Acompanhamento fonoaudiológico da criança de risco – uma experiência de extensão universitária

Palavras-chave: Recém-nascido prematuro. Linguagem. Audição. Fonoaudiologia. Extensão.

Resumo

A Extensão Universitária mostra-se como atividade de grande importância para o fortalecimento da relação Universidade e Comunidade. No âmbito acadêmico, as ações de extensão universitária têm sido uma importante ferramenta para o aprendizado do discente, por meio de vivências da clínica fonoaudiológica, proporcionando a promoção à saúde e intervenção precoce. Neste contexto, cita-se o projeto de extensão “Ambulatório da Criança de Risco - ACRIAR”, o qual promove ao estudante aprendizado para atuação com crianças pré-termo, viabilizando a inserção precoce na atuação clínica. Destaca-se a influência que as atividades de extensão exercem sobre a formação do profissional uma vez que objetivam introduzir o estudante à prática clínica precocemente, garantindo assim um profissional mais capacitado. O objetivo deste trabalho é relatar a experiência de estudantes do Curso de fonoaudiologia da UFMG quanto à participação no projeto de extensão “ACRIAR” e a relevância para formação profissional.  A coleta dos dados deste estudo ocorreu no período de novembro de 2017 a  junho de 2018, nos atendimentos às crianças no ACRIAR. Neste projeto, são atendidos recém-nascidos pré-termo, com baixo peso e/ou idade gestacional inferior a 34 semanas, cujo acompanhamento ocorre até os sete anos de idade por uma equipe multiprofissional. Durante o período de novembro de 2017 a dezembro de 2018, foram recebidas 357 crianças para o acompanhamento fonoaudiológico. No primeiro atendimento da Fonoaudiologia é realizada anamnese; avaliação do desenvolvimento da linguagem; acompanhamento e avaliação auditiva; orientações aos cuidadores sobre o desenvolvimento da linguagem e audição da criança; realização de encaminhamentos e agendamento para nova consulta. No retorno, as crianças são reavaliadas e são realizados novos encaminhamentos de acordo com as demandas. A experiência no projeto de extensão ACRIAR proporcionou melhor percepção sobre a importância do acompanhamento fonoaudiológico em crianças de risco, que possibilita detecção e intervenção precoce em possíveis distúrbios fonoaudiológicos, principalmente nos relacionados ao desenvolvimento da linguagem.

Biografia do Autor

Danielle Diniz de Paula, Universidade Federal de Minas Gerais

Curso de Fonoaudiologia, Faculdade de Medicina, Universidade Federal de Minas Gerais – UFMG – Belo Horizonte (MG), Brasil.

Andrezza Gonzalez Escarce, Universidade Federal de Minas Gerais

Departamento de Fonoaudiologia, Faculdade de Medicina, Universidade Federal de Minas Gerais – UFMG – Belo Horizonte (MG), Brasil.

Maisa Alves Teixeira, Universidade Federal de Minas Gerais

Curso de Fonoaudiologia, Faculdade de Medicina, Universidade Federal de Minas Gerais – UFMG – Belo Horizonte (MG), Brasil.

Micaela Geane Santos Lima, Universidade Federal de Minas Gerais

Curso de Fonoaudiologia, Faculdade de Medicina, Universidade Federal de Minas Gerais – UFMG – Belo Horizonte (MG), Brasil.

Nathália Stefanny Oliveira Gomes, Universidade Federal de Minas Gerais

Curso de Fonoaudiologia, Faculdade de Medicina, Universidade Federal de Minas Gerais – UFMG – Belo Horizonte (MG), Brasil.

Stela Maris Aguiar Lemos, Universidade Federal de Minas Gerais

Departamento de Fonoaudiologia, Faculdade de Medicina, Universidade Federal de Minas Gerais – UFMG – Belo Horizonte (MG), Brasil.

Referências

ACRIAR. Projeto Acriar Ambulatório da Criança de Risco. Disponível em: <https://www.medicina.ufmg.br/acriar/index.php>. Acesso em: 30 nov. 2018.

