Estudos Internacionais: revista de relações internacionais da PUC Minas http://periodicos.pucminas.br/index.php/estudosinternacionais <p><strong>Estudos Internacionais</strong>&nbsp;- Estudos internacionais: revista de relações internacionais da PUC Minas é uma publicação quadrimestral do Programa de Pós-graduação em Relações Internacionais, da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, classificada como B2 no QUALIS de sua área "Ciência Política e Relações Internacionais" (Plataforma Sucupira - CAPES-Brasil, 2013-2016).</p> <p><strong>Missão</strong>: Estudos Internacionais tem por missão veicular trabalhos científicos que contribuam para o avanço da pesquisa, especialmente na área de Relações Internacionais, da formação acadêmica crítica e integral, aberta ao diálogo, à perspectiva interdisciplinar e à pluralidade de ideias.</p> <p><strong>Estudos Internacionais</strong>&nbsp;- Estudos internacionais: PUC Minas International Relations journal - is a quarterly journal published by the Post-Graduate Program in International Relations - of the Pontifical Catholic University of Minas Gerais, rated B2 at QUALIS/CAPES, in its area "Political Science and International Relations" <span style="display: inline !important; float: none; background-color: transparent; color: #000000; cursor: text; font-family: 'Noto Sans',Arial,Helvetica,sans-serif; font-size: 14px; font-style: normal; font-variant: normal; font-weight: 400; letter-spacing: normal; orphans: 2; text-align: left; text-decoration: none; text-indent: 0px; text-transform: none; -webkit-text-stroke-width: 0px; white-space: normal; word-spacing: 0px;">(Plataforma Sucupira - CAPES-Brazil, 2013-2016).</span></p> <p><strong>Mission</strong>: Estudos Internacionais aims to convey scientific papers that contribute to the advancement of research, particularly in the area of International Relations. Its main purpose is to provide a critical and integral education, open to dialogue, to interdisciplinary perspective and to the plurality of ideas.</p> <p>&nbsp;</p> <p>&nbsp;</p> Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais pt-BR Estudos Internacionais: revista de relações internacionais da PUC Minas 2317-773X <p>Autores que publicam nesta revista concordam com os seguintes termos:</p> <p>1.&nbsp;Autores mantém os direitos autorais e concedem à revista o direito de primeira publicação, com o trabalho simultaneamente licenciado sob a <a href="https://creativecommons.org/licenses/by/3.0/" target="_new">Licença Creative Commons Attribution</a> que permite o compartilhamento do trabalho com reconhecimento da autoria e publicação inicial nesta revista.</p> <p>2.Autores têm autorização para assumir contratos adicionais separadamente, para distribuição não-exclusiva da versão do trabalho publicada nesta revista (ex.: publicar em repositório institucional ou como capítulo de livro), com reconhecimento de autoria e publicação inicial nesta revista.</p> <p>3.Autores têm permissão e são estimulados a publicar e distribuir seu trabalho online (ex.: em repositórios institucionais ou na sua página pessoal) a qualquer ponto antes ou durante o processo editorial, já que isso pode gerar alterações produtivas, bem como aumentar o impacto e a citação do trabalho publicado (Veja&nbsp;<a href="http://opcit.eprints.org/oacitation-biblio.html" target="_new">O Efeito do Acesso Livre</a>).</p> <p>&nbsp;</p> <p><img width="88" height="31" alt="" src="https://licensebuttons.net/l/by/3.0/88x31.png"></p> <p>&nbsp;</p> <p>&nbsp;</p> Páginas Iniciais http://periodicos.pucminas.br/index.php/estudosinternacionais/article/view/28939 <p>Estudos Internacionais</p> Estudos Internacionais Copyright (c) 2022 Estudos Internacionais: revista de relações internacionais da PUC Minas https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2022-07-16 2022-07-16 10 1 1 6 Potencias Regionales Latinoamericanas: http://periodicos.pucminas.br/index.php/estudosinternacionais/article/view/24133 <p>Este artículo examina los factores prioritarios para la inserción internacional de potencias regionales de diferentes rango como Brasil, México y Colombia en el siglo XXI. Se parte de un marco conceptual que vincula elementos internos, externos y personales, de autores como Palamara, Gardini and Lambert, R Russell y J Tokatlian, y Nolte.<br>Plantea la hipótesis de que estas potencias regionales buscan un mejor acomodamiento en la jerarquía de poder regional y para ello lo hacen fomentando nuevas alianzas, márgenes de autonomía, y multilateralismo. Sin embargo, el liderazgo presenta diferencias que dificultan su posicionamiento. Se observan acomodamientos pragmáticos e ideológicos, nuevos actores, temas, instrumentos y formas de asociación. Es un estudio cualitativo y deductivo, basado en fuentes secundarias y primarias. Dentro de estas últimas se examinaron páginas web, discursos y comunicados conjuntos. El artículo concluye que la transición latinoamericana condujo a nuevas y viejas formas de insertarse en la jerarquía de poder regional e internacional.