O carste e a qualidade das águas superficiais da bacia hidrográfica do rio Sucuri, Bonito/MS

  • Rafael Brugnolli Medeiros Universidade Federal da Grande Dourados
  • André Geraldo Berezuk
  • André Luiz Pinto
  • Marcos Norberto Boin
  • Lorrane Barbosa Alves
Palavras-chave: Sistema Cárstico, Qualidade Físico-química da Água, Substrato Rochoso, Mato Grosso do Sul

Resumo

Essa pesquisa teve como objetivo analisar a influência dos litotipos de composição carbonática na qualidade das águas superficiais da Bacia Hidrográfica do Rio Sucuri - BHRS, localizada no município de Bonito – Mato Grosso do Sul, Brasil. Para tanto, a metodologia consistiu em duas etapas básicas: a primeira delas trata-se da atualização do mapa geológico da bacia, por meio de saídas de campo; e a segunda etapa consistiu no monitoramento da qualidade das águas superficiais ao longo de cinco pontos, selecionados no rio Sucuri. Chegou-se, assim, a resultados que apontaram a influência significativa das rochas carbonatadas na composição química e na qualidade das águas, seja em seu pH alcalino, alta condutividade e na concentração de sólidos totais dissolvidos - TDS, decorrente da quantidade de sais dissolvidos na água. Com isso, seu enquadramento apontou alguns pontos críticos, porém, quando relacionado ao parâmetro principal, as concentrações de oxigênio dissolvido - OD revelaram boa qualidade das águas. O parâmetro referente à turbidez é o impacto mais notável da geologia sobre as águas, pois ocorre a decantação dos componentes químicos dissolvidos dos calcários no leito fluvial, provocando uma translucidez que traz grande beleza cênica ao manancial. Conclui-se que, por meio dessa análise, foi possível enquadrar o rio Sucuri na classe I, limitando seu uso para determinadas funções, além de apontar que o ambiente cárstico exerce forte influência sobre os parâmetros físicos e químicos das águas superficiais.

Publicado
30-04-2020