Música como elemento de ação interdisciplinar

Leonardo Magela Lopes Matoso, Agostinha Mafalda Barra de Oliveira, Rinaldo Medeiros Alves de Oliveira

Resumo


Tem-se discutido a música na literatura devido ao seu hibridismo que abarca a interdisciplinaridade. Discutir música isoladamente é uma tarefa utópica, uma vez que seu caráter interdisciplinar agrupa áreas que diversas vezes se sobrepõem como arte, saúde, educação, psicologia, administração, antropologia, ciências humanas, dentre outras. Desse modo, o objetivo desse artigo é sintetizar as evidências científicas acerca da ação da música como elemento interdisciplinar. Para alcançar esse objetivo, realizou-se uma revisão integrativa utilizando descritores controlados (música – musicoterapia – interdisciplinaridade), obtendo-se, como amostra, 50 artigos. A amostra dividiu-se em periódicos nacionais e internacionais; sendo a maioria com Qualis A1, A2 ou B1. As evidências científicas apontam; especialmente nas áreas da saúde e da educação; que as intervenções musicais reduzem significativamente índices de ansiedade, estresse e dor; melhoram o condicionamento físico e os padrões cardiorrespiratórios; minimizam a depressão, potencializando o desenvolvimento humano. Diante dos resultados, pode-se concluir que a música se mostrou um instrumento eficaz para utilização em intervenções na área da saúde e educação, podendo ser ampliada em outros campos disciplinares, mostrando ampla ação interdisciplinar.

Palavras-chave


Música. Musicoterapia. Interdisciplinaridade.

Texto completo:

PDF

Referências


ALBUQUERQUE, M. C. S. et al. Os efeitos da música em idosos com doença de Alzheimer de uma instituição de longa permanência. Revista Eletrônica de Enfermagem, v. 14, n. 2, p. 404- 413, 2012. Disponível em: . Acesso em: 28 jan. 2017.

AUTO, F. M. L; AMANCIO, O. M. S; LANZA, F. C. Efeito da música sobre o ganho de peso de prematuros maiores de 32 semanas: ensaio clínico randomizado. Revista Paulista de Pediatria, 2013. v. 31, n. 3, p. 293-299.

BANCARALI, S. L; OLIVA, M. P. Efecto de la musicoterapia sobre los niveles de estrés de los usuarios internos de la clínica de odontología de la universidad del desarrollo. International Journal Odontostomatology, 2012. v. 6, n. 2, p.189-193.

BARANOW, A. L. Musicoterapia: uma visão geral. São Paulo: Enelivros, 1999.

BENENZON, Rolando. Teoria da musicoterapia: contribuição ao conhecimento do contexto não-verbal. 3 ed. São Paulo: Summus Editorial, 1988.

BENETTI, I. C; GISARD, E; SILVA, L. M. A percepção do professor sobre os efeitos da música no comportamento dos alunos. Estudos e Pesquisas em Psicologia, 2014. v. 14, n. 2, p. 474-496.

BIGLIASSI, M. et al. Influência da música em variáveis psicofisiológicas durante um exercício submáximo em ciclossimulador. Revista Brasileira de Atividade Física e Saúde, 2012. v. 17, n. 6, p. 532-542.

BLASCO, F. Evaluación de los efectos psicológicos de la música a través de un diferencial semántico. Revista Brasileira de Musicoterapia, 1996. v. 1, n. 2, p. 5-23.

BRASIL, Ministério da Saúde. Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares no Sistema Único de Saúde. Organizado pela Secretaria de Atenção à Saúde de Brasília: Ministério da Saúde, 2006. Disponível em:

BUITRAGO, Y. Q. Musicoterapia en niños con implante coclear. Revista de Otorrinolaringología y Cirugía de Cabeza y Cuello, 2014. v. 74, n. 3, p. 215-227.

CAITANO, J. S. O. et al.. Música durante o transoperatório: concepção de profissionais e pacientes. Revista Brasileira de Pesquisa em Saúde, 2014. v. 16, n. 2, p. 76-83.

CARDOSO, M. V. L. M. L; FARIAS, L. M; MELO, G. M. Música e glicose 25% no alívio da dor dos prematuros: ensaio clínico randomizado. Revista Latino Americana de Enfermagem, 2014. v. 22, n.5, p.810-814.

CARVALHO, J. P. E; TÉRZIS, A. Experiências com um grupo de crianças através da música: um estudo psicanalítico. Vínculo – Revista do NESME, 2009. v. 1, n. 6, p. 01-11.