</p> Martha Ardila Copyright (c) 2022 Estudos Internacionais: revista de relações internacionais da PUC Minas https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2022-07-16 2022-07-16 10 1 7 24 10.5752/P.2317-773X.2022v10n1p7-24 Política Externa e Cooperação Técnica para a Modernização Agrícola no Pós-Segunda Guerra: http://periodicos.pucminas.br/index.php/estudosinternacionais/article/view/23722 <p>Este artigo analisa a criação do Escritório Técnico de Agricultura (ETA) a partir de um acordo de cooperação técnica entre Brasil e Estados Unidos. Criado em 1953, o ETA era proveniente de um conjunto de acordos gerais de cooperação técnica que marcavam as relações entre os dois países desde a década de 1940 e tinha como objetivo “facilitar o desenvolvimento da agricultura e dos recursos naturais dos Estados Unidos do Brasil”. Para que possamos compreender os principais pontos deste acordo, apresentaremos o histórico da cooperação técnica no pós-segunda guerra, bem como algumas diretrizes da política externa brasileira no período. Ultrapassada a <em>equidistância pragmática,</em> que marcou a direção da política exterior em anos de guerra, o paradigma americanista, determinante no pós-guerra, foi adaptado ao nacional-desenvolvimentismo do segundo governo Vargas, no qual a modernização de setores como a agricultura assumia papel fundamental como política de Estado. Como metodologia, expostas questões históricas e teóricas sobre política externa e cooperação técnica no pós-segunda guerra, apresentaremos, de forma expositiva, os principais elementos presentes no referido acordo, bem como sua suposta efetividade como instrumento de desenvolvimento.</p> Wallace Lucas Magalhães Copyright (c) 2022 Estudos Internacionais: revista de relações internacionais da PUC Minas https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2022-07-16 2022-07-16 10 1 25 40 10.5752/P.2317-773X.2022v10n1p25-40 Perfil das sentenças da Corte Interamericana de Direitos Humanos: http://periodicos.pucminas.br/index.php/estudosinternacionais/article/view/25000 <p>A proteção internacional dos Direitos Humanos foi regionalizada a partir do estabelecimento de órgãos e mecanismos que asseguram sua efetividade; no continente americano, o Sistema Interamericano de Direitos Humanos (SIDH) detém essa função. O SIDH é composto por dois órgãos independentes e complementares: a Comissão e a Corte Interamericana de Direitos Humanos. O presente artigo analisa a importância da atuação da Corte na promoção, proteção e garantia dos Direitos Humanos no Brasil, a partir de um estudo exploratório das sentenças condenatórias emitidas ao país, observando a natureza das medidas reparatórias empregadas bem como o seu cumprimento. Em suma, depreende-se que a Corte Interamericana, como mecanismo de monitoramento, cumpre o seu objetivo agindo na proteção dos Direitos Humanos e intimando os Estados a prestar esclarecimentos acerca do cumprimento das sentenças em que foram condenados. Dessa forma, as condenações ao Estado brasileiro catalisam ações e causam repercuções internamente, mesmo quando não cumpridas em sua integridade.</p> Natalia Diniz Schwether Renata Oliveira Copyright (c) 2022 Estudos Internacionais: revista de relações internacionais da PUC Minas https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2022-07-16 2022-07-16 10 1 41 60 10.5752/P.2317-773X.2022v10n1p41-60 Existe uma Sociologia das Relações Internacionais? http://periodicos.pucminas.br/index.php/estudosinternacionais/article/view/24484 <p>O presente artigo apresenta uma reflexão sobre a existência e consolidação de uma sociologia especial, a voltada para o campo fenomenal das relações internacionais. Para tanto, realiza uma reflexão sobre as condições de possibilidade para a existência de uma sociologia especial e para sua consolidação. O caminho percorrido foi analisar as contribuições involuntárias e voluntárias para a constituição de uma sociologia das relações internacionais. A conclusão final do artigo é a de que existe uma sociologia das relações internacionais, mas incipiente e em formação. Para ela se torna consolidada é necessário desenvolver suas tradições analíticas, reflexões sobre relações internacionais e reconhecimento social. Por fim, as publicações mais recentes apontam para a tendência desses elementos se desenvolverem.