http://periodicos.pucminas.br/index.php/cadernoshistoria/issue/feed Cadernos de História 2020-07-06T16:53:32-03:00 Júlia Calvo juliacalvo1@gmail.com Open Journal Systems <p><strong>Cadernos de História</strong> – Publicação semestral do Departamento de História da PUC Minas e do Centro de Memória e de Pesquisa História a PUC Minas, Classificada como B3 na área de História e B2 na área de Educação no QUALIS 2013-2016 (Plataforma Sucupira – CAPES-Brasil).</p> <p><strong>Missão</strong>: Os <em>Cadernos de História</em> tem por missão veicular trabalhos científicos que contribuam para o avanço da pesquisa, especialmente na área da História. Inserida em um projeto político-pedagógico que percebe como indissociáveis os campos do ensino, da pesquisa e da extensão, seu viés interdisciplinar tem como finalidade promover a reflexão crítica sobre as temáticas históricas e afins.</p> <p><strong>History Journals</strong> – Biannual publication of the Department of History of PUC Minas and the Center for Memory and Research Research History at PUC Minas, classified as B3 in History and B2 in the area of Education at QUALIS 2013-2016 (Plataforma Sucupira – CAPES-Brazil).</p> <p><strong>Mission</strong>: The <em>History Journals</em> aim to publish scientific articles that contribute to the advancement of research, particularly in the area of History. Inserted in a political-pedagogical project which considers the fields of teaching, research and university extension as inseparable, their interdisciplinary perspective has the finality of promoting critical reflections about the themes of history and the like.</p> http://periodicos.pucminas.br/index.php/cadernoshistoria/article/view/22712 Expediente 2020-07-06T16:53:30-03:00 Julia Calvo juliacalvo1@gmail.com 2020-03-05T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2020 Cadernos de História http://periodicos.pucminas.br/index.php/cadernoshistoria/article/view/22711 Apresentação 2020-07-06T16:53:30-03:00 Júlia Calvo juliacalvo1@gmail.com <p>Apresentação da nova edição.</p> 2020-03-05T18:34:30-03:00 Copyright (c) 2020 Cadernos de História http://periodicos.pucminas.br/index.php/cadernoshistoria/article/view/18368 Cartografia dos Atos Normativos do Ensino da Enfermagem antes da Lei Nº 775 de 1949 2020-07-06T16:53:30-03:00 Roberlandia Evangelista Lopes roberlandialopes@hotmail.com Silvia Maria Nóbrega-Therrien silth@gmail.com Maria Laiza de Souza mlaizasouza15@gmail.com <p>Este artigo entende que a&nbsp; Lei n°775 de 1949 impõe uma ‘nova ordem’ no momento em que institui legalmente a criação de outra categoria ocupacional na Enfermagem, no caso, a de auxiliar de Enfermagem, que passa, oficialmente, a trabalhar na área da saúde junto com a Enfermeira ‘diplomada’, sobretudo no contexto hospitalar, bem como a dividir com ela (Enfermeira) o mesmo espaço de formação e campo de atuação. Metodologicamente, se priorizou a abordagem qualitativa e o estudo histórico, em especial, focou-se nos documentos escritos. Assim, na busca pelo entendimento da formação de duas profissionais distintas na enfermagem, no caso, a Enfermeira e auxiliar de enfermagem e, mais que isso, perceber as consequências que a existência de uma formação elementar trazia a primeira (Enfermeira), se teve como foco os documentos ou as fontes documentais. Mas para amparar essa decisão (uso de documentos) resolveu-se “enxergar” as fontes utilizadas neste estudo através da Historia Cultural. Portanto, a instituição de Auxiliar de enfermagem para dividir o cuidado a enfermeira promoveu-se uma “nova ordem‟ no campo desta profissão, que gerou consequências em sua formação e na função por ela exercida, em seu reconhecimento social, identitário e de campo de poder.