A importância do Projeto PUC Mais Idade na qualidade de vida de idosos participantes

  • Carlos Moreira Hübner Cançado Santana Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC Minas)
  • Dayane Jhenifer Ribeiro Silva Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC Minas)
  • Maria Clara Botelho Vieira Amorim Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC Minas)
  • Agatha Christine Ferreira da Cruz Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC Minas)
  • Mariana Pereira de Souza Carmo Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC Minas)
  • Nayara Gonçalves Martins Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC Minas)
  • Sabrina Oliveira Viana Balbi PUC MINAS BETIM
Palavras-chave: Autonomia, Envelhecimento, População Idosa, Independência

Resumo

Tendo em vista os benefícios e impactos dos projetos voltados para os idosos, este estudo objetiva  relatar a importância do Projeto PUC Mais Idade – UNAI Betim, na retomada e manutenção da autonomia dos participantes e explorar sua contribuição na ressignificação da vida dos mesmos, sob a perspectiva dos extensionistas, na condução das oficinas realizadas de agosto a novembro de 2019. Esse projeto é produto da experiência compartilhada entre extensionistas dos cursos de Fisioterapia, Medicina, Psicologia e Biomedicina da PUC Minas em Betim. As oficinas são realizadas por meio de metodologias ativas e constituem espaços para a construção do conhecimento de forma coletiva, sendo fundamental na promoção do raciocínio crítico e analítico. Além de trabalhar educação em saúde através de um modelo dialógico, o projeto PUC Mais Idade constitui um espaço de troca de experiências, construção de novas formas de ser e ressignificação de experiências anteriores, pois entendemos que a saúde ultrapassa os aspectos  físicos. Dentre seus resultados estão a promoção de saúde e bem estar para 50 participantes ativos e outros que já passaram pelo projeto, através de oficinas com temáticas variadas e atividades culturais que promovem a interação social e desenvolvimento de uma aprendizagem significativa, que considera as pessoas e sua história no processo de construção. Considerando as atividades e estímulos promovidos nesse projeto, pode se concluir, que ele proporciona um ambiente agradável e propício para criação e manutenção da autonomia dos idosos,  impactando positivamente em sua qualidade de vida.

Biografia do Autor

Carlos Moreira Hübner Cançado Santana, Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC Minas)

Psicólogo graduado pela PUC Minas, Campus Betim.

Dayane Jhenifer Ribeiro Silva , Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC Minas)

Discente do Curso de Fisioterapia, PUC Minas, Campus Betim.

Maria Clara Botelho Vieira Amorim , Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC Minas)

Discente do Curso de Fisioterapia, PUC Minas, Campus Betim.

Agatha Christine Ferreira da Cruz , Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC Minas)

Discente do Curso de Fisioterapia, PUC Minas, Campus Betim.

Mariana Pereira de Souza Carmo , Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC Minas)

Discente do Curso de Biomedicina, PUC Minas, Campus Betim.

Nayara Gonçalves Martins , Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC Minas)

Discente do Curso de Medicina, PUC Minas, Campus Betim.

Referências

BEZERRA, P. V.; BALDIN, T.; JUSTO, J. S.. Oficinas de Psicologia com idosos e as possibilidades de ressignificações do presente e futuro. Revista Kairós Gerontologia, São Paulo: v.18, n.3, p. 433-455, jul /set 2015.

CAMBOIM, Francisca Elidivânia de Farias et al.. Benefícios da atividade física na terceira idade para a qualidade de vida. Rev enferm UFPE, Recife, v. 11, n. 6, p. 2415-2422, jun 2017.

CARVALHO, Rosane Marques. O processo de envelhecimento na visão dos idosos participantes dos grupos de convivência de Volta Redonda: Subsídios para confecção de cartilha informativa. 2010. Dissertação (Mestrado - UniFOA) - Programa de Mestrado Profissional em Ensino de Ciências da Saúde e do Meio Ambiente, [S. l.], 2010.

