Variáveis domésticas e cooperação internacional: o caso SARS

Anderson de Miranda Gomes

Resumo


Este artigo tem como escopo analisar a efetividade do Sistema de Aviso e Controle de Doenças (SACD) da Organização Mundial de Saúde (OMS) em face do surto epidêmico da Síndrome Respiratória Aguda Grave (SARS). A difusão da epidemia veio colocar em questão a efetividade do sistema de vigilância. Será analisado o comportamento do Estado chinês, foco original da síndroma – perante a provisão do SACD. Para tal, será feita uma investigação do comportamento divergente de Estados com sistemas políticos democráticos e Estados de sistemas não-democráticos, considerando uma análise de suas políticas domésticas. Conlui-se que, por meio de defecção de um Estado membro – a China -, o SACD mostrou-se falho em cumprir seu desígnio.


Palavras-chave


SARS; Organização Mundial da Saúde; Teoria das Relações Internacionais; Institucionalismo; Cooperação internacional

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Indexadores:

  

 

ISSN: 1679-5377