Padrões espaciais do capital criativo e do capital humano no Brasil: efeitos sobre o desenvolvimento econômico regional

  • Natália Stein PUCRS
  • Willian Adamczyk Doutorando em Economia do Desenvolvimento no Programa de Pós-Graduação em Economia da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul – PPGE/PUCRS e Professor na FATENP. https://orcid.org/0000-0002-3377-1149
  • Adelar Fochezatto Doutor em Economia. Professor na Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul - PPGE/PUCRS. Pesquisador no Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico/CNPq. https://orcid.org/0000-0001-7192-3986
Palavras-chave: Capital Criativo. Capital Humano. Desenvolvimento Regional. Econometria Espacial. Economia Regional., Creative Capital. Human Capital. Regional Development. Spatial Econometrics. Regional Economy.

Resumo

O objetivo é investigar a distribuição espacial das classes criativas nas microrregiões brasileiras e sua relação com o desenvolvimento regional. Para isso, testa-se o poder explicativo da Teoria do Capital Criativo frente ao da Teoria do Capital Humano para as diferenças de renda per capita entre as microrregiões. Os resultados indicam que as microrregiões com maior PIB per capita e boa parte da população com alto índice educacional estão concentradas nas regiões da metade sul do Brasil. O I de Moran indicou que ambas as variáveis estão associadas com o nível de desenvolvimento das microrregiões, porém o capital humano apresentou resultado mais expressivo. O teste de Indicadores de Associação Espacial Local (LISA) revelou a presença de clusters alto-alto para ambas as variáveis na metade sul. O modelo econométrico espacial apontou que o capital humano tem um efeito mais forte que o capital criativo sobre o desenvolvimento econômico das microrregiões brasileiras. 

Publicado
05-08-2020