Cadernos de História http://periodicos.pucminas.br/index.php/cadernoshistoria <p><strong>Cadernos de História: </strong>Publicação semestral do Departamento de História da PUC Minas e do Centro de Memória e de Pesquisa História a PUC Minas, Classificada como B3 na área de História e B2 na área de Educação no QUALIS 2013-2016 (Plataforma Sucupira – CAPES-Brasil).</p> <p><strong>Missão</strong>: Os <em>Cadernos de História</em> tem por missão veicular trabalhos científicos que contribuam para o avanço da pesquisa, especialmente na área da História. Inserida em um projeto político-pedagógico que percebe como indissociáveis os campos do ensino, da pesquisa e da extensão, seu viés interdisciplinar tem como finalidade promover a reflexão crítica sobre as temáticas históricas e afins.</p> Editora PUC Minas pt-BR Cadernos de História 1679-5636 <p>O envio de qualquer colaboração implica, automaticamente, a cessão integral dos direitos autorais à PUC Minas. Solicita-se aos autores assegurarem:</p> <p>A inexistência de conflito de interesses (relações entre autores, empresas/instituições ou indivíduos com interesse no tema abordado pelo artigo), órgãos ou instituições financiadoras da pesquisa que deu origem ao artigo.</p> <p>Todos os trabalhos submetidos estarão automaticamente inscritos sob uma licença <a title="Creative Commons License" href="http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0" target="_blank" rel="noopener">creative commons</a>&nbsp;do tipo "by-nc-nd/4.0".&nbsp;</p> Expediente http://periodicos.pucminas.br/index.php/cadernoshistoria/article/view/27458 Anderson Luiz Barbosa Copyright (c) 2021 Cadernos de História http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-11-08 2021-11-08 22 37 1 5 Editorial e Sumário http://periodicos.pucminas.br/index.php/cadernoshistoria/article/view/27459 Marcelo de Araujo Rehfeld Cedro Copyright (c) 2021 Cadernos de História http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-12-06 2021-12-06 22 37 6 10 Diagnosticando as torcidas antifascistas: como a classe, a raça e o gênero redimensionam as relações de poder no futebol a partir da Ultras Resistência Coral http://periodicos.pucminas.br/index.php/cadernoshistoria/article/view/25099 <p>Este artigo avalia a emergência de torcidas antifascistas na história dos modelos coletivos do torcer e os tensionamentos provocados nas dimensões de gênero, raça e classe. A partir da projeção e do alcance que o futebol produziu desde o século XX, mobilizando milhares de pessoas de diferentes formas, questões como machismo, homofobia e racismo conformaram a experiência desse esporte na sociedade. À vista disso, ao posicionar a profusão de torcidas antifascistas no século XXI, consideramos delinear um quadro histórico das torcidas organizadas através do esboço da terminologia de primeira, segunda, terceira e quarta ondas do torcer. Utilizamos como fontes históricas depoimentos, periódicos e imagens, ressaltando suas condições sociais de produção e de circulação. Portanto, este artigo lança luz sobre os desdobramentos, os significados e o potencial político do antifascismo nas torcidas de futebol ao trazer à tona manifestações sociais de torcedores/as organizados/as. Dessa forma, há neste texto um diagnóstico do movimento contemporâneo de politização, sob o ponto de vista político de esquerda, dos espaços futebolísticos.</p> Caio Lucas Morais Pinheiro Copyright (c) 2021 Cadernos de História http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-11-30 2021-11-30 22 37 11 32 10.5752/P.2237-8871.2021v22n37p11-32 Da mais vibrante à mais temida: cooperação, respeito, virilidade e violência na história da Torcida Uniformizada do Palmeiras e da Mancha Verde (1971 – 1995) http://periodicos.pucminas.br/index.php/cadernoshistoria/article/view/25097 <p>O movimento das torcidas organizadas, institucionalizado em São Paulo a partir de 1969, tornou-se uma marca nos estádios ao alterar muitos elementos da cultura torcedora. O objetivo deste estudo é apresentar a trajetória das duas principais entidades de torcedores do Palmeiras: a TUP (Torcida Uniformizada do Palmeiras), criada em 1970, e que congregou a maioria dos torcedores organizados alviverdes até metade da década seguinte, e a Mancha Verde, que concentrou a maioria