Chamada de Artigos: Edição Especial - “70 anos das operações de paz das Nações Unidas: balanços e perspectivas”

 

Edição Especial - “70 anos das operações de paz das Nações Unidas: balanços e perspectivas”

Organizadores:

Geraldine Marcelle Moreira Braga Rosas Duarte (PUC Minas)

Ricardo Oliveira dos Santos (PUC-Rio)

Prazo para submissão dos artigos: 10 de dezembro de 2018.

Desde o desdobramento da primeira operação de paz sob a égide das Nações Unidas, em 1948, as atividades autorizadas para a gestão e resolução de conflitos deste instrumento multilateral sofreram um progressivo alargamento. Incluindo elementos para além do componente militar, tais como tarefas civis e policiais, as operações de paz onusianas, de igual modo, se defrontam com uma série de desafios contemporâneos, tais como: a proteção de civis, os limites para o uso da força, as capacidades dos Estados membros e suas performances no terreno, e, não exaustivamente, a questão de gênero – em suas diversas dimensões. De modo a responder efetivamente aos conflitos armados, as Nações Unidas atravessam desde o início da década de 1990 um processo normativo e institucional de reforma que se estende até os dias de hoje. Inserido num amplo debate sobre os balanços e perspectivas das operações de paz, a Conjuntura Internacional organiza uma edição especial no ano em que tais operações completam 70 anos de existência para oferecer uma reflexão acerca das seguintes questões:

1) As contribuições das operações de paz para a resolução de conflitos;

2) O desenvolvimento normativo e institucional a partir da década de 1990 e suas perspectivas futuras;

3) Os dilemas e desafios para a proteção de civis em contextos cada vez mais instáveis e com riscos cada vez maiores para os mantenedores da paz (como o terrorismo, agentes privados de segurança e demais elementos hostis no terreno);

4) As implicações acerca da progressiva autorização do uso da força nas operações de paz;

5) Discussões sobre as capacidades e performances dos Estados membros;

6) Os desafios de gênero: a baixa inclusão de mulheres nos processos formais de paz e reconstrução, nas forças armadas dos Estados membros das Nações Unidas, os casos de abuso e exploração sexual.

7) As dificuldades de articulação entre as Nações Unidas, as organizações regionais e as organizações não-governamentais (ONGs) para a promoção da paz.

8) A contribuição brasileira, do ponto de vista estratégico, operacional e tático para as operações de paz das Nações Unidas.

Outras temáticas, desde que sejam concernentes ao eixo central proposto, serão avaliadas pela equipe editorial.