort of Amnesia caused by the uprooting trauma/forced exile;  male agency; and the complex utopia of Candomblé as a religion of continuity to Africa and African royalty, in a mixture of “mythical past” and “imagined homeland”, which curiously forget the creole process of discontinuity and “creative adaptation”, visible in ritual aesthetic aspects.

Keywords: Ethnicity. Amnesia. Candomblé. Identity.

 


Palavras-chave


Etnicidade. Candomblé. Amnésia. Identidade.

Texto completo:

PDF

Referências


BORA, Zélia M. Memórias da religiāo: Māe Zozó, passado e presente no Candomblé baiano, s.d. Disponível em: . Acesso em: 15 out. 2015.

BORA, Zélia M. Memórias da religião: Mãe Zozó, passado e presente no candomblé baiano. 2007. Disponível em: . Acesso em: 15 out. 2015.

BURKE, Peter. Hibridismo cultural. São Leopoldo: Ed. da Unisinos, 2003.

CABRAL, Álvaro; NICK, Eva. Dicionário Técnico de Psicologia. São Paulo: Cultrix, 2006.

CAPONE, Stefania. O pai-de-santo e o babalaô: interação religiosa e rearranjos rituais na religião dos orishas. Revista Pós Ciências Sociais, São Luís, v. 8, n. 16, p. 107-128, jul./dez. 2011.

CASTILLO, Lisa Earl; PARÉS, Luis Nicolau. Marcelina da Silva e seu mundo: novos dados para uma historiografia do candomblé ketu. Afro-Ásia, Salvador, n. 36, p.111-151, 2007.

CASTRO, Yeda Pessoa de. Falares africanos na Bahia: um vocabulário afro-brasileiro. Rio de Janeiro: Topbooks, 2001.

CONCEIÇÃO SILVA, Cristina da; ROCHA, José Geraldo. Um Rei Baiano Reina em Duque de Caxias: o brilho de Joãozinho da Goméa em solo carioca. Ciencias Sociales y Religión/Ciências Sociais e Religião, v. 15, n. 18, p. 77-88, 2013.

COSTA, Valéria Gomes. Entre Deus e Alá: redes político-sociais entre africanos católicos e muçulmanos no Recife do século XIX. XVI ENCONTRO REGIONAL DE HISTÓRIA DA ANPUH-RIO. Anais... Encontro Regional de História da Anpuh-Rio, 16: Saberes e Práticas Científicas. Rio de Janeiro: Anpuh-Rio; Fiocruz, 2014. p. 1-9. Disponível em: . Acesso em: 16 out. 2015.

FERREIRA DIAS, João. Dos “nàgó” da Bahia aos “pórtúgérè” de Lisboa: um olhar sobre identidade e religião em diáspora. Cadernos de Estudos Africanos, Lisboa, n. 25, p. 183-205, jan.-jun. 2013a.

FERREIRA DIAS, João. “Em roma sê romano”. O Candomblé como adaptação criativa e hibridismo, nas origens e no séc. XXI; Bahia, Lisboa e Berlim. Revista Lusófona de Ciência das Religiões, n. 18-19, p. 205-216, 2013b.

FERREIRA DIAS, João. A religião se faz com a colheita da terra: problematização concetual de “religião” em África e o caso yorùbá. Etnográfica [Online], v. 17, n. 3, p. 457-476, 2013c. Disponível em: . Acesso em: 15 out. 2014.

FERREIRA DIAS, João. Ifánização ou para além da eficácia ritual: a construção da teologia entre os Yorùbá e no Candomblé jeje-nagô. Anais do I Congresso Lusófono de Ciência das Religiões. Lisboa: Edições Universitárias Lusófonas, 2015. (mox).

FERREIRA DIAS, João. “Araketure faraiomorá”: Yorubanidade no Candomblé brasileiro, uma permanente recriação e o caso exemplar do Ilê Odô Ogê. In: AFOLABI, Niyi; FALOLA, Toyin. The Yoruba in Brazil, Brazil in Yorubaland: cultural encounter, resilience, and hybridity in the Atlantic world. Durham: Carolina Academic Press [no prelo].

HALL, Stuart. Da diáspora: identidades e mediações culturais. Trad. Adelaide La Guardia Rezende [et. al.] Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2003.

HORTON, Robin. A definition of religion, and its uses. The Journal of the Royal Anthropological Institute of Great Britain and Ireland, London, v. 90, n. 2, p. 201-226, 1960.