dos torcedores palmeirenses a partir dos anos 1990. A análise baseada em entrevistas de líderes das torcidas, nos jornais o <em>Estado de S. Paulo</em>, <em>Folha de S. Paulo</em> e na revista <em>Placar</em>, busca refletir quais as imagens que as próprias entidades cultivaram de si próprias; as relações de cooperação recorrentes ao universo torcedor da década de 1970 e os crescentes enfrentamentos entre torcidas durante a década de 1980 e início dos anos 1990. As mudanças ocorridas ao longo de todo o período nos permitiram fazer uma análise das concepções de virilidade e do conceito nativo de respeito, bem como visualizar a relação entre o aumento no número de homicídios e crimes violentos em São Paulo e as relações crescentemente violentas entre os torcedores na cidade.</p> Vitor Canale Copyright (c) 2021 Cadernos de História http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-11-30 2021-11-30 22 37 33 52 10.5752/P.2237-8871.2021v22n37p33-52 Memórias de uma vida dedicada ao estudo das mulheres no esporte: entrevista com Silvana Vilodre Goellner http://periodicos.pucminas.br/index.php/cadernoshistoria/article/view/25061 <p>O objetivo deste estudo foi analisar a trajetória de vida da professora Silvana Goellner, a partir de uma entrevista realizada na cidade de Alagoinhas-Ba no dia 25 de outubro de 2019. A metodologia utilizada foi pautada na história oral, visto que possibilita um maior aprofundamento dos aspectos que marcaram a vida da entrevistada, os quais foram apresentados no decorrer deste trabalho em três momentos: contextos e possibilidades da infância, processo de formação acadêmica e contribuições para o estudo sobre mulheres. Algumas situações vivenciadas na sua infância, como a aproximação com os esportes e a figura marcante da mãe enquanto uma mulher de luta, refletiram significativamente ao longo da sua vida, direcionando e vinculando suas escolhas acadêmicas e profissionais aos aspectos sociais. Foi possível entrelaçar os fragmentos de uma memória individual da entrevistada com memórias oficializadas perante a sociedade e que se configuraram enquanto marcadores para sua atuação acadêmica e científica. Seu pioneirismo nas discussões sobre mulheres no esporte, bem como sua história de vida enquanto mulher e pesquisadora, deixaram um legado que contribui diretamente para o campo da Educação Física, se tornando referência nesses estudos ao registrar e dar visibilidade aos processos de luta das mulheres no esporte.</p> Nivalda Pereira Coelho Felipe Eduardo Ferreira Marta Copyright (c) 2021 Cadernos de História http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-11-30 2021-11-30 22 37 53 67 10.5752/P.2237-8871.2021v22n37p53-67 Turnen e suas configurações: uma abordagem sobre o componente organizacional das Sociedades de Ginástica no sul do Brasil (1870-1920) http://periodicos.pucminas.br/index.php/cadernoshistoria/article/view/25035 <p>A presente pesquisa tem o objetivo de compreender a organização das <em>Turnvereine</em> (sociedades de ginástica) em diferentes localidades do estado do Rio Grande do Sul,&nbsp; entre as décadas de 1870 e 1920. Para tanto, estabeleceu-se um diálogo entre o campo da História do Esporte e da Educação Física, sob a égide de pressupostos advindos da História Cultural. A interpretação do fenômeno do associativismo em torno do <em>Turnen</em>, no Rio Grande do Sul, é norteada pelos conceitos de figuração e redes de interdependência, a partir dos escritos de Norbert Elias. Correspondente ao método que viabilizou esta pesquisa, além da revisão bibliográfica, foram coletados e analisados indícios em documentos impressos. Evidenciou-se que as sociedades de ginástica se destinavam, inicialmente, à prática do <em>Turnen</em>. No final do século XIX, constatou-se a instauração de, aproximadamente, 15 sociedades de ginástica no Rio Grande do Sul, as quais apresentavam uma organização análoga. Formou-se uma rede de relações, com normas específicas de filiação, com códigos de comportamento e sentimento que eram compartilhados pelos associados em uma relação de interdependência e constante tensão. A organização é um dos alicerces para a composição de uma “boa sociedade” do <em>Turnen</em>.