</p> 2020-03-05T17:47:41-03:00 Copyright (c) 2020 Cadernos de História http://periodicos.pucminas.br/index.php/cadernoshistoria/article/view/18231 Manicômio Adauto Botelho: a Psiquiatria em Goiás 2020-07-06T16:53:30-03:00 ÉDER MENDES DE PAULA falecomoprofessoreder@gmail.com <p>O presente artigo pretende analisar como o ideal de modernidade foi aplicado no estado de Goiás, utilizando-se da relação entre os discursos médico-psiquiátrico e o político. Assim, passando pela construção de Goiânia até o Manicômio Adauto Botelho intenciona-se construir uma análise sobre o período e como a representação do ser moderno foi conduzida em Goiás. O período abordado corresponde ao momento em que Getúlio Vargas chega ao poder, com o discurso alicerçado na ideia de deixar para traz as os tempos do coronelismo, inaugura-se uma perspectiva de progresso que reverbera por vários governos estaduais no Brasil. Foram utilizados documentos como a Revista Goiana de Medicina, a compilação dos Arquivos de Saúde Pública entre 1951-1954 e avulsos arquivados no Arquivo Histórico Estadual. A análise do discurso foi o ponto fulcral para interpretação e relação entre as fontes, buscando nas entrelinhas e nos intertextos a lógica sobre saúde, política e poder em Goiás.</p> 2020-03-05T17:49:26-03:00 Copyright (c) 2020 Cadernos de História http://periodicos.pucminas.br/index.php/cadernoshistoria/article/view/20335 Elisa Kauffman Abramovich: classe, gênero e identidade na vida de uma professora judia e comunista 2020-07-06T16:53:30-03:00 Guilherme Machado Nunes guilherme.mnunes@gmail.com <p class="western" align="justify"><span style="font-family: 'Times New Roman', serif;"><span style="font-size: medium;">O presente artigo trata da vida de Elisa Kauffmann Abramovich. Judia descendente de imigrantes do Leste Europeu, Elisa cresceu e se tornou uma importante liderança da comunidade judaica do bairro do Bom Retiro, em São Paulo, atuando em suas associações de assistência social, tornando-se professora e fundando a Escola Israelita Brasileira Scholem Aleichem. Elisa – assim como boa parte dessa comunidade – ingressou no Partido Comunista do Brasil (PCB) entre os anos 1930 e 1940, militando nele até a sua morte em 1963.</span></span></p> <p class="western" align="justify"><span style="font-family: 'Times New Roman', serif;"><span style="font-size: medium;">Em 1947, Elisa foi eleita a primeira vereadora da história da cidade de São Paulo, e é nosso objetivo compreender como seus diferentes percursos e experiências lhe proporcionaram ocupar esse espaço – mesmo que ela nunca tenha, de fato, tomado posse.</span></span></p> 2020-03-05T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2020 Cadernos de História http://periodicos.pucminas.br/index.php/cadernoshistoria/article/view/20213 Malinche: o poder do feminino no entrecruzamento de Literatura e História a propósito de O que querem os deuses 2020-07-06T16:53:31-03:00 DÓRIS HELENA Soares da Silva Giacomolli dorishssg@gmail.com Neuza Maria Correa da Silva neuzamariacorrea57@gmail.com <p>Há relações entre literatura e história referentes ao entrecruzamento dos discursos histórico e literário, no âmbito de diferentes gêneros. Esse é um estudo sobre a obra literária <em>O que querem os deuses </em>de Dóris Giacomolli<em> </em>que vem recontar uma nova versão dos fatos históricos e reviver a figura de Malinche em um mundo fictício em que essa passa a habitar e a promover um intenso diálogo entre a literatura e a história, apagando as possíveis e frágeis fronteiras entre as duas, uma vez que a personagem leva com ela o tempo, os vestígios e artefatos históricos, estendendo-se por uma tênue linha que separa a realidade objetiva da realidade ficcional. Apesar dos “esquecimentos,” das heterogeneidades, dos recuos e disjunções em torno da figura de Malinche, pode-se perceber que o que se procura esconder sobre sua figura teve importância capital. O romance <em>O que querem os deuses</em>, ao recuperar sua memória, e ao fazê-la ultrapassar o portal entre história e literatura, permite que Malinche carregue consigo uma representação feminina que se re-constitui nas relações estabelecidas de poder.