Trabalhando a religião por meio da reflexão: ações extensionistas do curso de filosofia na APAC de Santa Luzia

  • Lucas Roberto Paiva PUC Minas
  • Márcio Antônio de Paiva PUC Minas
Palavras-chave: Doutrina. Reinserção. Recuperando. Sociedade

Resumo

A Associação de Proteção e Assistência ao Condenado (APAC) surge como método inovador diante da crise do sistema penitenciário comum, nela o recuperando (preso do sistema convencional) encontra-se a viver em uma rotina, que posteriormente irá ajudá-lo a se reinserir na sociedade, e em seu tempo livre é liberado para fazer diversas atividades que contribuirão para sua formação como ser humano. O sucesso das APAC pode ser viabilizado segundo dados do conselho nacional de justiça (CNJ), que demonstra que apenas 15% das pessoas que passam pelo sistema se tornam reincidentes. Uma das atividades que é realizada na APAC, e auxilia profundamente na transformação do recuperando é a religião, ela proporciona um momento de fé viva, um reencontro do homem com sua dignidade, o conhecimento da verdade que o liberta, e que a partir disso faz com que ele queira reconstruir o seu eu e a sua vida social. Tendo em vista as grandes mudanças que o método APAC proporciona para a sociedade, iremos investigar o que é o método APAC, como se dá o encontro do homem com a religião dentro do sistema, como a fé propicia ao recuperando retomar sua dignidade e se reinserir socialmente, e um breve relato de alguns recuperando que demonstram como a religião e a reflexão o auxilia em uma forma de viver e ver a vida melhor.

Biografia do Autor

Lucas Roberto Paiva, PUC Minas

Graduando em filosofia pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, núcleo Coração Eucarístico. 

Márcio Antônio de Paiva, PUC Minas

Orientador do projeto de extensão de filosofia na APAC de Santa Luzia. Possui graduação em Filosofia pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (1992), graduação em Teologia - Seminário Maior são José - Mariana (1989), mestrado em Filosofia - Pontificia Università Gregoriana (1996) e doutorado em Filosofia pela Pontificia Università Gregoriana (1998). Professor adjunto IV da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Os projetos mais relevantes de ensino e pesquisa versam sobre: metafísica, ética, religião, alteridade. Atualmente é coordenador do Curso de Filosofia da PUC Minas e Chefe do mesmo departamento. 

Referências

ADREOLLA, Ana Paula. “Brasil caminha para se tornar refém do sistema prisional” diz Jungman. G1.globo.com, 2018. Disponível em: https://g1.globo.com/politica/noticia/2018/07/20/brasil-caminha-para-se-tornar-refem-do-sistema-prisional-diz-jungmann.ghtml. Acesso em: 13 out. 2018.

CAMARGO, Maria Soares. Terapia Penal e Sociedade. Campinas: Papirus, 1984.

CARAMANTE, André e SANIELE, Bruna. Prisões de São Paulo têm 50% mais detentos do que vagas. Folha de São Paulo, 2008. Disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/folha/cotidiano/ult95u455400.shtml. Acesso em: 13 de Out. 2018.

CARDOSO, Ruth. A Aventura Antropológica: Teoria e Pesquisa. 3. ed. São Paulo: Paz e Terra, 1997.

JEZINE, Edineide. As Práticas Curriculares e a Extensão Universitária. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA, 2. Anais do... Belo Horizonte. Disponível em: Acesso em: 20 de agosto de 2018.

NATUREZA Humana: Será que o Homem já Nasce Pronto? Disponível em: http://www.geocities.com/jaimex54/Natureza.html. Acesso em: 31 de Jul. 2018.

OLIVEIRA, Marigo Cardoso de. A religião nos presídios. Série estudos penitenciários.

São Paulo: Cortez e Morais, 1978.

OTTOBONI, Mário. Vamos Matar o Criminoso? Método APAC. São Paulo: Paulinas, 2001.

Publicado
03-12-2019