Intervenção da OTAN no Kosovo

N ATO intervention in Kosovo

  • Júlia Martins Mendes Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais
  • Laura Carolina Fonseca Silva Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais
  • Thaís Santos Souza Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais

Resumo

O artigo desenvolve-se a partir das perspectivas da Guerra Justa e do Institucionalismo, com a finalidade de analisar a legitimidade da intervenção da OTAN feita no território iugoslavo durante o conflito do Kosovo.  Mediante a leitura e compreensão dos textos, chegou-se a duas respostas: para os institucionalistas Keohane e Buchanan a ação foi ilegítima, tendo em vista a não consideração do acordo institucional necessário para julgar o uso preventivo da força. Entretanto, de acordo com Walzer e Mill, a mesma foi legítima, uma vez que promoveu a autodeterminação de um povo, a partir da defesa dos direitos humanos e da defesa da nacionalidade e independência desse povo. Conclui-se, portanto, que as diferentes perspectivas teóricas levam também a diferentes interpretações, gerando divergência de opiniões em âmbitointernacional.

Biografia do Autor

Júlia Martins Mendes, Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais
Relações Internacionais - 3º Período- Turno: Tarde
Laura Carolina Fonseca Silva, Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais
Relações Internacionais - 3º Período- Turno: Tarde
Thaís Santos Souza, Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais
Relações Internacionais - 3º Período- Turno: Tarde
Publicado
16-11-2017
Como Citar
Mendes, J. M., Fonseca Silva, L. C., & Souza, T. S. (2017). Intervenção da OTAN no Kosovo. Fronteira: Revista De iniciação científica Em Relações Internacionais, 16(32), 191-203. Recuperado de http://periodicos.pucminas.br/index.php/fronteira/article/view/12804