Os outros na descolonização Africana: uma análise da relação BRICS-África

  • Pedro Andrade PUC-Minas
Palavras-chave: África, BRICS, Descolonização

Resumo

Este trabalho analisa a presença ou a participação de cada um dos países que formariam BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul) em 2001 no processo da descolonização africana (1950-1975). Com o objetivo de indicar que uma melhor compreensão da atual relação BRICS-África demanda uma acurada análise da participação desses países no período de lutas de independência africana. A referida participação ilustra a retórica e os ditames da Guerra Fria, onde interesses nacionais primaram sobre uma suposta solidariedade com os povos do Terceiro Mundo. Como conclusão, o trabalho aponta para o fato de que a tentativa da internacionalização das revoluções (socialista e comunista) se mostrou fracassada, resultado em parte da não compreensão da complexidade africana. E atualmente, a crítica endereçada ao comportamento imperialista e mercantilista dos BRICS no continente parece esbarrar também na mesma incompreensão.

Biografia do Autor

Pedro Andrade, PUC-Minas

Aluno do Programa de Doutorado em Relações Internacionais da PUC Minas.

Referências

ANSHAN, Li. China’s New Policy toward Africa. In: ROTBERG, Robert I. China into Africa: Trade, Aid, and Influence. Massachusetts: World Peace of Foundation, 2008. p. 21-49.

BABB, S. The Washington Consensus as transnational policy paradigm: Its origins, trajectory and likely successor. Review of International Political Economy [S.I.], v. 20, n. 2, 2012, p. 268-297.

BERBOETS, Jeremy. The Soviet Union in Angola Soviet and African Perspectives on the Failed Socialist Transformation. School of Russian and Asian Studies, 2011. Disponível em: <http://www.sras.org/the_soviet_union_in_angola>. Acesso em: 20 Mai. 2014.

BETTS, Raymond F. Decolonization. New York: Taylor & Francis e-Library, 2004.

BHATTACHARYA, Sanjukta Banerji. Engaging Africa: India’s interests in the African continent, past and present. In: CHERU, Fantu; OBI, Cyril. The Rise of China and India in Africa: Challenges, opportunities and critical interventions. Suécia: Uppsala, 2010. p. 63-77.

BRAUTIGAM, Deborah. Chinese Aid and African Development: Exporting Green Revolution. New York: Palgrave Macmillan, 1988.

BRAUTIGAN, Deborah. The Dragon`s Gift: The real story of China in Africa. New York: Oxford University Press. 2009.

CABRAL, Amílcar. Análise de alguns tipos de resistência. Lisboa: Seara Nova, 1975. p. 15.

CABRAL, Amílcar. Destruir a economia do inimigo e construir a nossa própria economia. In: A prática revolucionária: unidade e luta, v. II. Praia: Órgão de informação da comissão nacional de Cabo Verde do PAIGC, 1965.

CABRAL, Amílcar. Teoria e Prática. In: Unidade e Luta, ano I, n°1. Praia: Órgão de informação da comissão nacional de Cabo Verde do PAIGC, 1976. p. 8.

CAPOCO, Zeferino. Nacionalismo e o Estado: um estudo sobre a história política de angola (1961-1991). 2013. 333 f. Tese (Doutorado) - Universidade Católica Portuguesa.

CARMODY, Pádraig. The Rise of the BRICS in Africa: The geopolitics of South-South relations. London: Zed Books, 20013.

CERVO, Amado Luiz; BUENO, Clodoaldo. História da política exterior do Brasil. 2. ed. Brasília: UnB, 2002.

CHACKO, P. Indian Foreign Policy: The politics of postcolonial identity from 1947 to 2004. London: Routledge, 2012.

DÁVILA, Jerry. Hotel Trópico: O Brasil e o desafio da descolonização africana, 1950-1980. São Paulo: Paz e Terra, 2011.

DAVIDSON, Basil. La liberazione dela Guinea: aspeti di una revoluzione africana, Torino: Einaudi, 1970.

DEVENISH, Ge. Cutting the apron strings: the South African experience of decolonisation. TD The Journal for Transdisciplinary Research in Southern Africa, 9(2) December 2013. p. 309-340.

DROZ, Bernard. La décolonisation. Paris: Documentation Française, 2008.

DUBEY, Ajay. Looking west 3: Africa In: SCOTT, David. (editor) Handbook of India’s International Relations, Londres: Routeledge, 2011. p. 189-200.

