O Papel do Banco Central Europeu na crise financeira em 2008: o caso espanhol

Andréia Rafaela Martins Silva Andrade

Resumo


O presente artigo analisará as consequências da crise financeira em 2008 na União Europeia e mostrará que a atuação do Banco Central Europeu, o responsável por gerir a estrutura monetária do bloco, foi de um viés conservador. Tal característica está diretamente incorporada à própria estrutura a qual foi construído o BCE, em um processo que se iniciou no pós-guerra e que,  em  1992,  culminou  no  Tratado  de  Maastricht.  A  Espanha, considerada um dos PIIGS, foi um país fortemente abalado pela crise. Sobre os impactos da crise à estrutura econômica espanhola,  será  dada  um  enfoque  no  BCE,  suas  principais  características  e  suas principais medidas econômicas. Entende-se que por ser um país periférico na zona do Euro, está à mercê das principais potências europeias e, por isso, dependeu das políticas econômicas de austeridade exigidas pelo BCE para manter sua estabilidade.  Banco Central Europeu, Tratado de Maastricht, União Europeia, Zona do Euro, Espanha.


Palavras-chave


Banco Central Europeu, Tratado de Maastricht, União Europeia, Zona do Euro, Espanha.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Indexadores:

  

 

ISSN: 1679-5377