BASSETTO, Mônica C. A.; CHIARI, Brasília M.; AZEVEDO, Marisa F. Emissões otoacústicas evocadas transientes (EOAET): amplitude da resposta em recém-nascidos a termo e pré-termo. Rev. Bras. Otorrinolaringol., São Paulo, v. 69, n. 1, p. 84-92, jan. 2003. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-72992003000100014&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 13 jun. 2018.

BISCARDE, Daniela Gomes dos Santos; PEREIRA-SANTOS, Marcos; SILVA, Lília Bittencourt. Formação em saúde, extensão universitária e Sistema Único de Saúde (SUS): conexões necessárias entre conhecimento e intervenção centradas na realidade e repercussões no processo formativo. Interface (Botucatu), Botucatu, v. 18, n. 48, p. 177-186, 2014. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-32832014000100177&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 22 fev. 2019.

CALADO, Diane Fernanda Bernal; SOUZA, Rosana de. Intervenção fonoaudiológica em recém-nascido pré-termo: estimulação oromotora e sucção não nutritiva. Rev. CEFAC, São Paulo, v. 14, n. 1, p. 176-181, Fev. 2012. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-18462012000100021&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 22 fev. 2019. Epub 25 fev. 2011.

CHIARI, BM. et al. Proposta de sistematização de dados da avaliação fonoaudiológica através da observação de comportamentos de criança de 0 a 6 anos. Pró-fono. v. 3, n. 2, p. 29-36, 1991.

CORREA, Camila de Castro; ARAKAWA, Aline Megumi; MAXIMINO, Luciana Paula. Clínica-escola de fonoaudiologia: manejo da lista de espera. Rev. CEFAC, São Paulo, v. 18, n. 5, p. 1222-1229, out. 2016. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-18462016000501222&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 12 jun. 2019. http://dx.doi.org/10.1590/1982-0216201618518215.

DO NASCIMENTO, Cintia Ribeiro. Instrumentos de avaliação de linguagem para bebês entre 0 a 12 meses e Avaliação de Linguagem em bebês no terceiro bimestre de vida: comparação entre dois instrumentos de avaliação. 2012. Fonoaudiologia. Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2012.

DUARTE, Cibelle de Mesquita. Audição e linguagem em crianças com fenilcetonúria. 2009. Fonoaudiologia. Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2009.

FERREIRA-VASQUES, Amanda Tragueta; LAMONICA, Dionísia Aparecida Cusin. Instrumentalized evaluation for diagnosis of developmental disorders in childhood: a new Brazilian reality. CoDAS, São Paulo, v. 30, n. 6, e20180056, 2018. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2317-17822018000600502&lng=en&nrm=iso>. Epub 08 nov 2018. Acesso em: 22 fev. 2019.

GAMA, Ana Cristina Côrtes; COUTO, Érica Araujo Brandão; REIS, Vanessa de Oliveira Martins. “Fonoaudiologia UFMG - 15 anos”. Prograd/UFMG (PIQEG-28). V.1, 2014. E-book. Disponível em: <https://www.medicina.ufmg.br/cegrad_antigo/fon/ebook.php>. Acesso em: 23 fev. 2019.

GIRARDI, Ana Lúcia F. Nobile. Intervenção precoce e a clínica fonoaudiológica. Estilos da Clínica, São Paulo, v. 15, n. 1, p. 144-163, 2010. Disponível em: <http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-71282010000100010&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em: 18 jan. 2019.

GORDO, Angela et al. Triagem auditiva em bebês de 2 a 12 meses/ Audiological screening in infants from 2 to 12 months. Pró Fono. v. 6, n. 1, p. 7-13, 1994.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. DATA SUS. Caderno de Informações em Saúde do estado de Minas Gerais, versão fevereiro de 2009. Disponível em: < www.datasus.gov.br>. Acesso em: 24 fev. 2019.

MIRANDA, Gabriella Morais Duarte et al . Assistência fonoaudiológica no SUS: a ampliação do acesso e o desafio de superação das desigualdades. Rev. CEFAC, São Paulo, v. 17, n. 1, p. 71-79, fev. 2015. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-18462015000100071&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 18 jan. 2019.

