O Lado Sombrio da Força: A Má Liderança e suas Consequências para os Indivíduos e as Organizações

  • Daniel Martins Abelha Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ)/Professor Universitário no Curso de Graduação em Administração Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo (FEA-USP)/Doutorando em Administração https://orcid.org/0000-0002-8591-2257
  • Flavia Souza Costa Neves Cavazotte Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio)/Professora Universitária dos cursos de Graduação e Pós-Graduação em Administração Virginia Commonwealth University (EUA)/Doutora em Administração http://orcid.org/0000-0002-5450-3573
  • Jeane Rodrigues Lucena Niemeyer Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio)/Professora Universitária dos cursos de Graduação e Pós-Graduação em Administração Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro/Doutora em Administração https://orcid.org/0000-0003-1464-7924
  • Otacílio Torres Villas Boas Universidade Federal da Bahia (UFBA)/Doutor em Administração http://orcid.org/0000-0002-6438-7748
Palavras-chave: Desempenho Organizacional. Liderança Destrutiva. Liderança Ética. Liderança Moral. Liderança Tóxica.

Resumo

As perspectivas teóricas no campo de estudos sobre a liderança têm se concentrado em discutir como líderes devem ser e agir para mobilizar realizações coletivas. No entanto, na prática, muitos indivíduos carecem desses atributos e, dadas suas limitações e vícios, alguns sequer deveriam estar em posições de liderança. A pesquisa sobre a origem, ascensão e impactos das lideranças tóxicas nas empresas é ainda incipiente, particularmente no Brasil. Contribuindo para a compreensão desse fenômeno, esta pesquisa investigou a má liderança no ambiente corporativo brasileiro, a partir das experiências vivenciadas por 35 profissionais de diferentes setores e áreas de atuação. Com base nesses relatos e na aplicação da análise de conteúdo, foram derivados seis tipos de maus lideres: incompetente, omisso, inconsistente, rígido, abusivo e desleal. O estudo analisou as principais consequências da má liderança para os liderados, as equipes e as organizações, bem como as estratégias de reação mais frequentemente adotadas. O artigo discute as implicações teóricas e práticas dessas observações, apresentando uma agenda para pesquisas futuras.

Biografia do Autor

Daniel Martins Abelha, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ)/Professor Universitário no Curso de Graduação em Administração Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo (FEA-USP)/Doutorando em Administração

- Bacharel em Administração de Empresas e Pública pela Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ)

- Mestre em Administração de Empresas pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio)

- Doutorando pela Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade da São Paulo (FEA-USP)

- Prof. Universitário pela UFRRJ nas Áreas de Gestão de Pessoas, Comportamento Organizacional e Marketing.

Flavia Souza Costa Neves Cavazotte, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio)/Professora Universitária dos cursos de Graduação e Pós-Graduação em Administração Virginia Commonwealth University (EUA)/Doutora em Administração

- Graduada em Psicologia (Universidade Santa Úrsula)

- Especialista em Administração de Recursos Humanos (FGV/Ebape)

- Mestre em Sociologia (Eastern Michigan University/EUA)

- Doutora em Administração (Virginia Commonwealth University/EUA)

- Prof. Universitária pela PUC-Rio nas Áreas de Gestão de Pessoas, Comportamento Organizacional e Liderança.

Jeane Rodrigues Lucena Niemeyer, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio)/Professora Universitária dos cursos de Graduação e Pós-Graduação em Administração Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro/Doutora em Administração

- Graduada em Psicologia (UFRJ)

- Especialista em Administração de Recursos Humanos (COPPEAD/UFRJ)

- Mestre em Administração de Empresas (PUC-Rio)

- Doutora em Administração de Empresas (PUC-Rio)

- Prof. Universitária nas Áreas de Gestão de Pessoas, Comportamento Organizacional e Liderança.

Otacílio Torres Villas Boas, Universidade Federal da Bahia (UFBA)/Doutor em Administração

- Graduado em Matemática (UFBA)

- Mestre em Administração (IBMEC)

- Doutor em Administração (UFBA)

Publicado
31-08-2020
Seção
Artigos