Estudos do Jornalismo: reafirmação do status quo ou busca por arranjos alternativos?

  • Cláudia Nonato Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo
  • Olívia Bulla Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo

Resumo

O presente artigo pretende discutir as relações de trabalho do jornalista do ponto de vista da produção jornalística e apresentar influências das rotinas produtivas na construção de um fato, bem como viabilizar alternativas capazes o fazer Jornalismo. A partir do binômio Comunicação e Trabalho, que busca compreender redes de sentido em um mundo do trabalho em permanente mudança, a discussão mostra que a racionalidade dos processos produtivos modifica a condição do trabalhador. Como exemplo, serão apresentadas duas pesquisas: a primeira mostra a forma como os números são usados para sustentar um discurso na notícia, por considerar que as rotinas de trabalho e as práticas produtivas permitem, e até incentivam, ao jornalista usar esse recurso na interpretação dos fatos sociais; a segunda mostra que portais, blogs e ferramentas das redes sociais são hoje utilizados como ‘inovações na forma de produzir Jornalismo’, e discute como ‘arranjos econômicos’ podem viabilizar o trabalho do jornalista sendo encarados como possibilidade de mudanças nas rotinas produtivas e incorporados como alternativos ao trabalho jornalístico tradicional. Com isso, propõem-se mostrar a complexidade da discussão sobre o trabalho do jornalista, os desafios dos arranjos econômicos e a viabilidade de sustentação de tais iniciativas. Ao final, os resultados das duas pesquisas reafirmam a relevância dos estudos da comunicação no mundo do trabalho. 

Downloads

Não há dados estatísticos.
Publicado
02-02-2016
Seção
Tendências do jornalismo em países de língua portuguesa