NASCIMENTO, Fernanda Mara do; RODRIGUES, Marina Brandão; PINHEIRO, Ângela Maria Vieira. Programa de orientação: como estimular a linguagem das crianças nascidas pré-termo. Psicol. teor. prat., São Paulo, v. 15, n. 2, p. 155-165, ago. 2013. Disponível em: <http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-36872013000200012&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em: 05 mar. 2019.

NASCIMENTO, Camila Lima, NAKAMURA, Helenice Yemi. Fonoaudiologia no Sistema Único de Saúde do Estado de São Paulo. Revista Distúrbios da Comunicação, São Paulo, v. 30, n. 1, p. 179-185, 2018. Disponível em: <https://revistas.pucsp.br/index.php/dic/article/view/32746>. Acesso em: 23 fev. 2019.

RODRIGUES, Andréia Lilian Lima et al. Contribuições da extensão universitária na sociedade. Cadernos de Graduação - Ciências Humanas e Sociais, Aracaju, v. 1, n.16, p. 141-148, 2013. Disponível em: <https://periodicos.set.edu.br/index.php/cadernohumanas/article/viewFile/494/254> Acesso em: 03 dez. 2018.

RUGOLO, Ligia Maria Suppo de Souza. Crescimento e desenvolvimento a longo prazo do prematuro extremo. J. Pediatria (Rio J.), Porto Alegre, v. 81, n. 1, supl. 1, p. S101-S110, 2005. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0021-75572005000200013&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 15 jan. 2019.

SANTOS, Juliana Nunes et al. Inserção dos fonoaudiólogos no SUS/MG e sua distribuição no território do estado de Minas Gerais. Rev. CEFAC, São Paulo, v. 14, n. 2, p. 196-205, Abr. 2012. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-18462012000200002&lng=en&nrm=iso>. Epub 12 ago, 2011. Acesso em: 23 fev. 2019.

SIANO, Helena Cristina; FROTA, Silvana. Emissões otoacústicas evocadas transientes em recém-nascidos a termo e pré-termo. Rev. CEFAC. 2014 Jul-Ago; 16(4):1088-1096. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-18462014000401088>. Acesso em: 25 set. 2019.

SILVA, Maria Emília Macedo Lopes; BRASIL, Christina Cesar Praça; REGIS, Aretuza Carla da Fonseca. Desafio do Núcleo de Atenção Médica Integrada diante da necessidade de inserção de fonoaudiólogo na Rede Municipal de Saúde de Fortaleza. Saúde soc., São Paulo, v. 19, n. 4, p. 838-851, Dez. 2010. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-12902010000400011&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 23 fev. 2019.

SILVA, Valéria Poliana. Ensino, pesquisa e extensão: Uma análise das atividades desenvolvidas no GPAM e suas contribuições para a formação acadêmica. Vitória, 2011. Disponível em: <https://docplayer.com.br/74229431-Ensino-pesquisa-e-extensao-uma-analise-das-atividades-desenvolvidas-no-gpam-e-suas-contribuicoes-para-a-formacao-academica.html>. Acesso em: 23 fev. 2019

SOUSA, Maria de Fátima Silva de et al. Evolução da oferta de fonoaudiólogos no SUS e na atenção primária à saúde, no Brasil. Rev. CEFAC, São Paulo, v. 19, n. 2, p. 213-220, mar. 2017. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-18462017000200213&lng=en&nrm=iso>. Acesso em 22 fev. 2019.

WEISS, Maeby Caseker; FUJINAGA, Cristina Ide. Prevalência de nascimentos baixo peso e prematuro na cidade de Irati-PR: implicações para a fonoaudiologia. Revista Salus-Guarapuava, Paraná, v.1, n.2, p. 123-127, 2007. Disponível em: <https://revistas.unicentro.br/index.php/salus/article/view/686/793>. Acesso em: 30 nov. 2018.

Publicado
19-06-2020