Permeabilidade do solo em área de aterro sanitário

  • Willian Fernando de Borba UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA - UFSM
  • José Luiz Silvério da Silva Professor Titular da Universidade Federal de Santa Maria
  • Pedro Daniel da Cunha Kemerich Professor Adjunto da Universidade Federal do Pampa
  • Éricklis Edson Boito de Souza Mestrando do Programa de Pós-graduação em Engenharia Florestal
  • Gabriel D’Ávila Fernandes Doutorando do Programa de Pós-graduação em Engenharia Civil
Palavras-chave: contaminação, condutividade hidráulica saturada, resíduos sólidos

Resumo

A geração de resíduos sólidos, consequência da mudança do modo de consumo da população, vem aumentando gradativamente com o passar dos anos. Aliado a isso, pesquisas desenvolvidas em áreas de disposição de resíduos, visando a proteção do meio ambiente, são de extrema importância. Assim, esse estudo tem por objetivo analisar a permeabilidade de um LATOSSOLO VERMELHO utilizado para um aterro sanitário utilizando várias técnicas de estimativa. Para a técnica ex situ, foi determinada a condutividade hidráulica saturada em quadruplicata em um perfil de solo, utilizando um permeâmetro de carga constante. Já para a determinação in situ, foi utilizado um permeâmetro de guelph em três pontos de análise. Resultados indicaram a presença de um solo com prodomínio de microporos (52.26 %), com valores de condutividade hidráulica médios de 5,09 x 10-4 cm.s-1 em solo natural e 1,27 x 10-5 cm.s-1 em solo compactado. A permeabilidade obtida com uso do permeâmetro de guelph em solo compactado foi de 7,03 x 10-5 cm.s-1, valores estes semelhantes aos permitidos pelas normativas. Foi possível concluir que o solo compactado apresenta baixos valores de permeabilidade, em ambas as técnicas, consequência dos altos valores de argila além da presença dos microporos. Assim, os resultados obtidos são semelhantes a faixa permitida pela legislação vigente.

Publicado
04-04-2020