As adversidades na infância, a Teoria de Bronfenbrenner e a disciplina de Práticas na Comunidade II: um relato de experiência em que teoria e prática se completam

  • Alexandre Apolinário de Souza Batista PUC Minas
  • Eduardo Expedito Valeriano Batista PUC Minas
  • Antônio Benedito Lombardi PUC Minas
Palavras-chave: Desenvolvimento humano. Experiências Adversas na Infância. Teoria bioecológica

Resumo

O Curso de Medicina da PUC Minas em Betim oferece a disciplina de Práticas na Comunidade II proporcionando aos acadêmicos iniciar sua formação em Pediatria no contexto de Atenção Primária. Constatou-se que muitos casos clínicos atendidos são complexos do ponto de vista biopsicossocial, o que estimulou questionamentos sobre os impactos das Experiências Adversas na Infância (EAI) e como se processam as influências contextuais das EAI sobre o desenvolvimento da criança. Com o objetivo de contribuir para uma melhor compreensão clínica e evolutiva de um caso atendido na UBS, revisitou-se um dos casos de uma criança de 4 meses de idade e se fez concomitantente uma revisão dos conceitos estruturantes das EAI e da Teoria Bioecológica de Bronfenbrenner, correlacionando ambas ao caso em discussão. Observou-se que a criança foi exposta desde a gestação a múltiplas EAI significativas, identificadas em vários níveis / camadas do sistema ecológico, o que deu uma maior visibilidade, facilitando a compreensão do caso, o planejamento das intervenções e estimativa do prognóstico, o qual é preocupante. Considerações Finais: a natureza diversificada das EAI encontradas na avaliação da criança e as múltiplas consequências possíveis, algumas delas já presentes, exigem uma abordagem interdisciplinar e interssetorial a curto, médio e longo prazo.

Biografia do Autor

Alexandre Apolinário de Souza Batista, PUC Minas

Graduando do Curso de Medicina, PUC Minas, Campus Betim, MG. 

Eduardo Expedito Valeriano Batista, PUC Minas

Graduando do Curso de Medicina, PUC Minas, Campus Betim, MG. 

Antônio Benedito Lombardi, PUC Minas

Doutor; Professor do Curso de Medicina, PUC Minas Campus Betim, MG; Orientador da PC II. 

Referências

ALBERTA FAMILY WELLNESS INITIATIVE - AFWI. Adverse Childhood Experiences-ACEs. Disponível em: https://www.albertafamilywellness.org/what-we-know/aces. Acesso em: 7 jun. 2019.

ALLEN, Matilda; DONKIN, Angela. The impact of adverse experiences in the home on the health of children and young people, and inequalities in prevalence and effects. Institute of Health Equality, 2015. Disponível em: http://www.instituteofhealthequity.org/resources-reports/the-impact-of-adverse-experiences-in-the-home-on-children-and-young-people/impact-of-adverse-experiences-in-the-home.pdf. Acesso em: 7 jun. 2019.

BEE, Helen. A criança em desenvolvimento. 9. ed. Porto Alegre: Artmed, 2003.

BENETTI, Idonézia Collodel; VIEIRA, Mauro Luis; CREPALDI, Maria Aparecida; SCHNEIDER, Daniela Ribeiro. Fundamentos da teoria bioecológica de Urie Bronfenbrenner. Pensando Psicologia, v. 9, n. 16, 2013.

BRONFENBRENNER, Urie. A ecologia do desenvolvimento humano: experimentos naturais e planejados. Porto Alegre: Artes Médicas, 2002. 267 p.

CENTERS FOR DISEASE CONTROL E PREVENTION (CDC). Violence prevention. Adverse Childhood Experiences (ACEs). About the CDC-Kaiser ACE Study. Disponível em: https://www.cdc.gov/violenceprevention/childabuseandneglect/acestudy/about.html. Acesso em: 17 mar. 2019.

CENTERS FOR DISEASE CONTROL AND PREVENTION. Adverse Childhood Experiences Presentation Graphics. Disponível em: https://www.cdc.gov/violenceprevention/childabuseandneglect/acestudy/ace-graphics.html. Acesso em: 10 jun. 2019.

CENTER ON THE DEVELOPMENT CHILD AT HARVARD UNIVERSITY. ACEs and toxic stress: frequently asked questions. Disponível em: https://developingchild.harvard.edu/resources/aces-and-toxic-stress-frequently-asked-questions/. Acesso em: 7 jun. 2019.

FELITTI, Vicent; ANDA, Robert; NORDENBERG, Dale; WILLIAMSON, David et al. Relationship of childhood abuse and household dysfunction to many of the leading causes of death in adults: the Adverse Childhood Experiences (ACE) study. American Journal of Preventive Medicine, v. 14, n. 4, p. 245-258, 1998.

LOMBARDI, Antônio Benedito. A síndrome da exclusão social: as origens, os fatores de risco, os múltiplos sintomas biopsicossociais ao longo dos períodos do ciclo de vida e os fatores perpetuadores. 2009. 339 f. Tese (Doutorado em Saúde da Criança e do Adolescente). Faculdade de Medicina, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2009.

PAPALIA, Diane; FELDMAN, Ruth Duskin. Desenvolvimento humano. 12. ed. Porto Alegre: AMGH, 2013.

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS (PUCMG). Práticas na comunidade II: infância e adolescência. Colegiado de Coordenação Didática e Coordenação de Estágio. Betim: PUC Minas, 2018a.

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS (PUCMG). Introdução ao raciocínio clínico e epidemiológico II: infância e adolescência. Colegiado de Coordenação Didática e Coordenação de Estágio. Betim: PUC Minas, 2018b.

SHONKOFF, Jack P.; GARNER, Andrew S. The lifelong effects of early childhood adversity and toxic stress. Pediatrics. v. 129, n. 1, p. 232-246, 2012.

Publicado
02-12-2019