PRINCIPAIS FATORES QUE DIFICULTAM A ADESÃO AO EXAME DE CITOLOGIA ONCÓTICA: UMA REVISÃO DE LITERATURA

  • Mônica Felix Onofre Faculdade Anhanguera de Indaiatuba
  • Roberta Domingues Vieira Faculdade Anhanguera de Indaiatuba
  • Giovanna Hass Bueno Faculdade Anhanguera de Indaiatuba
Palavras-chave: Neoplasias do colo do útero, Saúde da mulher, Teste de Papanicolau.

Resumo

O câncer do colo do útero é causado por alguns tipos especifico de HPV (Papiloma Vírus Humano), em determinados casos podem ocorrer alterações celulares que evoluem para um câncer, justamente na citologia oncótica essas alterações são descobertas prontamente. O objetivo desse artigo foi analisar os principais fatores que dificultam a adesão ao exame de citologia oncótica. Trata-se de uma revisão de literatura, através de um levantamento com base de dados eletrônicos como Biblioteca Virtual de Saúde - Bireme, entre 2008 a 2018, livros, revistas, dados publicados pelo Instituto Nacional do Câncer e Ministério da Saúde no idioma português. Os resultados obtidos destacam os fatores que atrapalham ou dificultam a realização dos exames preventivos. Dentre os principais fatores estão: medo, vergonha, cultura, baixa renda e baixa escolaridade, falta de vínculo com o profissional, falta de preparo do profissional, desconhecimento sobre patologia e o exame. O profissional de enfermagem necessita desenvolver a sensibilidade, a empatia e ter uma postura humanística perante os pacientes, assim é formado um vínculo de confiança e consequentemente a mulher se sentirá mais segura e orientada na hora de procurar uma forma de prevenção.

ABSTRACT

Cervical cancer is caused by some specific types of HPV (Human Papilloma Virus), in certain cases can occur cellular changes that develop to a cancer, just in the oncotic cytology these changes are discovered promptly. The objective of this monograph was to analyze the factors that disturb adherence to the oncotic cytology. This is a literature review, through a electronic database such as Virtual Health Library - Bireme, between 2008 and 2018, books, magazines, data published by the National Cancer Institute and Ministry of Health in the Portuguese language. The results obtained highlight the factors that hinder or make difficult the performance of preventive exams. Among the main factors are: fear, shame, culture, low income and low schooling, no link with the professional, no preparation of the professional, unfamiliarity about pathology and the exam.

Referências

INCA, Instituto Nacional do Câncer. Estimativa 2018: incidência de câncer no Brasil / Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva. Coordenação de Prevenção e Vigilância. – Rio de Janeiro: INCA, 2017. Disponível em <http://www1.inca.gov.br/inca/Arquivos/estimativa-2018.pdf/>. Acesso em: 08 out. 2018.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Controle dos cânceres do colo do útero e da mama. Brasília: MS, 2013.

SILVA, Silvio Eder Dias et al. Representações sociais de mulheres amazônicas sobre o exame papanicolau: implicações para a saúde da mulher. Esc. Anna Nery. Rev. Enferm, v. 12, n. 4, p. 685 – 692, dez. 2008.

COFEN. Conselho Federal de Enfermagem. Resolução do Conselho Federal de Enfermagem nº 38/11/2011. Disponível em: <http://www.cofen.gov.br/categoria/legislacao/resolucoes>. Acesso em: 10 set. 2018.

DINIZ, Aline Santos et al. Assistência à saúde da mulher na atenção primária: prevenção do câncer do colo do útero. Rev APS. 2013;16(3):333-7.

SEPULVEDA, Pablo et al. Câncer de cuello uterino; sobrevida a 3 y 5 años em Hospital San Jose. Rev Chil Obstet Ginecol 2008; 73(3): 151-4.

FONSECA, Luis Augusto Marcondes; Eluf-Neto, Jose; Filho, Wunsch Victor. Cancer mortality trends in Brazilian state capitals, 1980-2004. Rev Assoc Med Bras. 2010;56(3):309-12.

OLIVEIRA, Wágna Maria de Araújo et al. Adesão de mulheres de 18 a 50 anos ao exame colpocitológico na estratégia saúde da família. Rev. Enf. Ref., Coimbra, v. serIII, n. 7, p. 15-22, jul. 2012.

FERREIRA, Maria de Lourdes da Silva Marques. Motivos que influenciam a não-realização do exame de papanicolaou segundo a percepção de mulheres. Esc. Anna Nery [online]. 2009, vol.13, n.2, pp.378-384.

EDUARDO, Kilvia Gardenia Torres et al. Conhecimento e mudanças de comportamento de mulheres junto a fatores de risco para câncer de colo uterino. Rev Rene. 2012;13(5):1045-55.

FERNANDES, José Veríssimo et al. Conhecimentos, atitudes e prática do exame de Papanicolaou por mulheres, Nordeste do Brasil. Rev. Saúde Pública [online]. 2009, vol.43, n.5, pp.851-858.

DANTAS, Cilene Nunes et al. A consulta de enfermagem na prevenção do câncer cérvico-uterino para mulheres que a vivenciaram. Northeast Network Nursing Journal, v. 13, n. 3, 2012.

THUM, Magali et al. Câncer de colo uterino: percepção das Mulheres sobre prevenção. Cienc Cuid Saúde, Out/Dez, 2008; 7(4):509-516.

CRUZ, Luciana Maria Britto da; LOUREIRO, Regina Pimentel. A comunicação na abordagem preventiva do câncer do colo do útero: importância das influências histórico-culturais e da sexualidade feminina na adesão às campanhas. Saúde Soc., v.17, n.2, p.120-131, 2008.

VARGENS, Octavio Muniz da Costa et al. Diagnóstico de HPV: o processo de interação da mulher com seu parceiro. Rev Bras Enferm. 2013;66(3):327-32.

COSTA, Lucia Helena Rodrigues. O feminismo perspectivista como aporte teórico nas pesquisas sobre os direitos sexuais e reprodutivos das mulheres. In: Messeder AS, Martins MAM, organizadores. Enlaçando sexualidades: volume 1. Salvador: Eduneb;2010. P.199-212.

NASCIMENTO, Maria Isabel do; MONTEIRO, Gina Torres Rego. Características de Acesso ao preventivo de câncer de colo do útero: três etapas metodológicas da adaptação do instrumento de coleta de informação. Cad. de Saúde Pública. V.26, n.6, p:1096-1108, 2010.

TEIXEIRA, Carla Araujo Bastos et al. Comunicação interpessoal como instrumento que viabiliza a qualidade da consulta de enfermagem ginecológica. Rev. APS, v.12, n.1, p.16-28, 2009.

DIÓGENES, Maria Albertina Rocha; LINARD, Andrea Gomes; TEIXEIRA, Carla Araujo Bastos. Comunicação, acolhimento e educação em saúde na consulta de enfermagem em ginecologia. Rev. Rene, v.11, n.4, p.38-46, 2010.

PONTES, Alexandra Carvalho; LEITÃO, Ilse Maria Tigre Arruda; RAMOS, Islane Costa. Comunicação terapêutica em Enfermagem: instrumento essencial do cuidado. Rev. Bras. Enferm, v.61, n.3, p.312-318, 2008.

Publicado
30-08-2019
Seção
ARTIGOS/ARTICLES