As negociações bilaterais Brasil-Argentina (1962-1965) e suas implicações no processo de integração do Cone-Sul

Fernanda Cardoso Fonseca, Marianna Petrovna Ekel

Resumo


O presente artigo tem como propósito a análise dos processos de tomada de decisão e negociação que culminaram com o chamado Acordo do Trigo, consolidado entre Brasil e Argentina na década de 1960. Ao longo deste estudo, será buscado entender como ambos os países conseguiram chegar aos termos finais do Acordo que beneficiassem ambos em um contexto internacional considerando o questionamento em relação ao papel dos países periféricos no mercado internacional. A cooperação entre o Brasil e a Argentina também foi analisada à luz das teorias desenvolvimentistas propostas pela Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe (Cepal) à época. Por fim, foi percebido que mesmo não gerando uma robusta integração regional como anteriormente pensado, a estrutura de barganha utilizada por ambos os países serviu de modelo para negociações futuras, influenciando indiretamente vários acordos entre os países da região do chamado Cone-Sul.

 


Palavras-chave


Brasil; Argentina; Acordo do Trigo; Barganha; Cooperação; CEPAL; Negociação.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Indexadores:

  

 

ISSN: 1679-5377