</p> 2020-03-05T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2020 Cadernos de História http://periodicos.pucminas.br/index.php/cadernoshistoria/article/view/19501 As Revoltas Liberais de 1842 na perspectiva do historiador Lucio José dos Santos: usos e abusos da memória 2020-07-06T16:53:31-03:00 Luciana Coelho Gama lu_cgama@yahoo.com.br <p>O presente artigo traz como tema a produção de memória oficial sobre as Revoltas Liberais de 1842, tendo como fonte a conferência sobre o assunto realizada pelo historiador mineiro Lucio José dos Santos em 1942, no âmbito do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro (IHGB). Considerando que Santos era um intelectual conservador, representante da Igreja Católica e da Ação Integralista Brasileira (AIB), o objetivo é relacionar a versão dos fatos por ele construída à influência do contexto institucional em que estava inserido, para compreender a construção de uma memória histórica permeada de elementos conservadores, embora o autor se considerasse “neutro”. Para tanto, o conteúdo proferido por Santos na conferência será analisado com base nas premissas de Paul Ricoeur (1980, 2007) a respeito dos usos e abusos da memória e das ideologias, em diálogo com os apontamentos de Michel de Certeau (1982) sobre a influência do local de fala do historiador na produção historiográfica.</p> 2020-03-05T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2020 Cadernos de História http://periodicos.pucminas.br/index.php/cadernoshistoria/article/view/20265 Moniz Freire, 100 anos de “imortalidade" 2020-07-06T16:53:31-03:00 Leandro do Carmo Quintão leandroquintao83@yahoo.com.br <p>O presente artigo tem por objetivo analisar o legado do ex-governador do Estado do Espírito Santo José de Melo Carvalho Moniz Freire (1892-1896) na política capixaba a partir de dois aspectos: o direcionamento econômico do Espírito Santo, voltado para a formação de um corredor de exportações; e a reprodução do sentimento de vitimização do estado enquanto unidade federativa preterida pelo governo federal. Conclui-se que os atuais governantes mantém a imortalidade desse personagem histórico por meio da reprodução de seus discursos.</p> 2020-03-05T18:01:25-03:00 Copyright (c) 2020 Cadernos de História http://periodicos.pucminas.br/index.php/cadernoshistoria/article/view/18547 Afinal, depopulação ou expansão demográfica? O esforço de construção do sistema de registros vitais em Minas Gerais, entre 1836 e 1850 2020-07-06T16:53:31-03:00 Mario Marcos Rodarte mario.rodarte@gmail.com Isabella Azevedo Oliveira isabella.azevedo00@gmail.com O presente artigo buscou apresentar uma fonte inédita levantada pelo projeto <em>Antigos regimes demográficos e os registros paroquiais: Minas Gerais, primeira metade do século XIX</em>, realizada pelo Núcleo de Pesquisa em História Econômica e Demográfica – NPHED do Cedeplar/UFMG. A pesquisa teve como propósito estudar o regime demográfico existente em Minas Gerais em meados do Século XIX utilizando uma fonte inédita de dados que são os formulários preenchidos pelos párocos sobre nascimentos, casamentos e óbitos, em atendimento a Lei Provincial de Nº 46, de 1836. Essa foi uma Lei que contribuiu para uma vasta produção de estatísticas vitais e, através da pesquisa, é perceptível as inúmeras possibilidades de estudos da dinâmica demográfica aliando esses registros a outras fontes como, por exemplo, as Listas Nominativas de População. Neste artigo apresenta-se a fonte, o processo de coleta e o banco de dados construído, para divulgação no meio científico e para avaliação das percepções concebidas sobre a mesma. 2020-03-05T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2020 Cadernos de História http://periodicos.pucminas.br/index.php/cadernoshistoria/article/view/19771 Migração Negra: Um Estado da arte sobre a presença da população negra na AmazôniaNIA 2020-07-06T16:53:31-03:00 Francisco Pereira Smith Júnior fsmith@ufpa.br Ketno Lucas Santiago ketnolucas@gmail.com <p>Esta pesquisa é fruto de um Estado da Arte sobre a categoria migração negra. O objetivo principal é de identificar estudos, teses, dissertações, artigos e trabalhos acadêmicos, que tratam sobre a temática migração. Apresentar uma visão geral a respeito do conceito “migração negra” e a sua frequência de