MICROCRÉDITO E TRABALHO NAS RUAS: desafios no contexto brasileiro

  • PATRÍCIA DANIELA SOUZA ANJOS PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS
  • MARINETTE SANTANA FRAGA Universidade Federal de Juiz de Fora - campus Governador Valadares
  • ARMINDO DOS SANTOS DE SOUSA TEODÓSIO Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais - MG
Palavras-chave: Informalidade; Microcrédito; Ambulantes; Camelôs; Empreendedorismo por necessidade.

Resumo

Este artigo objetiva diagnosticar o perfil dos usuários de microcréditos nas principais instituições financeiras do Brasil para verificar se trabalhadores de rua como camelôs e vendedores ambulantes são alcançados por esse programa de inclusão financeira.  Utilizou-se uma revisão bibliográfica sobre o trabalho informal e o microcrédito, com recorte em suas características condicionais e a focalização do público-alvo. Em sequência, procedeu-se à pesquisa secundária nos sites institucionais dos principais bancos públicos que disponibilizam serviços de microfinanças ou microcréditos. Os resultados mostraram a existência de poucas instituições de caráter público que oferecem microcréditos para trabalhadores de rua como ambulantes e camelôs informais ou formais. Além disso, há a hipótese de que grande parte desses trabalhadores desconhece o microcrédito. Para essa assertiva, recomendam-se pesquisas qualitativas de campo por meio de entrevistas a esse público.

Biografia do Autor

MARINETTE SANTANA FRAGA, Universidade Federal de Juiz de Fora - campus Governador Valadares

Professora da Faculdade de Administração e Ciências Contábeis da
Universidade Federal de Juiz de Fora - campus Governador Valadares.
Departamento de contabilidade.

ARMINDO DOS SANTOS DE SOUSA TEODÓSIO, Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais - MG

Doutor em Administração de Empresas pela Fundação Getúlio Vargas –
FGV/SP e professor do Programa de Pós-Graduação em Administração
da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais – PUC/MG.

Publicado
31-08-2020
Seção
Artigos