ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NA PREVENÇÃO DA INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO EM PACIENTES COM SONDA VESICAL DE DEMORA

  • Marcelo Flavio Batista da Silva AESA/ESSA
  • Jefferson da Silva Santana UPE
  • Caio Clayderman Ferreira de Lima e Silva AESA/ESSA
Palavras-chave: Cateterismo urinário, Cuidados de enfermagem, Educação continuada, Enfermeiro, Infecções urinárias, Prevenção de doenças.

Resumo

Tratou-se de uma revisão integrativa. Os riscos de infecção relacionados aos procedimentos diagnósticos e terapêuticos podem ser minimizados, uma vez que dependem diretamente da capacitação de recursos humanos. Verificar o conhecimento dos profissionais de saúde que manuseiam e realizam a instrumentação do trato urinário constitui-se etapa diagnóstica, fundamental para a instituição de programas operacionais que contribuam para a adesão às medidas recomendadas para o controle de infecção. A prevenção de complicações decorrentes da inserção de um cateter vesical, de um modo geral, está nas mãos da enfermagem e se inicia a partir da decisão pela cateterização, passando pela escolha do cateter, do material e numeração ideais, inserção habilidosa, garantia de uma fixação correta, evitando peso excessivo na bolsa de drenagem e prevenindo a retirada ou tração acidental do mesmo. Sugere-se a implementação de ações interinstitucionais e interdisciplinares como estratégias a serem formuladas, tornando-se facilitadoras na manutenção do treinamento e atividades da equipe.

ABSTRACT

It was an integrative review. The risks of infection related to diagnostic and therapeutic procedures can be minimized, since they depend directly on the training of human resources. To verify the knowledge of the health professionals who handle and perform the instrumentation of the urinary tract constitutes a diagnostic step, fundamental for the establishment of operational programs that contribute to the adherence to the recommended measures for infection control. The prevention of complications resulting from the insertion of a bladder catheter, in general, is in the hands of nursing and starts from the decision by catheterization, through the choice of catheter, ideal material and numbering, skilled insertion, fixation, avoiding excessive weight in the drainage bag and preventing accidental withdrawal or traction. It is suggested the implementation of interinstitutional and interdisciplinary actions as strategies to be formulated, becoming facilitators in the maintenance of the training and activities of the team.

Referências

Jesus JS, Coelho MF, Luz RA. Cuidados de enfermagem para prevenção de infecção do trato urinário em pacientes com cateterismo vesical de demora (CVD) no ambiente hospitalar. Arq Med Hosp Fac Cienc Med Santa Casa São Paulo [online] 2018; 63(2):96-9. https://doi.org/10.26432/1809-3019.2018.63.2.96

Oliveira ACC, Silva ACO. Prevalência de infecção do trato urinário relacionada ao cateter vesical de demora em pacientes de UTI. Rev Pesq Saúde, 11(1): 27-31, jan-abr, [online] 2010.

Vieira FA. Ações de enfermagem para prevenção de infecção do trato urinário relacionada ao cateter vesical de demora. Einstein [online] 2009; 7(3 Pt 1):372-5.

Oliveira ALD, Soares MM, Santos TCD, Santos A. Mecanismos de resistência bacteriana a antibióticos na infecção urinária. Revista UNINGÁ Vol.20, n.3,pp.65-71 [online] (Out - Dez 2014).

Jorge BM, Mazzo A, Mendes IAC, Trevizan MA, Martins JCA. Infeção do trato urinário relacionada com o uso do cateter: revisão integrativa. Revista de Enfermagem Referência - III - n.° 11 – [online] 2013. http://dx.doi.org/10.12707/RIII1271.

Mengueti MG, Martins MA, Canini SRMS, Basile-Filho A, Laus AM. Infecção urinária em unidade de terapia intensiva: um indicador de processo para prevenção. Rev Rene. [online] 2012; 13(3):632-8.

Cardoso SAC, Maia LFS. Cateterismo vesical de demora na UTI adulto: o papel do enfermeiro na prevenção de infecção do trato urinário. São Paulo: Revista Recien. [online] 2014; 4(12):5-14.