</p> Alice Beatriz Assmann Ester Liberato Pereira Janice Zarpellon Mazo Copyright (c) 2021 Cadernos de História http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-11-30 2021-11-30 22 37 68 88 10.5752/P.2237-8871.2021v22n37p68-88 Uma cultura corporal anárquica: a influência do punk na prática do skate http://periodicos.pucminas.br/index.php/cadernoshistoria/article/view/25007 <p>Este artigo tem por objetivo analisar a influência do punk na prática do skate através, sobretudo, de uma análise centrada em revistas de skate publicadas durante a segunda metade da década de 1980 e uma edição da revista <em>Tribo</em> de 2001. Além das revistas, depoimentos e letras de música também serão abordados. O punk pode ser compreendido como um movimento de contestação juvenil ligado à política, à estética e, principalmente, à música e ao comportamento. Aponta-se que houve uma influência do punk na prática do skate, sobretudo na modalidade street (rua) durante a década de 1980, e ainda que essa atividade corporal tenha recebido outras influências nas décadas seguintes, como o Hip-Hop, tal influência permanece, embora conjuntamente com outas formas de expressão cultural, até o presente.</p> <p>Palavras-chave: Skate; Esporte; História, Punk.</p> Leonardo Brandão Giancarlo Marques Carraro Machado Copyright (c) 2021 Cadernos de História http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-11-30 2021-11-30 22 37 89 108 10.5752/P.2237-8871.2021v22n37p89-108 O Capital no futebol: uma análise da mercadoria jogador http://periodicos.pucminas.br/index.php/cadernoshistoria/article/view/24999 <p>A proposta deste artigo é a de articular, a partir da leitura da primeira seção do “O Capital: Crítica da economia política” de Karl Marx (2013), uma análise da questão da mercadoria no futebol, mais especificamente do jogador como mercadoria, partindo da posição dicotômica que o jogador de futebol possui dentro do futebol profissional, ocupando um lugar de duplo estatuto, sendo produtor de mercadoria e a própria mercadoria. Para isso, o artigo se utiliza do materialismo histórico dialético para compreender essa posição do jogador e da dinâmica do capital, aplicado ao futebol. Além de uma investigação teórica sobre as categorias marxianas, o artigo apresenta dados empíricos que corroboram com a mesma. Por fim, o artigo analisa como se da a dinâmica centro-periferia do capital e perpassa pelo funcionamento do esporte como um aparelho ideológico, além de trazer uma proposta de como deve ser a luta do torcedor dentro do sistema.</p> Lucas Giachetto de Araujo Sérgio Settani Giglio Copyright (c) 2021 Cadernos de História http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-11-30 2021-11-30 22 37 109 126 10.5752/P.2237-8871.2021v22n37p109-126 Ajustando estratégias: a experiência com o basquetebol no Sport Club Mackenzie (Rio de Janeiro, 1924-1941) http://periodicos.pucminas.br/index.php/cadernoshistoria/article/view/24994 <p>Em 1914, foi criada uma associação marcante da história do Méier, bairro do Rio de Janeiro: o Sport Club Mackenzie, a princípio eminentemente dedicado ao futebol. Com passar dos anos, outros esportes passaram a ser praticados nessa agremiação, entre os quais o basquetebol. Este artigo tem por objetivo discutir tal experiência com a modalidade da bola ao cesto, a percebendo como decorrência de decisões administrativas adotadas tendo em vista a manutenção de vínculos com a elite carioca organizada em ligas esportivas prestigiosas, uma estratégia entabulada para reafirmar compromissos de contribuição com a valorização do bairro. Para alcance do objetivo, como fontes foram utilizados periódicos publicados na cidade. Mais do que uma reflexão sobre a ampliação da cultura esportiva da, na ocasião, capital nacional, tratou-se de lançar um olhar para os relacionamentos entre as suas zonas urbana e suburbana, explicitando posicionamentos assumidos por certos grupos sociais para buscar inserção num cenário citadino progressivamente complexo e em constante transformação.