A legalização do matrimônio homossexual na Espanha: a internalização de uma norma

Lucas Paoli Itaborahy

Resumo


Este artigo tem como objetivo analisar o porquê de a Espanha ter sido o único país católico da União Europeia com alto nível de religiosidade a legalizar o matrimônio homossexual. Serão examinados, sob a vertente construtivista das Relações Internacionais, o papel das instituições europeias, a aliança entre os partidos de esquerda e a rede transnacional LGBT - engajada em associar os direitos homossexuais aos direitos humanos, e a natureza das práticas religiosas domésticas. As evidências revelam que a interação entre o PSOE e o movimento gay espanhol possibilitou que este inserisse de maneira eficaz suas demandas na agenda política nacional. O fato de o país possuir longa tradição católica, ironicamente, foi responsável pela opção da instituição matrimonial como forma ideal de equiparar os direitos dos casais heterossexuais e homossexuais, sem implicar a discriminação desses últimos.

Palavras-chave


Internalização de normas de direitos humanos; Matrimônio homossexual; Espanha; União Europeia.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Indexadores:

  

 

ISSN: 1679-5377