</p> Nildo Viana Copyright (c) 2022 Estudos Internacionais: revista de relações internacionais da PUC Minas https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2022-07-16 2022-07-16 10 1 61 73 10.5752/P.2317-773X.2022v10n1p61-73 Padrões de Cooperação Sul-Sul: http://periodicos.pucminas.br/index.php/estudosinternacionais/article/view/24846 <p align="justify"><span style="color: #000000;"><span style="font-family: Times New Roman, serif;"><span style="font-size: medium;">Este artigo visa analisar os efeitos combinados de variáveis dos níveis internacional (inserção internacional) e doméstico (regime político) nos padrões de cooperação mantidos entre Brasil e África do Sul, Nigéria, Angola e Cabo Verde, durante o governo Luiz Inácio Lula da Silva (2003-2010). O recorte temporal escolhido se justifica pelo interesse em analisar a cooperação entre Brasil e países africanos em um contexto no qual o Brasil se constituiu como um global player. Diferentes padrões de cooperação são definidos por referência à combinação entre: a) maior ou menor propensão a cooperar; b) predominância de uma dada dimensão da cooperação (política; econômica; financeira; técnica ou científica e tecnológica) e c) determinada formas de articulação cooperativa (block-type, issue-based, and support). A análise do fenômeno segue orientações do método comparativo transversal. Conclui-se que a cooperação entre middle powers (Brasil-África do Sul/ e Brasil-Nigéria) é intensa em dimensões mais complexas, como ciência e tecnologia, assume a forma de articulação cooperativa block-type e é ampliada para temas como direitos humanos e meio ambiente na presença de uma díade democrática (Brasil-África do Sul). A cooperação entre middle powers e small powers (Brasil-Cabo Verde/ e Brasil-Angola) se concentra em dimensões menos complexas (comércio, cooperação técnica), organiza-se nas formas issue-based e/ou support, mas pode ser ampliada na presença de uma díade democrática (Brasil-Cabo Verde).</span></span></span></p> Pedro Andrade Fátima Anastasia Copyright (c) 2022 Estudos Internacionais: revista de relações internacionais da PUC Minas https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2022-07-16 2022-07-16 10 1 74 93 10.5752/P.2317-773X.2022v10n1p74-93 Kubitschek, a revolução cubana e a competição Leste-Oeste, 1959-1961: http://periodicos.pucminas.br/index.php/estudosinternacionais/article/view/26219 <p>O artigo examina a documentação diplomática relacionada à política do governo do presidente Juscelino Kubitschek de Oliveira diante da fase inicial da revolução cubana. A documentação em apreço foi consultada no Arquivo do Ministério das Relações Exteriores. Essa documentação oferece pouco conhecidas informações sobre ações, percepções e interpretações de autoridades brasileiras encarregadas da política externa em relação àquele país, bem como a outros atores com vínculos e interesses na questão cubana.</p> <p>&nbsp;</p> Carlos Dominguez Avila Copyright (c) 2022 Estudos Internacionais: revista de relações internacionais da PUC Minas https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2022-07-16 2022-07-16 10 1 94 116 10.5752/P.2317-773X.2022v10n1p94-116 Brics as a Dynamic and in Process Phenomenon of Global Planning: http://periodicos.pucminas.br/index.php/estudosinternacionais/article/view/25807 <p>Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul são países muito heterogêneos e o BRICS é um arranjo muito original. Este artigo afirma que o BRICS é um fenômeno dinâmico e processual: dinâmico porque se desenvolve de acordo com as percepções dos membros sobre o cenário mundial, sem estabelecer limitações nas estratégias e iniciativas de cada país membro; processual porque se desenvolve por meio de processos específicos, nos quais os membros não apontam qualquer destino ou institucionalização a ser alcançada. Nas cúpulas anuais realizadas regularmente desde 2009, o BRICS emite uma declaração. Os tópicos de maior destaque da conjuntura internacional são pontuados e criticados, com propostas genéricas para tratá-los ou resolvê-los. As declarações não mostram etapas progressivas na abordagem desses temas, nem consolidação de compromissos entre os membros sobre os mesmos. Tais documentos representam a principal fonte primária para a caracterização do grupo e seu comportamento. A inovação deste artigo é aprofundar o uso de fontes primárias para avançar no esforço de conceituação do BRICS e analisar seu desempenho ao longo dos anos. A análise documental das Declarações de Cúpulas é desenvolvida usando dois softwares de análise de texto, AntConc e VOSviewer.</p> William Daldegan Carlos Eduardo Carvalho Copyright (c) 2022 Estudos Internacionais: revista de relações internacionais da PUC Minas https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2022-07-16 2022-07-16 10 1 117 147 10.5752/P.2317-773X.2022v10n1p117-147 Edição Completa http://periodicos.pucminas.br/index.php/estudosinternacionais/article/view/28940 <p>Estudos Internacionais</p> Estudos Internacionais Copyright (c) 2022 Estudos Internacionais: revista de relações internacionais da PUC Minas https://creativecommons.org/licenses/by/4.0 2022-07-16 2022-07-16 10 1 1 147