</p> Victor Melo Bruno Adriano Rodrigues Silva Copyright (c) 2021 Cadernos de História http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-11-30 2021-11-30 22 37 127 143 10.5752/P.2237-8871.2021v22n37p127-143 Memórias de “dois capoeiras aos pés do berimbau”: ocupando espaços e superando os desafios em Vitória da Conquista-BA (1980-2000) http://periodicos.pucminas.br/index.php/cadernoshistoria/article/view/24928 <p>Este trabalho é fruto de pesquisas realizadas na dissertação do Programa de Pós-graduação em Memória: Linguagem e Sociedade, da UESB. Ao entender a Capoeira como uma construção realizada a partir das matrizes civilizatórias africanas, este artigo mostra os desafios gerados pelas tensões existentes em Vitória da Conquista-Ba, como resultados obtidos durante os estudos de mestrado. Existência de tensões ocasionadas pelos conflitos ao longo do processo de disseminação da Capoeira que ilustram as lutas enfrentadas atualmente pelo Mestre Acordeon e pelo Mestre Pantera, apontados na cidade como os principais disseminadores da Capoeira nas décadas de 1980 e 1990. Para isso, utilizamos como referencial teórico-metodológico os escritos de Nora (1993), Fentress e Wickham (1992), Portelli (1997) e Meihy (2010), pois as memórias destes conflitos possibilitaram investigar o processo de disseminação da Capoeira em Vitória da Conquista até os anos 2000. Os resultados apontaram conflitos e tensões relacionadas à busca de empregabilidade e sustentabilidade; desmoralização; resistência ao preconceito racial; enfrentamentos políticos; disputas de memórias; ocupação de espaço e autonomia; iniciativas que impulsionaram a disseminação da capoeira.</p> Jonatan dos Santos Silva Marlon Messias Santana Cruz Isabele Pires Santos Soler Felipe Eduardo Ferreira Marta Copyright (c) 2021 Cadernos de História http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-11-30 2021-11-30 22 37 144 164 10.5752/P.2237-8871.2021v22n37p144-164 Ser técnico da seleção é ser político? O conceito de treinador nos jornais nacionais nas primeiras nove Copas do Mundo http://periodicos.pucminas.br/index.php/cadernoshistoria/article/view/24825 <p>Este artigo teve como objetivo apresentar o percurso histórico do conceito de treinador da seleção brasileira durante as Copas do Mundo de 1930 a 1970. Nosso foco foi observar como as interações entre campo esportivo e campo político se evidenciaram nas narrativas que projetaram um mundo exigindo determinados atributos deste treinador. Testou-se e confirmou-se a hipótese de que nesta narrativa proposta por cinco jornais brasileiros o “perfil” ideal de treinador e seu conceito atenderam aos interesses da “elite” nacional. Por mais que o conceito se alterasse, indica-lo como modelo de “líder” foi uma constante, alterando apenas o que era exigido desta personagem a cada competição. Da estreia da seleção até o dia do desembarque da delegação no Brasil, selecionamos todas as reportagens dos jornais que abordam o tema seleção brasileira. Em seguida analisamos as reportagens que abordam a figura do treinador, indicando qual foi o espaço e os conceitos destinados a essa personagem no mundo dos jornais. Através da Análise Crítica das narrativas, foram analisadas 2.351 notícias sobre a seleção, dentre as quais 577 que abordavam o treinador.</p> Filipe Mostaro Copyright (c) 2021 Cadernos de História http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-11-30 2021-11-30 22 37 165 183 10.5752/P.2237-8871.2021v22n37p165-183 O futebol de domingo e as práticas de lazer de União do Oeste e Irati http://periodicos.pucminas.br/index.php/cadernoshistoria/article/view/24573 <p>A colonização iniciada no Oeste de Santa Catarina, no século XX, contribuiu para a organização da sociedade, e posteriormente para suas permanências em determinadas regiões. Cada grupo social que ali se alocou, passou a formar as comunidades, que abrigavam redes de relações, as quais iam desde a divisão de tarefas cotidianas até a organizações mais complexas que envolviam vários atores. Dessas atribuições cotidianas surgiram também as práticas do lazer - que se tornaram facilitadores frente às dificuldades e desafios encontrados. O objetivo deste artigo é analisar as práticas de lazer, em especial a importância do futebol nos atuais municípios de União do Oeste e Irati – no oeste de Santa Catarina –, entre as décadas de 1960 a 1980. Para atingir este objetivo, que será analisado através do viés da História social, foram utilizadas as seguintes fontes: entrevistas, iconografia, periódicos regionais, entre outros. Pode-se perceber que nessas comunidades, formadas por migrantes de origem europeia, o futebol era considerado a prática de lazer coletiva e narrada pelos moradores como atividade que vinha para contribuir nas organizações e na manutenção das práticas cotidianas dos grupos que habitam o Oeste de Santa Catarina.