Silva JP, Brandão JOC, Medeiros CSQ. Intervenção de enfermagem na prevenção as infecções do trato urinário relacionado ao cateterismo vesical de demora: uma revisão integrativa da literatura. Ciências biológicas e da saúde | Recife | v. 1 | n.3 | p. 21-33 | Julho [online] 2014.

Souza MT, Silva MD, Carvalho R. Revisão integrativa: o que é e como fazer. Einstein. 2010; 8(1 Pt 1):102-6.

Araújo KL, Queiroz AC. Análise do perfil dos agentes causadores de infecção do trato urinário e dos pacientes portadores, atendidos no Hospital e Maternidade Metropolitano-SP. J Health Sci Inst. [online] 2012;30(1):7-12.

Ercole FE, Macieira TGR, Wenceslau LCC, Martins AR, Campos CC, Chianca TCM. Revisão integrativa: evidências na prática do cateterismo urinário intermitente/demora. Rev. Latino-Am. Enfermagem 21(1):[10 telas] jan.-fev. [online] 2013.

Mazzo A, Godoy S, Alves LM, Mendes IAC, Trevizan MA, Rangel EML. Cateterismo urinário: facilidades e dificuldades relacionadas à sua padronização. Texto Contexto Enferm, Florianópolis, [online] 2011 Abr-Jun; 20(2): 333-9.

Speranceta MRP, Oselame GB, Oliveira EC. Inconsistências na técnica de cateterismo vesical por acadêmicos de enfermagem. Rev Enferm UFPI. [online] 2016 Abr-Jun;5(2):22-27.

Teixeira SJ, Jesus FK, Silva MS, Merces MC, Silva DS, Alves MS, Rios MO, Santana AIC. O fazer da enfermeira quanto ao cateterismo vesical de demora no centro obstétrico. Rev. Aten. Saúde. [online] 2017;15(54):5-12. DOI: 10.13037/ras.vol15n54.4755.

Meska MHG, Mazzo A, Jorge BM, Souza-Junior VD, Negri EC, Chayamiti EMPC. Urinary retention: implications of low-fidelity simulation training on the self-confidence of nurses. Rev Esc Enferm USP. [online] 2016; 50(5):831-837. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0080-623420160000600017.

Silva JMP, Vasconcelos MMA, Dias CS, Vasconcelos MA, Mendonca ACQ, Froes B, Oliveira EA. Aspectos atuais no diagnóstico e abordagem da infecção do trato urinário. Rev Med Minas Gerais [online] 2014; 24 (Supl 2): S20-S30. DOI: 10.5935/2238-3182.20140035.

Mota LR, Fonseca MA, Lopes JR. Infecção do trato urinário relacionada à cateterismo vesical de demora. Cadernos de Ciência e Saúde/Faculdades Santo Agostinho. -Vol. 5, n.2, [online] 2015, 99-105.

Hinrichsen SC, Amorim MMR, Souza ASR, Costa A, Hinrichsen MGML, Hinrichsen SL. Perfil dos microrganismos isolados no trato urinário após sondagem vesical em cirurgia ginecológica. Rev. Bras. Saúde Matern. Infant., Recife, 9 (1): 77-84, jan. / mar., [online] 2009.

Conterno LO, Lobo JÁ, Masson W. Uso excessivo do cateter vesical em pacientes internados em enfermarias de hospital universitário. Rev Esc Enferm USP [online] 2011; 45(5):1089-96.

Magalhães SR, Melo EM, Lopes VP, Carvalho ZMF, Barbosa IV, Studart RMB. Evidências para a prevenção de infecção no cateterismo vesical: revisão integrativa. Rev enferm UFPE on line., Recife, 8(4):1057-63, abr., [online] 2014. DOI: 10.5205/reuol.5829-50065-1-ED-1.0804201434 ISSN: 1981-8963.

Nere CS, Silva NB, Silva NMS, Rodrigues TES, Pereira ES, Soares JL. A atuação da enfermagem no controle da infecção hospitalar: Revisão integrativa. ReonFacema. [online] 2017 Jul-Set; 3(3):630-635.

Publicado
30-08-2019
Seção
ARTIGOS/ARTICLES