FILHO, Pio Penna; LESSA, Antônio Carlos Moraes. O Itamaraty e a África: as origens da política africana do Brasil. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, n° 39, janeiro-junho, 2007. p. 57-81.

HAIFANG, Liu. China’s development cooperation with Africa: historical and cultural perspectives. In: CHERU, Fantu; OBI, Cyril. The Rise of China and India in Africa: Challenges, opportunities and critical interventions. Suécia: Uppsala, 2010. p. 53-62.

KIMCHE, David. A África negra e o movimento de solidariedade dos povos afro-asiáticos. In: Afro-Ásia. - N.ºs 8 e 9 (1969). p. 93-117.

KI-ZERBO, Joseph. Para quando a África? : Entrevista com René Hollenstein. Rio de Janeiro: Pallas, 2006.

LARKIN, Bruce D. China and Africa 1949-1970: The foreign policy of the People`s Republic of China. London: Universitiy of California Press, Ltd., 1973.

MENDONÇA, Hélio Magalhães de. Política Externa da África do Sul (1945-1999). In: GUIMARÃES, Samuel Pinheiro. (org.) África do Sul: visões brasileiras. Brasília: Fundação Alexandre de Gusmão, 2000. p. 11-100.

MOORE, Carlos. A África que incomoda: sobre a problematização do legado africano no quotidiano brasileiro. Belo Horizonte: Nandyala, 2010, (coleção Repensando África, volume 3).

MULIRA, James; THIAM, Iba Der. África e os países socialistas. In: MAZRUI, Ali A; WONDJI, Christophe. (edit.) História Geral da África, VIII: África desde 1935. Brasília: UNESCO, 2010. Cap. 27.

MUNGER, Edwin S. Notes on the formation of South African foreign policy. Pasadena: Castle Press, 1965.

NETO, Agostinho. Relatório do Comité Central ao 1º Congresso do MPLA. Lisboa: Edições Avante, 1978.p. 38.

PEREIRA, Carlos Lopes. Socialismo ou neocolonialismo – As lutas de emancipação dos povos africanos e a actualidade do legado de Amílcar Cabral. Disponível em: <http://resistir.info/africa/c_lopes_pereira.html#asterisco>. Acesso em: 26 Mai. 2014.

PEREIRA, Daniel. Das Relações Históricas Cabo Verde/Brasil. Brasília: FUNAG, 2011.

POLO, Giambattista. Train de Vie. In: VILLEN, Patricia. A crítica de Amílcar Cabral ao colonialismo: Entre a harmonia e a contradição, 1. ed. São Paulo: Expressão Popular, 2013. p. 211-223.

PRAVDA. A luta pela libertação dos PALOP - apoio da URSS/Rússia. Disponível em: <http://port.pravda.ru/news/russa/29-06-2005/8176-0/?mode=print>.Acesso em: 13 Mai. 2014.

RODRIGUES, José Honório. Brasil e África: Outro Horizonte, 3.ª ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1982.

SARAIVA José Flavio Sombra: O lugar da África: a dimensão atlântica da política Externa Brasileira de 1946 a nossos dias. Brasília: editora UNB, 1996. (coleção relações internacionais).

SECCO, Lincoln. Prefácio. In: VILLEN, Patricia. A crítica de Amílcar Cabral ao colonialismo: Entre a harmonia e a contradição, 1. ed. São Paulo: Expressão Popular, 2013.

SILVA, Márcia Maro da. A independência de Angola. Brasília: FUNAG, 2007.

TALTON, Benjamin. The Challenge of Decolonization in Africa. Disponível em: <http://exhibitions.nypl.org/africanaage/essay-challenge-of-decolonization-africa.html. 2010. Acesso em: 20 de Mai. 2014.

TAYLOR, Ian. India’s rise in Africa. International Affairs, 88: 4, 2012. p. 779-798.

UNIDADE E LUTA. Movimentos dos Não Alinhados: De Budapeste a Colombo. Ano II, n° 12, 1978. p. 37-42.

VILLEN, Patricia. A crítica de Amílcar Cabral ao colonialismo: Entre a harmonia e a contradição, 1. ed. São Paulo: Expressão Popular, 2013.

Publicado
11-11-2014
Como Citar
Andrade, P. (2014). Os outros na descolonização Africana: uma análise da relação BRICS-África. Conjuntura Internacional, 11(3), 41-70. Recuperado de http://periodicos.pucminas.br/index.php/conjuntura/article/view/7732
Seção
ARTIGOS