</p> Samira Moretto Claudia Valmorbida Risso Copyright (c) 2021 Cadernos de História http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-11-30 2021-11-30 22 37 184 199 10.5752/P.2237-8871.2021v22n37p184-199 Entre o amadorismo e o profissionalismo: a várzea e as transformações do futebol na capital mineira nas décadas de 1940 e 1950 http://periodicos.pucminas.br/index.php/cadernoshistoria/article/view/24482 <p>O artigo pretende abordar a conformação de um circuito competitivo do futebol de várzea em Belo Horizonte associado a processos que foram fundamentais para a estruturação do meio esportivo no Brasil. Ao utilizar como fonte os debates de um jornal com estreitas ligações com a vertente mais popular dessa modalidade atlética, são examinadas oposições e interseções durante o desenvolvimento da expressão amadorista da prática e a consolidação de sua versão espetacularizada. Passada mais de uma década da regulamentação do pagamento de salários aos jogadores, observava-se a constituição de um mercado incipiente, incapaz de gerar rendas suficientes para a manutenção de um sistema de dedicação integral e exclusiva dos atletas. O cenário dos anos 1940 e 1950 na capital mineira ajuda a compreender como a definição dos <em>circuitos</em> de várzea e do futebol de espetáculo foi um processo longo, que teve na oficialização do profissionalismo, em 1933, apenas um de seus capítulos. Várias disputas seguiam em aberto naqueles tempos, quando as fronteiras entre os dois universos eram ainda muito indefinidas.</p> Raphael Rajão Ribeiro Copyright (c) 2021 Cadernos de História http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-11-30 2021-11-30 22 37 200 221 10.5752/P.2237-8871.2021v22n37p200-221 “Racismo à brasileira” no futebol rio-grandino: notas sobre a Liga Esportiva Rio Branco (1926-1930) http://periodicos.pucminas.br/index.php/cadernoshistoria/article/view/24578 <p>Este estudo objetivou analisar a emergência da Liga Esportiva Rio Branco (1926-1930) na cidade de Rio Grande e problematizar os papeis desempenhados por ela na sociabilidade da população afrodescendente da época e na cultura futebolística daquela cidade. Trata-se de uma pesquisa histórica documental, cujo corpus empírico constituiu-se de jornais diários e semanais que circulavam na cidade de Rio Grande no período da existência da Liga. Os resultados indicam que a Liga Esportiva Rio Branco se constituiu, predominantemente, por agremiações esportivas que não eram aceitas na Liga Rio Grandense. O estudo também assinalou a existência do Sport Club Rio Negro, agremiação esportiva fundada em 1919, que teve um papel de destaque no futebol e em outras atividades culturais da população negra rio-grandina da época. Conclui-se que, além de ser um lócus de sociabilidade dos afrodescendentes da cidade de Rio Grande, a Liga Esportiva Rio Branco também representou uma possibilidade para os futebolistas negros e operários consolidarem-se no futebol Rio-grandino.</p> Christian Ferreira Mackedanz Luiz Carlos Rigo Copyright (c) 2021 Cadernos de História http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-11-30 2021-11-30 22 37 222 239 10.5752/P.2237-8871.2021v22n37p222-239 Os anos iniciais do futebol feminino em Santa Catarina: silenciamentos e resistências http://periodicos.pucminas.br/index.php/cadernoshistoria/article/view/24377 <p>O artigo produz uma síntese histórica sobre os espaços ocupados e os papéis desempenhados pelas mulheres no campo esportivo em Santa Catarina ao longo do século XX e o desenvolvimento do futebol de mulheres, cuja prática foi por quase quatro décadas (1941-1979) oficialmente proibida por decreto-lei, sendo que a sua regulamentação ocorreu apenas no ano de 1983. Tal interdição, baseada em premissas biológicas e legitimada pela estrutura patriarcal conservadora brasileira, marginalizou a modalidade e retardou o seu desenvolvimento, ao contrário da categoria masculina, que se tornou o esporte mais popular do país. Em sintonia com o que ocorria nos grandes centros urbanos, em Santa Catarina o futebol foi visto como um esporte masculino carregado por marcas civilizatórias, praticado por uma elite que reservou às mulheres o papel de torcedora. A sua prática pelas mulheres iniciou como atração circense, tentou desenvolver-se como atividade educativa, foi coibido, estabeleceu estratégias de resistência para continuar sendo praticado até poder estruturar-se em suas diversas manifestações profissionais, de lazer, de educação e sociabilidade.