HORTON, Robin. Patterns of Thought in Africa and the West: Essays on Magic, Religion and Science. Cambridge: Cambridge University Press, 1993.

LANDES, Ruth. The city of women. UNM Press, 1947.

LÉPINE, Claude. Os nossos antepassados eram deuses. s.d., Disponível em: . Acesso em: 17 out. 2015.

LIMA, Vivaldo da Costa. A família-de-santo nos candomblés jeje-nagôs da Bahia: um estudo de relações intra-grupais. Salvador: Universidade Federal da Bahia, 1976.

LIMA, Vivaldo da Costa. O candomblé da Bahia na década de 1930. Estudos Avançados, São Paulo, v. 18, n. 52, p. 201-221, 2004.

LÜHNING, Angela Elisabeth; MATA, Sivanilton Encarnação da. Casa de Oxumarê: os cânticos que encantaram Pierre Verger. Salvador: Fundação Pierre Verger, 2010.

MATORY, James Lorand. The “cult of nations” and the ritualization of their purity. The South Atlantic Quarterly, Durham, v. 100, n. 1, p. 171-214, 2001.

MATORY, James Lorand. Black Atlantic Religion: tradition, transnationalism and matriarchy in the Afro-Brazilian Candomblé. Princeton: Princeton University Press, 2005.

MATORY, James Lorand. Feminismo, nacionalismo, e a luta pelo significado do adé no Candomblé: ou, como Edison Carneiro e Ruth Landes inverteram o curso da história. Revista de Antropologia, São Paulo, v. 51, n. 1, p. 107-121, 2008. Disponível em: . Acesso em: 15 out. 2015.

MELLO, Eliana Dable de. Trauma e sintoma social: Resistências do sujeito entre história individual e história da cultura. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-graduação em Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2010.

OLUPONA, Jacob. Òrìṣà Òṣun: Yoruba sacred kingship and civil religion in Òṣogbo, Nigeria. MURPHY, Joseph M.; SANFORD Mei Mei (Org.). Òṣun Across the Waters: a Yoruba goddess in Africa and the Americas. Bloomington: Indiana University Press, 2001.

PALMIÉ, Stephan. O trabalho cultural da globalização ioruba. Religião e Sociedade, Rio de Janeiro, v. 27, n. 1, p. 77-113, jul. 2007. Disponível em: . Acesso em: 17 out. 2015.

PARÉS, Luís Nicolau. A formação do candomblé: história e ritual da nação jeje na Bahia. Campinas: Editora da Unicamp, 2006.

PARÉS, Luís Nicolau. O mundo Atlântico e a constituição da hegemonia nagô no Candomblé baiano. Esboços-Revista do Programa de Pós-Graduação em História da UFSC, São Carlos, v. 17, n. 23, p. 165-186, 2010.

PEREIRA, Matheus Serva. Uma viagem possível: da escravidão à cidadania. Quintino de Lacerda e as possibilidades de integração dos ex-escravos no Brasil. Dissertação (Mestrado em História) – Programa de Pós-Graduação em História, Universidade Federal Fluminense, 2011.

PEREIRA, Stefane Soares. A psique no sujeito diaspórico. I encontro do Fórum de Literatura Brasileira – Poesia e Prosa: hoje, agora. 2010. p. 1-12. Disponível em: . Acesso em: 17 out. 2015.

REIS, João José. Domingos Sodré, um sacerdote africano: escravidão, liberdade e candomblé na Bahia do século XIX. São Paulo: Editora Companhia das Letras, 2008.

SANTOS TOBIOBÁ, João Batista dos. 21 cartas e um telegrama de mãe Aninha a suas filhas Agripina e Filhinha, 1935-1937. Afro-Ásia, Salvador, n. 36, p. 265-310, 2007.

SILVEIRA, Renato da. Sobre a fundação do terreiro do Alaketo. Afro-Ásia, Salvador, n. 30, p. 345-380, 2003.

SILVEIRA, Renato da. O candomblé da Barroquinha. Processo de constituição do primeiro terreiro de keto. Salvador: Maianga, 2006.

TAYLOR, Charles; LEE, Benjamin. Multiple Modernities Project: modernity and difference. S.d. Disponível em: . Acesso em: 16 out. 2015.




DOI: https://doi.org/10.5752/P.2237-8871.2016v17n26p64

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

Latindex

Sumários.org

E-Revist@s

Periodicos.CAPES

SEER/IBICT

LivRe

JournalTOCs

REBID

Elektronische Zeitschriftenbibliothek EZB

DOAJ

Oasisbr