Trabalhando as relações e os vínculos familiares: uma experiência de Extensão Universitária da PUC Minas

Stella Maria Poletti Simionato Tozo, Tamara Alessandra Santos Gomes, Jennifer Antonelle de Moura Vasconcelos

Resumo


Este trabalho traz o relato de experiência, com proposta de elaboração reflexiva, das atividades realizadas em um projeto de extensão universitária, cujo principal objetivo é a reconstrução de vínculos familiares estremecidos, em famílias de camadas populares que vivem sob um contexto estressante por diversos motivos. A orientação do pensamento sistêmico e a terapia familiar na perspectiva do construcionismo social são a base teórica para a intervenção realizada em duas instituições de Belo Horizonte (MG). Considera-se que esta abordagem se relaciona com uma prática social transformadora, que se organiza a partir dos contextos locais e das histórias culturais de distintas comunidades linguísticas. A metodologia se dá através de atendimentos psicoterápicos grupais e atendimentos domiciliares a famílias que vivem em contexto de vulnerabilidade social. O objetivo principal dos grupos psicoterapêuticos multifamiliares é proporcionar um ambiente reflexivo, em que os participantes possam relatar suas vivências e experiências, compartilhar informações, expressar emoções e sentimentos, e refletir sobre suas ações, de forma que eles revejam modos de funcionamento do sistema familiar. Os atendimentos domiciliares possibilitam que o terapeuta esteja mais próximo das famílias, uma vez que irá conhecê-las em seu cotidiano, e facilitam a interação com outros membros familiares que não podem comparecer aos grupos, como os cônjuges, filhos, sogros(as), avós, dentre outros. No decorrer do artigo, discutese que a psicologia voltada à família precisa contemplar as especificidades culturais e contextuais, a fim de acolhê-la em suas particularidades e necessidades, evitando que se reproduzam práticas interventivas discriminatórias. O Projeto “VincuLar” foi uma oportunidade de as famílias participantes poderem reestruturar o sistema familiar, na medida em que, durante o processo terapêutico, aconteceu o início do resgate da autonomia e autoestima de seus membros, incentivando-os a lutar pelo reestabelecimento da força relacional deste sistema familiar.

Palavras-chave


Projeto de Extensão; Família; Grupo; Vulnerabilidade; Intervenção

Texto completo:

PDF

Referências


BARRERO, Guillermo Moreno. Família Retalhos: Estudo de caso sobre a estrutura relacional

de uma família multiproblemática. 2012. 170 f. Dissertação (Mestrado) - Faculdade de Filosofia,

Universidade Católica Portuguesa - Centro Regional de Braga, Braga, 2012. Disponível em:

https://repositorio.ucp.pt/bitstream/10400.14/13624/1/Disserta%C3%A7ao%20de%20Mestrado%2c

%20Fam%C3%ADlia%20Retalhos%20%28Guillermo%20Moreno%20.pdf. Acesso em: 24 fev.

Conecte-se! Revista Interdisciplinar de Extensão. V. 2. Nº 4. 2018

CARVALHO, I.M.M. de; ALMEIDA, P. H. Família e Proteção Social. São Paulo em Perspectiva,

v. 17, n. 2, p. 109-122.

CARTER, Betty; MCGOLDRICK, Monica. As mudanças no ciclo de vida familiar. Porto Alegre:

Artes Médicas, 1995.

GOMES, Mônica Araújo; PEREIRA, Maria Lúcia Duarte. Família em situação de vulnerabilidade

social: uma questão de políticas públicas. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, 2005. v. 10, n. 2,

p. 357-363. Disponível em: . Acesso em:

fev. 2018.

GRANDESSO, Marilene. Sobre a reconstrução do significado: uma análise epistemológica e

hermenêutica da prática clínica. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2000.

LIMA, M.J; ABDALA, M.N.L.; BRAGA, S.C.A. Construindo equipes para o trabalho com

multifamílias. In: OLIVEIRA, S.M.; GONÇALVEZ, T.E. (orgs) Famílias e Instituições: enlaces

possíveis. Taubaté-SP: Cabral Editora, 2006. Cap. 5, p. 89-115

LIMA, Elizabeth Maria Freire de Araújo; YASUI, Silvio. Territórios e sentidos: espaço, cultura,

subjetividade e cuidado na atenção psicossocial. Saúde debate, Rio de Janeiro, set. 2014. v. 38, n.

, p. 593-606. Disponível em: . Acesso em: 24

fev. 2018.

MADSEN, W. C. Terapia Colaborativa com famílias multiestressadas. São Paulo: Roca, 2010

MORAES, Rochele Pedroso de. Família: uma construção histórica. Seminário Internacional Sobre

Políticas Públicas, Intersetorialidade e Família: Desafios éticos no ensino, na pesquisa e na

formação profissional. Porto Alegre RS: Setor de Tratamento da Informação da BC-PUCRS, 2013.

v. 1. p. 1-8. Disponível em: . Acesso

em: 24 fev. 2018.

MELO, Z. M. Família e Cultura: uma reflexão. Symposium (Recife), Recife, 2000. v. 2, p. 78-81.

Disponível em . Acesso em: 24 fev. 2018.

OLIVEIRA, NHD. Recomeçar: família, filhos e desafios. São Paulo: ed. UNESP; São Paulo:

Cultura Acadêmica, 2009.

PAULO, Beatrice Marinho. Novas configurações familiares e seus vínculos sócio afetivos. 2006.

Dissertação (mestrado)- Rio de Janeiro: Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, 2006.

Disponível em: . Acesso em: 24 fev.

PETTENGILL, Myriam Aparecida Mandetta; ANGELO, Margareth. Vulnerabilidade da família:

desenvolvimento do conceito. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 2005. v. 13, n. 6, p.

-988, 2005.

RASERA, E. F; JAPUR, M. Desafios da aproximação do construcionismo social ao campo da

psicoterapia. Estudos de Psicologia, 9(3), 2004. p. 431-439.

SLUZKI, Carlos. Famílias e redes. In: FERNANDES L.; SANTOS, M.R. (coord.). Terapia

familiar, redes e poética social. Lisboa: Climepsi, 2007. Cap. 4, p. 97-125.

SOUSA, L.; RIBEIRO, C. Percepção das famílias multiproblemáticas pobres sobre as suas

competências. Psicologia. Lisboa, 2005. n. 19, p. 169-191.

VAITSMAN, Jeni. Flexíveis e plurais: identidade, casamento e família em circunstâncias pósmodernas.

Rio de Janeiro: Rocco, 1994.

Stella Maria Poletti Simionato Tozo; Tamara Alessandra Santos Gomes;

Jennifer Antonelle de Moura Vasconcelos

WALSH, Froma. Processos normativos da família: diversidade e complexidade. Porto Alegre:

Artmed, 2016.

WENDT, Naiane Carvalho; CREPALDI, Maria Aparecida. A Utilização do Genograma como

instrumento de coleta de dados na pesquisa qualitativa. Psicol. Reflex. Crit., Porto Alegre, 2008. v.

, n.2, p.302-310. Disponível em: .

Acesso em: fev. 2018.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Conecte-se! Revista Interdisciplinar de Extensão