CATÃO, Maria de Fátima Fernandes Martins; GRISI, Alice Fernanda Martins. Projeto de vida e trabalho como questão de exclusão / inclusão do idoso. Estud. psicol., Campinas, v. 31, n. 2, p. 215-223, jun 2014.

CIPOLLA, Luiz Eduardo. Aprendizagem baseada em projetos: A educação diferenciada para o século XXI. Administração: Ensino e Pesquisa. Rio de Janeiro, v. 17, n. 3, p. 567-585, set-dez 2016.

FERREIRA, Heloísa Gonçalves; BARHAM, Elizabeth Joan. O envolvimento de idosos em atividades prazerosas: revisão da literatura sobre instrumentos de aferição. Rev. bras. geriatr. gerontol., Rio de Janeiro , v. 14, n. 3, p. 579-590, 2011.

FERREIRA, Olívia Galvão Lucena et al.. Envelhecimento ativo e sua relação com a independência funcional. Texto Contexto Enferm, Florianópolis, v.21, n.3, p.513-518, Jul/Set, 2012.

JANINI, Janaina Pinto; BESSLER, Danielle; VARGAS, Alessandra Barreto de. Educação em saúde e promoção da saúde: impacto na qualidade de vida do idoso. Saúde Debate, Rio de Janeiro, v. 39, n. 105, p.480-490, Abr/jun 2015.

LEITE, R. et al.. A situação social do idoso no Brasil: uma breve consideração. Acta Paul Enferm., São Paulo, v. 18, ed. 4, 23 fev. 2005.

LIMA, Monica; TEIXEIRA, José A. Carvalho; SEQUEIRA, Arménio B. O projecto de vida no idoso: Idosos em Centro de Dia e na Universidade Internacional para a Terceira Idade. Análise Psicológica, XIV (2/3), p. 387-394, 1996

LOPES, M. S. V.; SARAIVA, K. R. O.; XIMENES, L. B. Análise do conceito de promoção da saúde. Texto Contexto Enferm., Florianópolis, v. 19, n. 3, p. 461-478 jul./set. 2010.

MAIA, Paula Chistiane Gomes Gouveia Santo et al.. Qualidade de vida de idosos participantes de um grupo de convivência no município de São Mede – PB. Revista Brasileira de educação e saúde, v.6, n.2, p.01-07, abr/jun, 2016.

MALLMANN, Danielli Gavião et al.. Educação em saúde como principal alternativa para promover a saúde do idoso. Ciência & Saúde Coletiva, v. 20, n.6, p.1763-1772, 2015.

ROMAN, Cassiela et al.. Metodologias ativas de ensino-aprendizagem no processo de ensino em saúde no Brasil: uma revisão narrativa. Clin Biomed Res.. Rio Grande do Sul, v. 37, n. 4, p. 349-357, 2017.

RUMOR, P.C.F. et al.. A promoção da saúde nas práticas educativas da saúde da família. Cogitare enferm, v.15, n.4, p. 674-680, 2010.

SARAIVA, Charlista Schinaider et al.. A importância do "fazer artesanato" para o envelhecimento ativo. Congresso Internacional Envelhecimento Humano, [2017].

SCHOFFEN, Lilia Lopes; SANTOS, Walquíria Lene dos. A importância dos grupos de convivência para os idosos como instrumento para manutenção da saúde. Rev. Cient Sena Aires, v.7, n.3, p.160-170, 2018.

WICHMANN, Francisca Maria Assmann et al.. Grupos de convivência como suporte ao idoso na melhoria da saúde. Rev. Bras. Geriatr. Gerontol., Rio de Janeiro, v.16, n.4, p.821-832, 2013.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. Envelhecimento ativo: uma política de saúde. Tradução de Suzana Gontijo. Brasília: Organização Pan-Americana de Saúde, 2005

Publicado
19-06-2020