</p> Felipe Matos Copyright (c) 2021 Cadernos de História http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-11-30 2021-11-30 22 37 240 262 10.5752/P.2237-8871.2021v22n37p240-262 Processo de esportivização da Natação: tempo, espaço e burocratização em competições no litoral de Fortaleza (décadas de 1920-1940) http://periodicos.pucminas.br/index.php/cadernoshistoria/article/view/25012 <p>A natação, como modalidade esportiva, foi precedida por práticas como banhos de mar e o nado. Embora locomover-se na água foi uma atividade que permeou inúmeras sociedades em diversos tempos históricos, a natação como prática competitiva, institucionalizada, burocratizada é uma invenção dos tempos modernos. Para Nobert Elias (1992) o processo de esportivização caracteriza-se pela passagem dos diversos jogos e atividades em esportes modernos, regulamentados por regras universais e escritas, e sustentados por aparatos burocráticos e institucionais. No contexto brasileiro, mais especificamente no litoral da cidade de Fortaleza, a natação modalidade esportiva refinada por uma técnica e com intuito competitivo, viveu importante parte do processo de esportivização na primeira metade do século XX. Este artigo tem como objetivo analisar esse processo na natação do contexto do litoral cearense entre as décadas de 1920 e 1940, evidenciando as manifestações nesse sentido, os agentes e grupos sociais envolvidos, bem como aspectos relativos à institucionalização do espaço litorâneo e a burocratização e racionalização da prática da natação no mar. Como fontes foram mobilizados periódicos que circulavam na imprensa do período e exerciam função essencial na dinâmica e desenvolvimento da prática esportiva da natação.</p> Nara Romero Montenegro Copyright (c) 2021 Cadernos de História http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-11-30 2021-11-30 22 37 263 279 10.5752/P.2237-8871.2021v22n37p263-279 Futebol sim, mas não só: a presença das lutas em periódicos da cidade de salvador (1912 – 1935) http://periodicos.pucminas.br/index.php/cadernoshistoria/article/view/25088 <p>Esportes de combate como Jiu-jitsu, boxe, luta livre, luta greco-romana estão fortemente presentes no início do século XX na cidade de Salvador-BA. Em parte devido à criação do Club Athletico Bahiano (1915), embora não tenham sido incorporados como desportos a princípio. Ao mesmo tempo, a Capoeira era assunto corriqueiro nos jornais de Salvador. Apresentamos aqui uma pesquisa exploratória qualitativa sobre este assunto. Nossos objetivos foram: investigar possíveis relações de conflitos e interferências no processo de desenvolvimento e construção do cenário esportivo baiano das lutas; verificar o papel dos agentes neste processo. Utilizando os termos de busca "Capoeira", "boxe", "luta" e "lutas" realizamos uma busca nas duas principais coleções de periódicos: "Hemeroteca Digital" e "Biblioteca Pública do Estado da Bahia". Realizamos a leitura detalhada das notícias relacionadas analisando de acordo com os estudos de Norbert Elias e Tania Luca. Nossos resultados demonstraram uma influência da mídia para legitimar o futebol como um esporte popular. Por outro lado, os esportes de combate foram relegados a um segundo plano ao longo das publicações.