A criação da Otan e sua permanência do período pós-Guerra Fria

Roberta Dohani Pereira, Dimas Veiga Margazão

Resumo


Logo no início da Guerra Fria, a aliança ocidental, liderada pelos Estados Unidos, fundou, em abril de 1949, por meio do Tratado de Washington, a Organização do Tratado de Atlântico Norte – Otan -, aliança militar de assistência mútua contra uma possível tendência expansionista da União Soviética – URSS. Esta, por sua vez, juntamente com seus satélites, institucionalizou o Pacto de Varsóvia. Em 1991, com o fim da bipolaridade, ocorria a fragmentação da União Soviética e, consequentemente, o esvaziamento da ameaça permanente que ela representava para os países ocidentais. O Pacto de Varsóvia deixa de existir, mas a Otan permanece até os dias atuais como uma aliança de Estados. Em 1999, através de um bombardeio aéreo, a Aliança intervém no conflito da Iugoslávia e passa a administrar a crise, mantendo tropas no local. A partir de uma perspectiva histórica, faremos uma análise teórica das mudanças estratégicas da Otan no pós-Guerra Fria, visando a compreender seu papel no atual cenários internacional considerando sua atuação em novas missões de segurança. Para tanto, aliaremos, também, qual seria sua relevância para os interesses estratégicos norte-americanos na manutenção da segurança europeia e como se dá, atualmente, o relacionamento da Rússia com a Aliança.


Palavras-chave


Segurança internacional; Otan; Comunidade de segurança; Segurança europeia; Relações Internacionais

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Indexadores:

  

 

ISSN: 1679-5377