CASTRO, T; FERREIRA, N. Vitula assistiva: tecnologia assistiva no ensino de violino para crianças com autismo. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO, 27, 2016, Uberlândia. Anais... Uberlândia: SBC, 2016. p. 876-885. Disponível em: . Acesso em: 25 abr. 2017.

CÔRTE, B; LODOVICI NETO, P. A musicoterapia na doença de Parkinson. Ciência & Saúde Coletiva, São Paulo, 2009. v. 14, n. 6, p.2295-2304.

CRUZ, S. P; PIROVICH, B. H; PEÑA, T. E. La música en el trabajo de parto. Revista Chilena de Obstetricia y Ginecología, 2003. v. 68, n.1, p.1-8.

DAVIDOFF, F. Music lessons: what musicians can teach doctors (and other health professionals). Annals of Internal Medicine, 2011. v. 154, n. 6, p. 426-429.

DEKANEY, E. M; MACEDO, E. C. Cultural tolerance and music preference: the effect of interdisciplinary lessons on students’ aesthetic response. Psicologia: Teoria e Prática, 2005. v. 7, n. 2, p.115-133.

ERKKILÄ, J. et al. The effect of improvisational music therapy on the treatment of depression: protocol for a randomized controlled trial. BioMed Center Psychiatry, 2008. v. 8, n. 50, p.1-9.

FERNÁNDEZ, R. C; VÁZQUEZ, M. D. M; CHAO, A. M. L. Se trabajan de forma interdisciplinar música y matemáticas en educación infantil. Educação e Pesquisa, 2015. v. 41, n. 4, p.1009-1022,.

FITCH, W. T. Four principles of bio-musicology. Philosophical Transactions of the Royal Society B, 2017. v. 370, s/n, p. 1-11.

FLORES-GUTIÉRREZ, E. O. et al. Procesamiento de la música en el primer episodio de trastorno depresivo mayor sin tratamiento. Salud Mental, 2013. v. 36, n. 1, p. 449-457.

FRAGATA, G. M; CORREIA, C. M. F. Musicoterapia e reabilitação neuropsicológica: estudo de caso de paciente com demência vascular. Neurociências, 2010. v. 6, n. 2, p.127-132.

FRANCO, M; RODRIGUES, A. B. Music therapy in relief of pain in oncology patients. Einstein, 2009. v. 7, n. 2, p. 147-151, 2009.

GRAIFF, C. Musica e medicina: il progetto donatori di musica. Recenti Progressi in Medicina, 2014. v.105, n. 10, p. 366-369.

GUAZINA, L. E; TITTONI, J. Musicoterapia institucional na saúde do trabalhador: conexões, interfaces e produções. Psicologia & Sociedade. Paraná, 2009. v. 21, n. 1, p. 108-117.

GUTIÉRREZ, E. O. F. et al. Procesamiento de la música en el primer episodio de trastorno depresivo mayor sin tratamiento. Salud Mental, México, 2013. v. 36, n. 6, p.449-457.

LEÃO, E. R; FLUSSER, V. Música para idosos institucionalizados: percepção dos músicos atuantes. Revista da Escola de Enfermagem, Universidade de São Paulo, 2008. v. 42, n. 1, p.73-80.

MARCONATO, C. Application of receptive music therapy in internal medicine and cardiology. Arquivos Brasileiros de Cardiologia, 2001. v. 77, n. 2.

MARIANO, F. L. R; FIAMENGHI JUNIOR, G. A. Avós/cuidadoras e seus netos com deficiência: uma experiência em musicoterapia. Aletheia, 2011. n. 34, p. 138-150.

MENDES, M. V. S. et al. Crianças com retardo do desenvolvimento neuropsicomotor: musicoterapia promovendo qualidade de vida. Revista Brasileira de Enfermagem, 2015. v. 68, n.5, p.515-520.

MOZER, N. M. S; OLIVEIRA, S. G; PORTELLA, M. R. Musicoterapia e exercícios terapêuticos na qualidade de vida de idosos institucionalizados. Estudos Interdisciplinares de Envelhecimento, 2011. v. 16, n. 2, p. 229-244.

NOGUEIRA, M. L. et al. Globally chaotic analysis of heart rate variability during acute auditory stimulus by heavy metal music. Medical Express, 2015. v. 5, n.2, p.1-7.

OIKKONEN, J. et al. Creative activities in music – a genome-wide linkage analysis. PLoS One, 2016. v. 11, n.2, p.1-21.

ORTÍ, J. E. R; ESPINÓS, P.S; IRANZO, C. C. Impacto fisiológico de la musicoterapia en la depresión, ansiedad, y bienestar del paciente con demencia tipo Alzheimer. Valoración de la utilización de cuestionarios para cuantificarlo. European Journal of Investigation in Health, Psychology and Education, 2014. v. 4, n.2, p. 131-140.

