Política externa do governo Geisel (1974 – 1979): análise realista neoclássica

  • Gabriel Fernandes Pimenta Universidade Federal de Uberlândia
Palavras-chave: Política externa brasileira, Análise de Política Externa, Realismo Neoclássico, Pragmatismo Responsável

Resumo

O artigo analisa a política externa do governo Geisel (1974 – 1979) sob o marco teórico do realismo neoclássico. Seu objetivo é compreender, a partir de uma teoria sistêmica das Relações Internacionais, um período de intensa atividade nas relações exteriores do Brasil, marcado por atos de grande alcance, como o acordo nuclear com a Alemanha Ocidental e a interação descoordenada com os Estados Unidos, além de outros aparentemente contraditórios com o regime militar, como o estabelecimento de relações diplomáticas com a China e Angola, países socialistas. Segundo o realismo neoclássico, as características sistêmicas, aliadas à dotação de capacidades das unidades, definem a política externa dos Estados. Adota-se como variável interveniente o formato institucional da tomada de decisão. Segundo a hipótese formulada, a expansão das capacidades materiais leva o Estado a expandir suas ações de política externa. O estudo, que confirma a hipótese, baseou-se na análise de indicadores econômicos e militares, além de fontes primárias e secundárias sobre a tomada de decisão em política externa.

Biografia do Autor

Gabriel Fernandes Pimenta, Universidade Federal de Uberlândia
Professor de Relações Internacionais na Universidade Federal de Uberlândia - UFU
Mestre em Relações Internacionais pela PUC Minas
Publicado
15-09-2016
Como Citar
Pimenta, G. F. (2016). Política externa do governo Geisel (1974 – 1979): análise realista neoclássica. Estudos Internacionais: Revista De relações Internacionais Da PUC Minas, 3(2), 203-224. Recuperado de http://periodicos.pucminas.br/index.php/estudosinternacionais/article/view/10602