aplicabilidade na acadêmica. Articular os movimentos migratórios com estudos de autores que trabalham a temática, bem como apontar indicativos para uma melhor conceituação da temática proposta. Metodologicamente o caminho percorrido é de cunho historiográfico, por meio de um levantamento bibliográfico, identificando teorias que contribuíram para estabelecer um diálogo entre as categorias sugeridas. Resultados preliminares indicam que a chegada do povo africano no Brasil e na Região Amazônica, se deu por meio de um processo migratório negro. Foram identificados autores que abordam a temática. Neste sentido, foi possível estabelecer um diálogo com esses autores, abordando uma variação do conceito migração, contribuindo com elementos para sustentar a afirmação de que a migração negra possui diferenças e similaridade com o processo migratório de outras populações pelo mundo, porém são as similaridades que as definem enquanto migração negra.</p> <p>&nbsp;</p> 2020-03-05T18:02:46-03:00 Copyright (c) 2020 Cadernos de História http://periodicos.pucminas.br/index.php/cadernoshistoria/article/view/18352 Heavy Metal Made in Minas Gerais 2020-07-06T16:53:31-03:00 Leonardo Henrique Alves de Lima Nascimento leonardoh95@hotmail.com Gleyber Eustáquio Calaça gleyber3001@gmail.com Alexandre Magno Diniz alexandremadiniz@gmail.com Julia Calvo juliacalvo1@gmail.com <p>O presente estudo analisa como se deu o processo de formação da cena heavy-metal em Belo Horizonte ao longo da década de 1980, verificando como os aspectos sociais locais contribuíram para o surgimento e evolução do gênero na capital mineira. O trabalho baseia-se em entrevistas elaboradas junto aos membros das bandas protagonistas da cena e levantamento de publicações sobre o tema no jornal Estado de Minas. Os resultados indicam que o heavy-metal de Belo Horizonte conciliou as características da cidade com aquelas do próprio movimento, dando origem a uma construção cultural específica, que daria à metrópole mineira o título de capital sul-americana do metal extremo.</p> 2020-03-05T18:04:53-03:00 Copyright (c) 2020 Cadernos de História http://periodicos.pucminas.br/index.php/cadernoshistoria/article/view/17051 Terror no Cone Sul: O fundamentalismo islâmico e o Caso Amia - 1994 2020-07-06T16:53:32-03:00 Paulo Roberto Alves Teles pauloteles_aju@hotmail.com <p>O presente artigo é fruto de investigações iniciais e tem como objetivo analisar o processo de formação do fundamentalismo islâmico contemporâneo e o atentado contra a Associação Mútua Israelita Argentina (AMIA) em Buenos Aires. Para isso, utilizamos como metodologia a análise historiográfica sobre o nascimento do fundamentalismo islâmico e os seus principais elementos ideológicos como também obras e reportagens que se debruçaram sobre o atentado contra a AMIA. O trabalho se dedica a retomar o debate acadêmico sobre o nascimento do fundamentalismo islâmico como uma ferramenta de ativismo político e nesse sentido, entende que o atentado promovido em Buenos Aires teria sido um desdobramento desse posicionamento ideológico. Soma-se a isso, os elementos antissemitas históricos presentes na Argentina, que reúne simultaneamente as maiores comunidades judaicas e árabes da América Latina. Corrupção, negligência e envolvimento de agentes do governo argentino também foram considerados nesse trabalho como aspectos potencializadores para esse traumático evento que ainda continua imerso a suspeitas e questionamentos.</p><p> </p><p>Palavras-chave: Extremismo; Fundamentalismo Islâmico; América Latina</p> 2020-03-05T18:06:40-03:00 Copyright (c) 2020 Cadernos de História http://periodicos.pucminas.br/index.php/cadernoshistoria/article/view/15139 Entre ideias e letras grafadas: intelectuais, política e cultura escrita 2020-07-06T16:53:32-03:00 Karla Simone Willemann Schütz karlawschutz@gmail.com Resenha do livro <strong>Intelectuais e palavra impressa</strong>, organizado por Giselle Martins Venâncio, editado pela Editora Eduff e publicado em 2016. 2019-09-05T00:00:00-03:00 Copyright (c) 2020 Cadernos de História