PIMENTEL, A. F. et al. Evidências de validade e precisão da escala de coping através de ouvir Música. Psicologia. Universidade de São Francisco, 2012. v. 17, n.1, p.141-151.

PINTO JUNIOR, F. E. L. et al.. Influência da música na dor e na ansiedade decorrentes de cirurgia em pacientes com câncer de mama. Revista Brasileira de Cancerologia, 2012. v. 58, n. 2, p.135-141. publicacoes/pnpic.pdf>. Acesso em: 01 de fev. 2017.

PUGGINA, A. C. G; SILVA, M. J. P. Pacientes com desordem de consciência: respostas vitais, faciais e musculares frente música ou mensagem. Revista Brasileira de Enfermagem, 2015. v. 68, n.1, p. 102-110.

SALES, C. A. et al. A música na terminalidade humana: concepções dos familiares. Revista da Escola de Enfermagem, Universidade de São Paulo, 2011. v. 45, n. 1, p. 138-145.

SÄRKÄMÖ, T. et al. Clinical and demographic factors associated with the cognitive and emotional efficacy of regular musical activities in dementia. Journal Alzheimer's Disease, 2016. v. 49, n. 3, p. 767-781.

SÄRKÄMÖ, T. et al. Cognitive, emotional, and social benefits of regular musical activities in early dementia: randomized controlled study. The Gerontologist, 2014. v. 54, n. 4, p. 634–650.

SCARPETTA, R. A. G. et al. Musicoterapia para el control de ansiedad odontológica en niños con síndrome de Down. Hacia la Promoción de la Salud, 2012. v. 17, n. 2, p. 13-24.

SERNA-OVIEDO, G; RIVERA, S. C. Musicoterapia: una alternativa de tratamiento para la ansiedad del personal de enfermería psiquiátrica. Enfermería Neurológica, 2013. v. 12, n. 1, p. 18-26.

SILVA, C. M. et al.. Respostas fisiológicas de recém-nascidos pré-termo submetidos à musicoterapia clássica. Revista Paulista de Pediatria, 2013. v. 31, n.1, p.30-36.

SILVA, L. M. et al.. A utilização da música nas atividades educativas em grupo na Saúde da Família. Revista Latino Americana de Enfermagem, 2013. v. 21, n. 2, p. 1-9.

SOUZA, Y. R; SILVA, E. R. Analise temporal do efeito ergogênico da música assincrônica em exercício. Revista Brasileira de Cineantropometria e Desempenho Humano, 2012. v. 14, n. 3, p. 305-312.

TABARRO, C. S. et al.. Efeito da música no trabalho de parto e no recém-nascido. Revista da Escola de Enfermagem, Universidade de São Paulo, 2010. v. 44, n. 2, p. 445-452.

TAETS, G. G. C. et al.. Impacto de um programa de musicoterapia sobre o nível de estresse de profissionais de saúde. Revista Brasileira de Enfermagem, 2013. v. 66, n. 3, p. 385-390.

TROICE, E. M; SOSA, J. J. S. La experiencia musical como factor curativo en la Musicoterapia con pacientes con esquizofrenia crónica. Salud Mental, 2003. v. 26, n. 4, p.47-58.

VIANNA M. N. S. et al.. A musicoterapia pode aumentar os índices de aleitamento materno entre mães de recém-nascidos prematuros: um ensaio clínico randomizado controlado. Revista de la Sociedad Boliviana de Pediatría, 2013. v. 52, n.3, p. 1-11.

WHITTEMORE, R; KNAFL, K. The integrative review: updated methodology. Journal of Advanced Nursing, 2005. v. 52, n.5, p.546–53.

YAMASAKI, A. et al.. Musical preference correlates closely to professional roles and specialties in operating room: a multicenter cross-sectional cohort study with 672 participants. Surgery, 2016.v. 159, n. 5, p. 1260-1268.

YAMASHITA, F. C. et al.. Efetividade da fisioterapia associada à musicoterapia na doença de Parkinson. ConScientiae Saúde, 2012. v. 11, n. 4, p. 677-684.

YANG, H. et al.. A longitudinal study on children’s music training experience and academic development. Scientific Reports, 2014. v. 5854, n. 4, p.1-6.

ZANINI, C. R. O. et al. O efeito da musicoterapia na qualidade de vida e na pressão arterial do paciente hipertenso. Arquivo Brasileiro de Cardiologia, 2009. v. 93, n. 5, p. 534-540.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Conecte-se! Revista Interdisciplinar de Extensão