Gênero e alimentação

um estudo comparativo da percepção de segurança alimentar e nutricional no campo e na cidade

  • Xênia de Castro Barbosa Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Rondônia
  • Pedro Rammon dos Santos Silva Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Rondônia
  • José Henrique dos Santos Nogueira Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Rondônia
Palavras-chave: SAN; Gênero; Alimentação.

Resumo

O estudo em tela visa contribuir, ainda que de forma parcelar e modesta, com o campo da História da Alimentação, evidenciando a percepção social da população amazônica de São Felipe d’Oeste/RO acerca da Segurança Alimentar e Nutricional - SAN. O estudo foi desenvolvido no Núcleo de Extensão em Desenvolvimento Territorial do Território Rural de Identidade Rio Machado (NEDET Rio Machado), sediado no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Rondônia (IFRO). Seu objetivo principal foi analisar a percepção de segurança alimentar e nutricional de mulheres residentes em São Felipe d’Oeste, município amazônico integrante daquele Território. Buscou-se ainda identificar onde a insegurança alimentar e nutricional tem maior incidência: se na zona urbana ou rural, bem como discutir os fatores que interagem para sua formação e mitigação. A pesquisa foi desenvolvida em abordagem qualitativa, mediante observação de tipo participante, em campo, e aplicação da Escala Brasileira de Insegurança Alimentar e Nutricional - EBIA. A amostra compreendeu 2% da população total do referido município, da qual metade foi constituída de mulheres residentes na Zona Rural e a outra metade de mulheres residentes na Zona Urbana. As análises tomaram por base Menezes e Carneiro (1997), Bourdieu (2002), Butler (2017), Kepple e Segall-Corrêa (2011), dentre outros. Os resultados apontam que a insegurança alimentar e nutricional teve incidência maior na zona urbana do que na zona rural, contribuindo para a melhor situação da segunda a forte ocupação das mulheres na agricultura familiar de base agroecológica.

Publicado
09-09-2020