Da natureza humana à racionalidade instrumental: uma leitura das Relações Internacionais a partir da passagem do mito ao logos

Amanda Nunes Silva Rabelo, Anna Terra Veloso Mendes, Fabiano Augusto de Araújo, Rebeca de Assis Gabriela Menezes

Resumo


Este artigo objetiva investigar o desenvolvimento do processo filosófico de passagem do mito ao logos, da Grécia Antiga à Pós-Modernidade, simultaneamente a uma análise da trajetória epistemológica das Relações Internacionais. O caminho apontado pela filosofia compreende três períodos distintos, que se configuram como o Período Clássico, a Modernidade e a Pós-Modernidade. Posteriormente, buscar-se-á delinear a trajetória das teorias de Relações Internacionais no que diz respeito aos seus debates teóricos e, assim, ensejar uma análise comparada vis a vis ao percurso do mito ao logos. As teorias de Relações Internacionais analisadas neste artigo podem ser categorizadas em três conjuntos: as teorias clássicas, o debate Neo-Neo e as teorias societais. 


Palavras-chave


metafísica; mito; logos; Relações Internacionais; epistemologia; Filosofia

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Indexadores:

  

 

ISSN: 1679-5377