Corporação, redes técnicas e poder: a trajetória têmporo-espacial da Algar Telecom

  • Fernando Fernandes de Oliveira Instituto Federal Goiano - Campus Avançado Ipameri
  • Denis Castilho Universidade Federal de Goiás
Palavras-chave: Grupo Algar Telecom, Corporação, Redes Técnicas, Poder

Resumo

Os grupos corporativos, nutridos por uma base territorial, se organizam em rede e mantém uma patente sinergia político-econômica com o Estado. As redes técnicas, nesse sentido, insurgem como elementos indispensáveis à configuração multidivisional das modernas corporações, com vistas a equalizar o padrão expansível da acumulação no âmbito de sua natureza multilocalizada. Com base nessas considerações, este texto analisa a trajetória e as práticas espaciais da Algar Telecom (antiga CTBC), uma subsidiária do Grupo Algar, corporação com espesso histórico de atuação no Triângulo Mineiro. Os procedimentos metodológicos basearam-se em análise de anuários estatísticos do IBGE, relatórios da Telebrás, publicações históricas, relatórios do Grupo Algar e mapeamento. O estudo mostra que as redes técnicas se constituem como instrumentos inseparáveis à organização espacial de uma corporação multilocalizada como a Algar Telecom, seja no contexto intra empresa, no externo imediato, no que toca às amarrações políticas ao no conjunto das ações que se fazem sentir à distância.

Biografia do Autor

Fernando Fernandes de Oliveira, Instituto Federal Goiano - Campus Avançado Ipameri
Mestre em Geografia pela Universidade Federal de Uberlândia e Doutor em Geografia pela Universidade Federal de Goiás. Atualmente é professor efetivo do Instituto Federal Goiano - Campus Avançado Ipameri.
Denis Castilho, Universidade Federal de Goiás

Doutor em Geografia pela Universidade Federal de Goiás, com Estágio Doutoral na Universidad de Barcelona. Atualmente é professor dos cursos de Graduação e Pós-Graduação do Instituto de Estudos Socioambientais da UFG.

Publicado
28-01-2020