</p> Lucas Oliveira Jonatan dos Santos Silva Isabele Pires Santos Soler Felipe Eduardo Ferreira Marta Copyright (c) 2021 Cadernos de História http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-11-30 2021-11-30 22 37 280 295 10.5752/P.2237-8871.2021v22n37p280-295 Na ponta da chuteira havia um fuzil: Adriano Imperador e o percalço da euforia a criminalização http://periodicos.pucminas.br/index.php/cadernoshistoria/article/view/24587 <p><strong>:</strong> Por este trabalho propõe-se discutir a criminalização da pobreza e seus efeitos no proibicionismo de entorpecentes, assim como, sua relação com o extermínio de jovens negros nas periferias brasileiras. Cabendo aos meios de comunicação um papel de mediadora ou de catalisador desse processo. Para isso, utilizaremos da especialidade da Micro-história a fim de tomar a figura do futebolista Adriano Imperador e suas relações extracampo com a impressa e sua comunidade natal, como problematização primordial. Sendo assim, este trabalho tem os seguintes objetivos demonstrar como a mídia tem um papel importante na construção da imagem do inimigo na sociedade; problematizar a falta de um debate mais profundo sobre o crime e sua relação com a população favelada e periférica, bem como, esse tipo de matéria reforça o estereótipo favelado criminoso. Como metodologia de trabalho utilizaremos as imagens contidas nos jornais e sendo assim, buscaremos analisar os ditos e não ditos nessas imagens e a resposta dada pelo jogador contra esse tipo de jornalismo, explorando aquilo que o historiador italiano Carlo Ginzburg intitulou de paradigma indiciário.</p> Jefferson Aleff Oliveira Copyright (c) 2021 Cadernos de História http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-11-30 2021-11-30 22 37 296 313 10.5752/P.2237-8871.2021v22n37p296-313 A Nova Rota Econômica do Futebol: megaeventos esportivos e "o sonho chinês das três Copas" http://periodicos.pucminas.br/index.php/cadernoshistoria/article/view/24643 <p>Pretendemos fazer uma investigação acerca da recente ascensão do futebol na China. Poucos estudos nas Ciências Sociais têm conferido a devida atenção ao crescimento econômico do "dragão asiático" e sua relação com a alteração da geopolítica desse esporte nos últimos anos. Então, o objetivo central desse estudo é elucidar o surpreendente desenvolvimento do futebol chinês, a partir das estratégias de poder encabeçadas pelo Estado, como também da participação do mercado. Para cumprirmos nossa proposta, analisaremos alguns documentos oficiais da Federação Internacional de Futebol (FIFA), da Associação Chinesa de Futebol (CFA) e da República Popular da China (RPC), conferindo ênfase ao "Plano de desenvolvimento do futebol chinês a médio e longo prazo (2016-2050)". Observaremos como se deu a elaboração desse ousado planejamento estatal e de que maneira tem ocorrido uma forte aproximação entre os chineses e a entidade máxima do futebol mundial para realiza-lo. Através do "socialismo com peculiaridades chinesas" e do "futebol com características chinesas", o Estado, juntamente com a iniciativa privada, tem fomentado a indústria esportiva no país, fundamental para um maior intercâmbio cultural e diplomático.</p> Raul de Paiva Oliveira Castro Copyright (c) 2021 Cadernos de História http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-11-30 2021-11-30 22 37 314 333 10.5752/P.2237-8871.2021v22n37p314-333 O futebol e o rádio: audição coletiva, redes nacionais e o esporte na Inconfidência http://periodicos.pucminas.br/index.php/cadernoshistoria/article/view/25079 <p>Este artigo pretende discutir a relação entre o rádio e o Futebol. O caminho escolhido foi a História Social, observando tanto o esporte quanto o meio de comunicação rádio nas suas relações com o seu tempo histórico e com as apropriações realizadas pelas pessoas comuns, através das práticas esportivas e comunicativas que estão imbricadas. Pesquisando a relação entre o rádio e o futebol estudamos também os processos de constituição das tradições, as apropriações dos espaços urbanos e a maneira como os meios de comunicação deslocam as experiências para uma outra dimensão. Na parte final do artigo retomamos, numa outra perspectiva, a pesquisa que realizamos sobre a Rádio Inconfidência, inserindo-a no contexto histórico mais amplo. O futebol nasce da vivência coletiva e cotidiana, como uma prática de grupos sociais, mas o rádio o transforma em um elemento de reconfiguração da própria experiência das pessoas comuns, consolidando o futebol no Brasil como um elo entre os indivíduos, nas várias mediações que realizam no seu dia-a-dia.</p> Luiz Otávio Correa Copyright (c) 2021 Cadernos de História http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0 2021-12-06 2021-12-06 22 37 334 352 10.5752/P.2237-8871.2021v22n37p334-352